Piratas Majus


drakar

Um Drakkar Viking no Viking Ship Museum de Oslo

Durante os séculos IX e X o Al-Andalus foi assolado pelos ataques dos piratas Majus, normalmente conhecidos por Vikings, que lançaram o terror nas regiões costeiras. Os seus raids, de curta duração, durante os quais pilhavam, saqueavam e faziam prisioneiros que vendiam posteriormente como escravos, iniciavam-se com o aparecimento dos célebres navios com cabeça de dragão, os drakkars, extremamente manobráveis, com os quais subiam os rios para atacar as cidades situadas nas suas margens.

A grande estatura dos guerreiros Vikings, as armas temíveis com que se muniam e os enormes cães que corriam na vanguarda dos seus exércitos, incutiam o pânico nas populações, e granjearam-lhes a fama de sanguinários que perdura até aos nossos dias.

Apesar de terem colonizado áreas consideráveis no Norte da Europa e aí se terem dedicado a um comércio intenso com a Escandinávia, as suas acções no Al-Andalus foram actos de pura pirataria, já que não tinham como perspectiva nem a colonização, nem tão pouco o estabelecimento de entrepostos comerciais, dada a falta de meios para manter sob o seu controlo territórios tão distantes.

everyday life in the viking age

Cenas da vida diária num selo Dinamarquês

“O termo viking, do nórdico antigo víkingr, (…) é habitualmente usado para se referir aos exploradores, guerreiros, comerciantes e piratas nórdicos escandinavos que invadiram, exploraram e colonizaram grandes áreas da Europa e das ilhas do Atlântico Norte a partir do final do século VIII até meados do século XI.” (WIKIPEDIA, página electrónica referenciada)

Segundo alguns autores o termo Viking vem do norueguês antigo vik que significa baía ou enseada, mas para outros tem a sua origem no sufixo germânico vik ou wik, “normalmente utilizado para se referir a uma cidade mercadora, da mesma forma que burg significa lugar fortificado.” (WIKIPEDIA, página electrónica referenciada) Outros referem ainda que a palavra viking pode não ter origem escandinava, e estar relacionada à palavra “acampamento”, do inglês antigo wic e do latim vicus. Mas este povo teve outras designações, como Normanni, Norseman ou Normandos, homens do Norte, para os francos, Ascomanni ou Ashmen, homens de madeira, para os germânicos, Gall, forasteiros, ou Lochllanach, nortistas, para os irlandeses, varegues ou varingar para os russos.

Para os Árabes do Médio Oriente a sua designação era Russ, possivelmente com origem em Ruotsi, nome dado pelos finlandeses aos suecos, e que estaria na base do termo Rússia. Os andaluses utilizavam a designação Al-Majus, ou Magos, e “adoradores de fogo”, devido ao seu paganismo. O termo Majus originalmente designava os seguidores de Zoroastro, mas no Al-Andalus generalizou-se, designando as populações pagãs.

cabeça de dragão

Cabeça de dragão utilizada num antigo drakkar, Viking Ship Museum, Oslo

Os Vikings eram originários não só da Noruega, Suécia e Dinamarca, como também da Lapónia, Finlândia e dos actuais estados bálticos. Alguns autores defendem que os Vikings eram os aventureiros e piratas escandinavos, mas não representavam os povos escandinavos. “Nem todos os escandinavos eram Vikings (…) os próprios escandinavos usavam o termo para referir os piratas da região, mas o termo não se aplicava aos agricultores locais.” (GABRIEL, 1999, pág. 36-42)

O carácter sanguinário normalmente atribuído aos vikings não corresponde à realidade, já que resulta de uma imagem criada ao longo dos tempos. “A fama dos vikings de brutos e violentos ou intrépidos aventureiros deve muito ao mito viking moderno que tomou forma no início do século XX. As actuais representações populares são tipicamente clichês, apresentando os vikings como caricaturas. Eles também fundaram povoados e fizeram comércio pacificamente. A imagem histórica dos vikings mudou um pouco ao longo dos tempos, e hoje já se admite que eles tiveram uma enorme contribuição na tecnologia marítima e na construção das cidades.” (WIKIPEDIA, página electrónica referenciada)

