Afinal, PPC tem razão

Tenho que dar o braço o a torcer. Tantas vezes digo mal do nosso Pedro Coelho e, afinal, ele até tem razão. Vi nas notícias que cada vez mais famílias jantam juntas por não terem dinheiro para fazer refeições fora de casa.
Ao contrário do que eu constantemente digo, este senhor é um visionário. Ele sabe bem o que faz. Com a sua sábia acção, junta as famílias em torno da mesa de jantar. Não percebi se se tratava da mesa da sala ou da mesa da cozinha.
As famílias que já não conseguem ter comida para pôr na mesa ou que já não conseguem pagar electricidade ou gás, podem juntar-se em volta de qualquer das mesas, caso ainda tenham alguma mesa, ou ainda tenham um tecto que as abrigue. Já os privilegiados que conseguem ter dinheiro para comer e pagar electricidade ou gás, esses ricaços, o melhor será escolherem a mesa da cozinha. Ficam mais perto do fogão, dispendem menos calorias, pelo que necessitarão de menores quantidades de comida, e não gastam energia noutras divisões da casa.
Temos é um problema, quem é que vai ressarcir a EDP pela perda de lucros?
Entretanto, e continuando com o quadro idílico deste nosso Portugal, agora cada vez mais unido pela fome (fome? não, desculpem, lá estou eu a ser uma bruxa má que só critica tão bondoso senhor, queria dizer unido no amor) imagino todas estas famílias em redor de uma mesa, na qual sobressai a toalha kitch e um cestinho de pão, a dar graças por pelo menos poderem trincar um pãozito. Nem que seja «o pão que ninguém mais come, os catraios passam fome» de que nos falava José Mário Branco. E lá estou eu outra vez a falar em fome. Raios, que isto de elogiar o nosso p.m. é coisa que me custa!
Adiante, numa parede está pendurado um quadro com a digníssima fronha do presidente da república e noutra lá podemos ver também o não menos digno carão do p.m. Deus, pátria e família! A saudosa tríade regressa ao país. Seremos agora muito mais felizes. Até porque as famílias que fazem as refeições juntas são famílias muito mais felizes. Podem não ter o que comer, mas todos os seus membros estão juntos no infortúnio, apoiam-se mutuamente, todos ostentam aquele poético ar de sofrimento abnegado, tão belo para ser retratado pelos artistas.
E agora, ouçam esta canção enquanto eu vou ali fustigar-me por maltratar tanto o senhor PPC.

Comments


  1. Olá Noémia…

    Bem sei que a pergunta “Temos é um problema, quem é que vai ressarcir a EDP pela perda de lucros?” é retórica… Mas quem paga são os mesmos que já não têm mesa na sala pois era de madeira e serviu para ir para a lareira!

    😉

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.