Monte de merda é uma metáfora

Adoro, adoro, adoro, quando uma figura pública, depois de fazer uma declaração, vem explicar a declaração que fez. Raramente a dita figura pública pede desculpa pelo que disse, preferindo inventar desculpas: que foi um mal-entendido, que foi mal entendida, que retiraram as palavras do contexto, que retiraram o contexto das palavras, que havia ruído nas proximidades.

Assunção Esteves, mesmo tendo chamado Beauvoir a Babeuf, comparou os cidadãos que protestaram nas galerias a “carrascos”. Depois, é claro, veio explicar a declaração, reduzindo o apodo lançado a uma metáfora: “Carrasco significa qualquer elemento de perturbação. Sem querer ofender nada nem ninguém. Significa que quando as pessoas nos perturbam, não devemos dar atenção.”

Podia, agora, dar início a um debate sobre a importância de criar escolas para utentes de metáforas, à semelhança das escolas de condução, mas prefiro deter-me no precedente criado, inconscientemente, pela jurista Assunção Esteves: o que fazer, a partir do momento em que se explique que aquilo que parecia um insulto era, afinal, uma metáfora?

Quando Miguel Sousa Tavares chamou “palhaço” a Cavaco, poderia ter recorrido a uma argumentação semelhante: “Palhaço significa qualquer elemento que nos faz rir. Sem querer ofender nada nem ninguém. Significa que quando as pessoas nos fazem rir, não devem ser presidentes.”

Às vezes, dei por mim a pensar que a maioria que nos governa é um monte de merda. É claro que é uma metáfora, porque não há nenhum ser humano que seja apenas um monte de merda, mesmo que esteja com prisão de ventre há vários dias, porque ainda sobra muita pessoa para além das fezes acumuladas.

Poderão objectar-me que um monte de merda é o resultado encontrado no meio da rua, mas isso ainda torna mais evidente o carácter metafórico da expressão, porque nenhum grupo de pessoas é uma acumulação de excrementos no passeio.

A verdade é que ao considerar que um grupo específico de cidadãos é um monte de merda não quero ofender ninguém, até porque não tenho nada de pessoal contra um monte de merda. O meu principal objectivo até é caridoso: não quero pisá-lo. O meu grande desejo é que seja removido, porque com a saúde pública não se brinca.

Comments


  1. A rir à gargalhada, até às lágrimas. Fantástico!! Muitos parabéns!


  2. Fantástico! Quanto ao título, tomo a liberdade de fazer dele mote para as minhas próprias glosas.

  3. Fernando says:

    Não sei se podemos chamar, por exemplo, ao Passos Coelho ou sr. Silva monte de merda, a merda pode não ser a coisa mais linda deste mundo mas tem o sua utilidade no processo natural, já o Passos ou o Cavacas são veneno e destroem a natureza.

  4. Luís says:

    Quando o verniz quebra fica-se a ver a verdadeira índole da triste segunda figura do estado – cobardola, (pois não assumiu o insulto que dirigiu às pessoas), mal educada, arrogante e sem estôfo para lidar com situações anómalas.
    Estamos de facto bem representados por estes “eleitos”!!!


  5. Brilhante e fez-me rir, o que bem precisamos porque enfrentar estes tipos é preciso muito humor para evitar uma depressão.

  6. Mário Machaqueiro says:

    Texto brilhante, que tenho inveja de não ter escrito!


  7. A Presidente da Assembleia da República , realmente , é que é uma boa metáfora , mesmo metafórica e uma grande carrasca , muito sabida que já conseguiu arranjar
    uma boa reforma enquanto eu e muitos portugueses não temos nenhuma , nem sabemos se iremos ter .
    Na política só aparece gente cheia de metáforas , gente muito ardilosa e habilidosa .
    Gente sem princípios e sem vergonha .

  8. Victor Moreira says:

    Hehehe há muito tempo que não dava uma tão sonora gargalhada. Muito bem feito, excelente explicação do que é uma metáfora aplicável de todo ao desgoverno..

  9. Manuel Alves says:

    Bem argumentado
    E bem considerado
    Porque considerou
    O que argumentou……

    O mal disto está:
    “No servir-se em vez de servir”
    No aglumerar em vez de distribuir
    No tanto falar em vez de ouvir…..

    Que bom seria estes chefes
    Serem uns bons servidores
    E nunca tão reles doutores
    Dum povo tão empobrecido
    Por um governo entontecido…..

  10. Daniel Reis says:

    Bom!


  11. The good news for you is that this trend will stay in the market for a long time.
    Black Onyx semi-precious stone is the birthstone for the month of anyone that has been born in February.
    Garnets alter colour in lights of various colours and can be found in various colours of red, pink, orange and
    maybe even green. Choosing jewellery is no different than choosing a wardrobe.
    You can also try bending your precious metals and stones.
    One of the greatest benefits is that your piece is one of a kind,
    especially if you are the bride. Layer the jewellery container with cotton if it is not an air tight container.
    One is the larger stones that you will find have been cut and polished and
    cut into many shapes like rounds, rectangles, cubes, oval, teardrop, and rice and twisted.
    There are some beautiful pendants available from this stone and these can look beautiful
    hung from simple silver chains or it could be a handcrafted design that has other
    semi-precious stones in the designs. Is it because you want something to match your jewellery
    necklaces.

Trackbacks


  1. […] estou a recorrer à metáfora, que o dicionário é suficiente: de acordo com uma das acepções, porco é aquele “tem […]


  2. […] almoços grátis e milhentas ajudas de custo. Em ambos os casos, adoro o ar de monte de merda (no sentido metafórico da expressão, claro) que habitualmente a acompanha nestes […]


  3. […] Aceitar, enfim, que um país possa estar melhor do que os cidadãos que o formam é próprio de uma besta quadrada. Besta, porque só um animal pode confundir um país com um sítio em que caga e mija (defecar e urinar é próprio de seres humanos), procedimento habitual dos predadores territoriais. Quadrada, por viver encerrado no pequeno quadrilátero da política, esse espaço em que os cruzamentos consanguíneos dão origem a montes de merda. […]


  4. […] metáforas que inventamos ou copiamos dizem muito acerca de nós e da nossa visão de mundo. Passos Coelho escolheu a […]


  5. […] vez, não se lixou. Foi nesta altura que descobri que comungo com o primeiro-ministro do mesmo gosto por brincar com a metáfora, a pilinha dos intelectuais e dos cómicos sem talento. De qualquer modo, e seguindo os caminhos […]


  6. […] a seguir ao corte. Os vídeos são divertidos, porque o Gustavo é um triste. No fundo, é um monte de merda, o que explica por que razão só diz merda: que ninguém o acuse de […]


  7. […] em conta o valor das metáforas, e já que andamos pelas glândulas salivares, um político que reduz o custo de uma vida a cuspo […]


  8. […] Inútil e incompetente. O escarro metafórico do António Fernando Nabais. Ou será que é o monte de merda? Descubram mais nos próximos […]


  9. […] Apesar de a introdução poder indicar que iria escrever sobre Duarte Marques, a verdade é que, infelizmente, há muitos que lhe disputam a palma da mediocridade e do disparate. Luís Montenegro, chefe de bancada do PSD, é um desses cómicos involuntários cujas palavras surgem no espaço público com a sensatez de uma manada de búfalos em fuga e com a delicadeza de um elefante em plena época de cio, perdoe-se-me o exagero das metáforas. […]


  10. […] TVI afiança que a referência às pastelarias é apenas uma metáfora, mas o facto de ter sido dita por João Salgueiro, esse grande amigo do bolso dos contribuintes, […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.