Várias razões são apontadas para a expansão Viking, entre as quais uma situação de superpopulação na Escandinávia, aliada ao facto de a produção agrícola não satisfazer as suas necessidades alimentares. Outra razão é a da impossibilidade de alimentar o gado todo o ano devido ao carácter sazonal das pastagens. Há também quem aponte o facto de um desequilíbrio na estrutura social ter provocado uma falta de mulheres na sua sociedade.

carta

As viagens dos Vikings. fonte Smithlifescience

A expansão Viking inicia-se nos finais do século VIII e tem uma duração de 300 anos. Essa expansão realiza-se para Ocidente por mão dos Noruegueses e Dinamarqueses, que se dirigem para o Atlântico Norte, chegando à Terra Nova, para a Europa Ocidental e Mediterrâneo, e para Leste, por intermédio dos Suecos, que ocupam parte da Rússia e Ucrânia, e descendo os Rios Volga e Dnieper até ao Mar Negro e Mediterrâneo.

Os noruegueses viajaram para o Noroeste e Oeste, ocupando inicialmente, durante o reinado de Harald “dente-azul”, o Norte das Ilhas Britânicas, onde encontraram forte resistência por parte dos seus habitantes. Numa segunda fase encontraram ilhas desabitadas onde fundaram povoados _ primeiro a Islândia em 825 e depois a Gronelândia em 985, onde Erik “o vermelho” estabeleceu uma importante comunidade. O seu filho Leif Eriksson descobriu a América do Norte, a que chamou Vinland ou Terra do Vinho. “Um pequeno povoado foi fundado na península norte na Terra Nova, actual Canadá, mas a hostilidade dos indígenas locais e o clima frio provocaram o fim desta colónia em poucos anos.” (WIKIPEDIA, página electrónica referenciada)

Construção alusiva aos Vikings

Construção alusiva aos vikings na Terra Nova. foto de “In the footsteps of Leif Eriksson” de Sebastian Wolf

Os dinamarqueses navegaram para Sul, atacando a Alemanha e ocupando o Sul das Ilhas Britânicas e a parte de França conhecida como Normandia. O rei dinamarquês Canuto chegou mesmo a ser rei de Inglaterra. Em 911, o rei de França elevou a Normandia a Ducado em troca da sua conversão ao cristianismo e da interrupção das incursões normandas em território francês.

Os Vikings noruegueses e dinamarqueses realizaram também ataques em grande escala na Península Ibérica e no Mediterrâneo, sem no entanto ter estabelecido qualquer colónia ou feitoria na região.

Os suecos fizeram longas incursões descendo os rios da moderna Rússia e estabeleceram fortes para a sua defesa. No século IX controlavam Kiev e Novgorod e com uma força de dois mil navios e oitenta mil homens atacaram Constantinopla, saindo de lá com um favorável acordo comercial com o imperador bizantino. Muitos suecos serviram o Império Bizantino como mercenários, concretamente na guarda imperial conhecida como Guarda Varegue. Mas “o mais eminente escandinavo que serviu a Guarda Varegue foi Harald Hardrada, que posteriormente foi rei da Noruega.” (WIKIPEDIA, página electrónica referenciada)

A designação Árabe Majus aplicava-se assim aos Vikings Noruegueses e Dinamarqueses que atacaram o Al-Andalus, enquanto a designação Russ aplicava-se aos Vikings Suecos, que chegaram ao Mediterrâneo pelas bacias dos rios Volga e Dnieper.

guerreiros vikings

Guerreiros Vikings. autor desconhecido

Para os Árabes, o aspecto dos vikings era impressionante, como descreve Ibn Fadlan, cronista Árabe do século IX que se encontrou com os Russ no Rio Volga. “Nunca vi espécimes tão fisicamente perfeitos, altos como palmeiras, louros e corados (…) cada homem tem um machado, uma espada e uma faca e mantém-nas sempre consigo (…) usam tatuagens com desenhos verde-escuros, desde as unhas até ao pescoço.” (GABRIEL, 1999, pág. 36-42) No que toca à higiene pessoal dos Russ, Ibn Fadlan tem palavras bem menos elogiosas. “São de todas as criaturas de Deus as mais sujas.” (GABRIEL, 1999, pág. 36-42)

