2012/2013

2013IIO tempo-clima está hoje em total consonância com o tempo-alma e o tempo-país. Vivem-se dias conturbados. O futuro adivinha-se negro e tempestuoso para a maior parte dos Portugueses.
O final de um ano civil e início de outro são habitualmente comemorados com um espírito de renovação, de desejo de enterrar os fantasmas do ano passado, que ora finda, e de criar novas alegrias e também novos fantasmas no ano novo, que ora nasce.
Pela minha parte, estou muito pouco optimista em relação a 2013. Pouco optimista será um eufemismo. Estou mesmo pessimista. Mas sempre com alguma esperança. Ou seja, mesmo pessimista, não o estou assim tanto. Ainda não conseguiram destruir-me totalmente.
Mesmo sabendo racionalmente que em 2013 se vai acentuar a diferença entre ricos e pobres e que eu e quase todos os meus familiares, amigos e conhecidos estaremos cada vez mais próximo dos pobres. Mesmo sabendo que cada vez mais me será negado o direito ao trabalho e, concomitantemente, o direito à dignidade. Mesmo sabendo que cada vez mais doentes morrerão por falta de cuidados. Mesmo sabendo que cada vez mais crianças adormecerão de estômago vazio e acordarão para uma mesa sem comida. Mesmo sabendo que o número de pobres mesmo pobres será cada vez mais elevado. Mesmo sabendo que os políticos de hoje, tal como os de ontem, que todos os grandes ladrões e burlões seguirão impávidos  e serenos o seu percurso maléfico e danoso. Mesmo sabendo que as ervas  se semeiam por praias de Copacabana, acompanhadas de arnaldos, e o povo aqui tão só. Mesmo sabendo que na AR não temos Homens e Mulheres à altura do país.

Mesmo sabendo tudo isto e o mais que não digo, ainda assim, tenho esperança.

Mais importante que tudo o que julgo saber e temo, é a certeza de que não baixarei os braços. Não me calarei. Continuarei a lutar contra tudo o que acho errado e injusto. E sei que na vida e nesta Casa, onde tão acertadamente e tão divergentemente se Aventa, terei quem me acompanhe e não me deixe desistir.
2012 foi um ano importante na minha vida pessoal. Emergi de uma profunda crise pessoal, na qual poderia facilmente ter naufragado. Reencontrei-me com o Amor. O Amor por mim própria e pelos outros. Um não é para mim indissociável do outro.
Acordei para a vida que tenho perdido nos últimos anos, apesar de, paradoxalmente, ter sido nos últimos anos que dei Vida ao mundo e que a minha vida se enriqueceu de um valor superior a todo o dinheiro.

Agradeço a quem me acompanhou durante este ano, na caminhada da vida, nas manifestações, nas alegrias, nas angústias, nas preocupações tantas vezes tão partilhadas. E não me refiro apenas ao companheiro de vida ou às minhs filhas…

Agradeço aos amigos antigos, que admiro e por quem nutro sentimentos profundos. Agradeço aos amigos novos, é verdade, por incrível que pareça, aos 42 anos de vida consegui fazer amigos novos. Alguns deles já bons amigos.

Agradeço à família, minha e do inimigo, todo o apoio e carinho que me dedicam.

Agradeço ao Sr. Pedro Passos Coelho e sua corja seguidora e bajuladora a grande oportunidade que me deram com o desemprego forçado. Graças a eles, ACORDEI e decidi que não podia mais ficar de braços cruzados. Voltei a manifestar-me, coisa que não fazia há vários anos. Voltei a dedicar-me ao voluntariado, a ajudar quem de mim necessita.

Agradeço ao Sr. José Sócrates e a todos os desgovernantes antes dele por me terem ido tirando qualidade de vida, fazendo-me cada vez mais devedora de algo que não comprei, nem usei, nem votei. Com isso, deram-me a oportunidade de apreciar o que tenho à minha volta.

Agradeço aos colegas Aventadores por me receberem entre eles e por conseguirem manter-se uma equipa unida, apesar da grande variedade de opiniões.

Agradeço aos Aventaleitores e Aventacomentadores que lêem e comentam todos os nossos posts.

A todos os acima referidos e à vida, deixo o meu profundo agradecimento.