Á data das primeiras incursões Majus, o Al-Andalus encontra-se unificado sob o Emirato Omíada de Córdoba, estabelecido no ano de 756 pelo príncipe Abderahman I. Durante a primeira campanha viking governa o 4º Emir, Abderahman II e à data da segunda campanha governa o seu sucessor, o Emir Mohammad I. Durante a terceira campanha o Emirato já se tinha transformado em Califado, sendo governado pelo segundo Califa, Al-Hakim II.

La Giralda

A Giralda de Sevilha

A primeira campanha dos Majus no Al-Andalus dá-se nos meados do século IX. Surgiram na costa Ocidental da península no ano de 844 e atacaram Lisboa com uma esquadra de 80 drakkars, que não conseguiram conquistar, mas fizeram muitos estragos nos seus arredores. O governador da cidade, Wahabe Allah ben Hazme informou de imediato o Emir Abderahman II do perigo que constituíam.

De Lisboa dirigiram-se a Cadiz, que tomaram, e daí a Sevilha, subindo o Guadalquivir, e ocuparam a cidade durante 42 dias, incendiando o bairro de Triana. “Os sevilhanos evacuaram a cidade e fugiram para Carmona e os montes de Sevilha. Como nenhum dos do ocidente de Espanha se atrevia a combate-los, teve que recrutar-se gente de Córdoba e comarcas circunvizinhas.” (COELHO, 1989, pág. 127)

Durante esse período fazem incursões por terra, atacando a região de Cordoba, Morón e Medina Sidonia, de acordo com os relatos de Ibn Qutiya, historiador Andalus do século X. “…puseram-se a matar homens e a cativar mulheres e a arrebanhar crianças.” (COELHO, 1989, pág. 129)

Alcazar de Sevilha 4

Pátio do Alcazar de Sevilha

A derrota dos Majus dá-se quando saem de Sevilha para atacar Morón e os Andaluses lhes preparam uma emboscada. “Ao despontar a aurora, saiu de Sevilha em direcção a Morón um grupo de 16.000 normandos. Quando chegaram em frente da vila, o vigia fez sinal, mas os emboscados não saíram para que aqueles se fossem afastando. E uma vez afastados, interpuseram-se entre eles e a cidade, e decapitaram-nos a todos.” (COELHO, 1989, pág. 128) Ao saberem do sucedido, outros dois destacamentos Majus que se dirigiam a Cordoba e a Lecante, regressaram a Sevilha e puseram-se em fuga rio abaixo. Os muçulmanos atacaram-nos e conseguiram resgatar os habitantes prisioneiros em troca da sua vida. Mesmo assim os Andaluses queimaram 30 dos seus drakkars.

“Depois da conquista e expulsão de Sevilha, os normandos retornaram a Niebla onde correram a região fazendo prisioneiros. Depois dirigiram-se a Ossónoba e daí a Beja.” (COELHO, 1989, pág. 131) No seguimento da ocupação de Sevilha, Abderahman ordena a construção de uma armada, que se revelaria fundamental na defesa do Andalus contra os posteriores ataques Majus. Os ataques dos Majus iriam assim impulsionar decisivamente a constituição de uma armada Andalusa, sediada no Guadalquivir, junto a Sevilha, cidade que se transforma no principal estaleiro de construção naval. Complementando a base naval de Sevilha, desenvolvem-se outros portos, com função de acolher os navios da armada durante as suas operações de defesa da costa, caso de Silves, Alcácer do Sal ou Lisboa. Com o tempo a base de Sevilha seria transferida para Algeciras e posteriormente para Almeria.

Mesquita de Cordoba 4

O Mihrab da Grande Mesquita de Cordoba

No ano de 846 o Emir de Córdoba manda Yahya Ibn Al-Hakim Bakr, conhecido por Algazel, “a gazela”, um dos maiores poetas e diplomata da sua época, numa viagem até à corte dos Normandos, acedendo a um pedido de paz feito pelo seu rei Thorgest. Algazel era conhecido pela sua inteligência e “célebre pela sua formosura”. Já tinha prestado serviço diplomático na corte cristã de Constantinopla e conhecera a corte de Harun Ar-Rachid em Bagdade.

Acompanhado por Yahya Ibn Habib, embarcou em Silves para a sua viagem para Norte, não se sabe se para a Irlanda, se para a Dinamarca, sendo portador de um presente do Emir para o Rei dos Majus. Segundo consta, Algazel terá conseguido seduzir a rainha Noud, que se apaixonou por ele. Escreveu Algazel que a rainha “permanece um sol de beleza após o anoitecer”. (GABRIEL, 1999, pág. 36-42)

“A esposa do rei dos normandos de tal modo simpatizou com Algazel que não podia passar um dia sem o ver (…) estas visitas frequentes depressa excitaram a curiosidade pública: os companheiros do embaixador não gostaram e aconselharam-lhe que fosse mais prudente.” (COELHO, 1989, pág. 132)

Apesar de a sua missão ter sido bem-sucedida, a paz com os Majus não durou muito tempo. No ano 850 uma esquadra de 150 drakkars ataca os reinos cristão do Noroeste da Península, saqueando Gijon e A Corunha. O rei das Asturias organiza um exercito que os expulsa, fazendo 70 vikings prisioneiros, que são queimados vivos. Nos 10 anos seguintes os raids às costas do Reino de Leão são tão intensos que Afonso III manda erguer diversas fortificações.

Tapeçaria de Bayeux

Detalhe da “Tapeçaria de Bayeux”, alusiva à Batalha de Hastings de 1066, Musée de la Tapisseire de Bayeux, Normandie

A segunda campanha dos vikings no Al-Andalus ocorreria apenas 13 anos após a viagem de Algazel. No ano de 859 há notícia de uma nova incursão, com uma esquadra de 62 drakkars comandada por Hastein e Bjorn “Ironsides”, fazendo vários ataques na costa Ocidental de Portugal e posteriormente atacando Sevilha, onde sofrem uma derrota contra a esquadra Omíada. De Sevilha dirigem-se para a costa Mediterrânica de Marrocos, onde saqueiam a cidade de Nakur, fazendo numerosos cativos. Escreveria a propósito um observador muçulmano:

“al-Majus – que Deus os amaldiçoe – invadiram o pequeno estado marroquino de Nakur e pilharam-no. Fizeram cativos todos os seus habitantes com excepção daqueles que salvaram as suas vidas por fugirem.” (GABRIEL, 1999, pág. 36-42)

De Marrocos fazem novos ataques contra os reinos cristãos da Península, concretamente nas Baleares e em Navarra. Prosseguem atacando o Sul de França e saqueiam Pisa, em Itália. Algumas fontes Árabes afirmam que terão mesmo atingido a Grécia e o Egipto. No seu regresso à Escandinávia são destruídos por uma esquadra muçulmana e não mais voltariam ao Mediterrâneo.

A terceira campanha Maju aconteceu cerca de 100 anos depois, no ano de 966, durante o califado de Al-Hakim II. Foi uma campanha curta e desastrosa para os vikings. Começaram por atacar as costas da Gazila e daí rumam a Lisboa, onde desembarcam, travando várias batalhas nos campos circundantes, onde fazem numerosos prisioneiros. De Lisboa enviam 28 drakkars com 2.500 homens para Sul, ao que o califa de Cordoba manda a esquadra Omíada ao seu encontro.

A batalha trava-se no Rio Arade, onde os Majus tinham entrado com o objectivo de atacar Silves. A esquadra Andalusa ataca os seus navios com recurso a projecteis de nafta incandescentes atirados por catapultas, afundando a maioria dos navios e pondo os restantes em fuga. Com a Batalha do Arade do ano de 966 terminam em definitivo os ataques dos vikings ao Al-Andalus.