Desejo a todos, não o melhor ano de sempre, isso seria pura utopia, mas o melhor ano que nos permitirem ter.

E desejo que todos se juntem a  mim e a quem mais se manifestar. Que juntos unamos vozes até fazermos um vozeirão que abane as paredes de Belém e da AR. Que juntos comecemos por uma pequena onda e nos transformemos num tsunami que tudo «limpe» à sua passagem, até à construção de um Portugal mais justo e mais unido.

Que a Força esteja convosco em 2013! Precisaremos dela.

E agora, vou vestir-me para a festa 😉

 

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    Copy-paste-2012 foi um ano importante na minha vida pessoal. Emergi de uma profunda crise pessoal, na qual poderia facilmente ter naufragado. Reencontrei-me com o Amor. O Amor por mim própria e pelos outros. Um não é para mim indissociável do outro.
    Acordei para a vida que tenho perdido nos últimos anos, apesar de, paradoxalmente, ter sido nos últimos anos que dei Vida ao mundo e que a minha vida se enriqueceu de um valor superior a todo o dinheiro.-FIM-Noémia Pinto – pois que lindo e é isso mesmo – bem haja – e outra volta a Terra dará à volta do Sol – e outro ciclo virá para cada ser que somos mas agora com mais reponsabilidade não apenas para si e os “seus” mas pela cidade onde se vive bam como toda a natureza e o planeta – a CASA Comum do Homem pois que só há um PLANETA TERRA que, igualmente, depende dos homens – tudo depende de nós e de cada um mesmo depois de um tsunami à escala da sua capacidade e consciência – não é mais o tempo de olhar para o umbigo pessoal mas o UMBIGO do planeta que tudo nos deu e dará se e se e só se fizermos a parte que nos cabe por mais pequena que seja – alimentar a VIDA – mas a “vida não morre” porque por amor tudo “recomeça”- 2013 – estou pronta – e ainda 1/3 da população mundial não tem água potável nem casa e vive em barracas debaixo das pontes (ver reportagem de hoje sobre a Guatemala) alimenta~se das lixeiras monumentais que os paíse desnvolvidos (???) fazem e acumulam e fazem transportar em navios de carga gigantescos (como os petroleiros) e vazam a céu aberto na Ásia e nos países há séculos “colonizados” que agora ditam mais e mais leis sobre a vida e morte de quem deve morrer e/ou viver (ver na NET) – os colonizadores continuam ainda mais sofisticados e nós somos colonos do planeta como os bichos e as árvores, mascarados de deefnsores magistralmente interpretada pela ONU onde as “meninas ricas e bonitas” vão por milhares de euros de ganhos “ajudar caritativamente os pobres desgraçados” na maior das hipocrisias, pois que depois de lhes ter espoliado os recursos naturais sem terem deixado nada a não ser pobreza e miséria que nem havia porque o planeta tinha tudo para todos em cada lugar onde nasceu, mas os “espertos” descobriram um “filão” – e os homens de coração limpo e sentido colectivo (e planetário) têm, pelo menos, de denunciar escrevendo e espalhando imagens porque temos hoje o mundo da comunicação à nossa disposição e já não se pode fechar os olhos ou olhar para o lado e/ou pensar que “eles resolvem” – não – não estão lá para isso – só sacam – e quando se escreve que a culpa é nossa acho que não é porque nem todos puderam ter consciência que os outros foram ainda mais espoliados do que nós para termos o muito ou pouco conforto que temos sem saber que foi à custa da espoliação – mas já não podemos IGNORAR nem isso nem o que nas cabe fazer – desde a nossa casa e rua e família e “aventares” – o mundo é redondo ++++++++++ etc – Hoje só ignora quem não interroga porquê sucede isto e aquilo a si e no páis e no mundo – chegou a ERA de cada um, mais informado e lúcido, entender que é parte de um colectivo que já não pode ser espoliador – um dia ouvi uma frase linda creio que ao cosmonauta Aldrin – daqui vejo a TERRA que não tem risquinhos como num mata a separar países – caíu o muro de Berlim ?? levantaram-se outros muros ?? Saber é apenas ter consciência – “merda sou l+ucido” disse o grande FPessoa

  2. maria celeste ramos says:

    Merda sou lúcido (FP)

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.