“Desde então chegavam a cada instante a Cordoba, do Ocidente, novas sobre o movimento dos normandos, até que Allah os afastou.” (COELHO, 1989, pág. 134)

Bibliografia:

COELHO, António Borges . “Portugal na Espanha Árabe”. Editorial Caminho, Lisboa, 1989

DOMINGUES, José Garcia . “História Luso-Árabe” . Centro de Estudos Luso-Arabes de Silves, 2010

DOMINGUES, José Garcia . “O Gharb Al-Andalus” . Centro de Estudos Luso-Arabes de Silves, 2011

GABRIEL, Judith . “The Remarkable Account of Ibn Fadlan” . Saudi Aramco World, Houston, 1999

PICARD, Christophe . “Shilb e a actividade maritima dos muçulmanos no Oceano Atlântico” . Actas das III Jornadas de Silves, 1995

WIKIPEDIA . “Vikings” . http://pt.wikipedia.org/wiki/Vikings

Comments

  1. Falhei os dois últimos artigos, ainda tenho que os ir buscar…
    É fascinante que se saibam tantos pormenores sobre algo tão antigo. E é pena que tenha tido professores que me tenham feito interessar tão pouco por história até bem dentro da idade adulta.

  2. Obrigado por este artigo.

    Foi um prazer ler sobre um assunto do qual ouvimos falar, noutros sítios, quase como se de lenda se tratasse, tão parcos e nebulosos são os pormenores que temos em geral ao nosso dispor.

    Quanto a mim só falta uma coisa, são as legendas nas fotos. Por exemplo, onde posso encontrar esta magnífica torre?

  3. Luís Teixeira Neves says:

    É a Giralda em Sevilha.

  4. Frederico Mendes Paula says:

    Exacto. A Giralda de Sevilha

  5. Obrigado, o artigo sobre a Giralda na wikipédia é interessante.

    • Frederico Mendes Paula says:

      A Giralda é irmã da Kutubyia de Marraquexe e da inacabada Torre Hassan de Rabat. As intervenções feitas posteriormente desvirtuaram a sua traça original, principalmente ao nível do seu remate superior. Subir os quase 100 metros da Giralda é uma experiência a não perder. O acesso ao topo faz-se por rampas, concebidas para o “muezzin” subir e descer 5 vezes por dia a cavalo, para efectuar o “Azhan”, ou chamamento dos crentes para a oração.

  6. Carla Romualdo says:

    ora aqui está um tema sobre o qual não sei nada mas que parece fascinante. Excelente artigo, Frederico

  7. Muito bem.
    Duas notas:
    – Também sugiro legendas nas imagens e, naturalmente, a fonte:
    – Penso que está uma gralha em “Gazila”; suponho que seja “Galiza”.

  8. Frederico Mendes Paula says:

    Obrigado pela observação J. Silva. Li e reli o texto e nunca dei pela “Gazila”. Já está corrigido. Quanto às legendas nas imagens, que o Helder Guerreiro já tinha sugerido, não me preocupei em incluí-las neste artigo, pelo facto de estas imagens serem meramente ilustrativas, mas procurarei adicioná-las.

  9. Luís Teixeira Neves says:
  10. N.Coutinho says:

    História com aventura. Artigo muito interessante. Parabéns!

  11. Curiosamente estive ontem a terminar um “post”, que programei para o dia 8, precisamente sobre al-Ghazal e o seu embarque em Silves a caminho dessa terras do Norte. Se antes tivesse visto este teu, não me teria atrevido.🙂
    Abraço.

  12. José Penaforte says:

    Para quem tem costelas árabes, sendo algarvio, é muito interessante perceber o que por cá se ia passado faz tanto tempo. Viagens de saque de tão longe implicava seguramente uma logística que suportasse tais incursões, teriam que ter uma retaguarda que a assegurasse entre a Suécia e as costas do sul da Península,ou mesmo como referiu o norte de Marrocos, estarei errado? Onde seria? Além dos drakkars, que penso serem os barcos de guerra, tinham outro tipo de embarcações para poderem carregar o saque e os escravos ou não?
    Desculpe as perguntas, mas é porque acho o tema apaixonante, e claro, adorei o artigo. Obrigado.

Trackbacks

  1. […] o general Galib Al-Nasiri, a própria Subh, mãe do Califa, o seu primo Askaladja e o almirante da frota do califado Ibn […]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Alterar )

Connecting to %s