BE e PCP, Seduzidos e Abandonados

É prodigioso observar o fenómeno do passa-culpas no dossiê contratos swap. A Oposição acaba de encontrar um gnu manco na manada governamental. Saltam leoas, hienas e abutres no seu encalço. Pedem sangue e demissão. Pobre Maria Luís Albuquerque! Bem tenta espernear, aparar os golpes, mostrar que não mentiu. Mas nada parará a magna tarefa patriótica dos partidos da Oposição de moralizar o Governo Moribundo, Morto, Inumado, Exumado, etc., coisa a que se prestam, à falta de mais o que fazer. Portugal, que já engoliu elefantes e baleias com licenciados falsificados, com decisores absolutamente criminosos, não pode, ai Jesus, engolir a girino Albuquerque, as imprecisões e graduações da verdade da Ministra das Finanças!

Coisa curiosa é a sintonia de propósitos e princípios entre BE, PCP e a Ala Socratista do PS: dir-se-ia que os primeiros estão a ser seduzidos para a grande convergência de Esquerda, materializável em eleições a qualquer momento. Pobres partidos! São como a mulher ingénua e simplória para a foda oportunista e o engano que a descartará sem qualquer sombra de dúvida. Entretanto, com a barafunda, o pó levantado, a vozearia estéril, em torno da tenra Albuquerque, perde-se de vista quem em primeiro lugar contratualizou os swap, quem os autorizou e recrudesceu autorizações, quem, em seis anos de Governo, não fez a ponta de um corno para suspendê-los, renegociá-los ou abortá-los. Não. Pelo contrário, com a bênção tendenciosa dos media nervosos com o estatuto indeterminado da RTP, somos obrigados a determo-nos, com olho exigente, no que em dois anos não foi feito. Isso é que é gravíssimo. Cenas fúteis e cínicas que nem a remodelação do Governo permitiu secundarizar e fazer esquecer.

Mordido daqui e dali, o gnu Albuquerque sangra e ainda esperneia. Talvez, na caça dada à Ministra das Finanças, o que está em causa é a caça à política gasparista que subscreve. O horizonte de curto prazo é pasto de enormes e profundas incertezas. Vamo-nos dando conta de que a situação do País não permite tranquilidade nem margem para improvisos. Há um Governo mantido em funções. Sabe-se, por A mais B, que o maior Partido da oposição eleitoralizou completamente o Processo Negocial de Salvação Nacional promovido pelo Presidente e só saltou fora, sabe deus porquê, um dia depois de ter dado a entender a iminência de um acordo. Agora, empossado o Governo Passos Coelho II, a paz política regressou e todo o zunzum de crise política redundou no silêncio sepulcral da expectativa. Vai-se a ver, e as exéquias do Governo haviam sido manifestamente exageradas tal como as notícias de uma Oposição vicejante, grávida de alternativas para além do aventureirismo mais bacoco.

Outra coisa que mudou foi a retórica do Governo. O problema é que é com essa retórica que se contemplam os escombros da economia nacional. A degradação da situação económica e social tornou-se uma evidência, sendo que a receita do Governo fora mesmo essa: destruir para redimir, não cuidando que destruir de mais poderia inviabilizar redimir o mínimo. A saída de cena de Vítor Gaspar parece um símbolo. Sai a face mortífera da moeda do Ajustamento: Gaspar implementou uma via que, sobretudo pelo aumento brutal dos impostos, destruiu emprego, economia, consumo interno, a par de efeitos benéficos inegáveis e até inauditos, na democracia: dos índices de poupança, do equilíbrio na balança comercial, ao desendividamento familiar e empresarial. Mas após a saída de Gaspar, o que sucedeu foi somente política, politiquice e politiqueirice. A economia seguia impávida e serena no seu remanso dorido até que a política governativa, aterrorizada com os números do primeiro trimestre, entrou em fase de pânico e deserção só sustida pelo já célebre: «Não me demito!»., enquanto mercados e bolsas ardiam. Agora voltamos ao ponto de partida. O que fazer para acelerar uma saída sustentada da recessão?! O que fazer perante uma taxa de desemprego cuja gravidade não pode deixar de apavorar?! O défice tanto mostra sinais de controlo como indicia derrapagem: o que se fará por uma execução satisfatória dos orçamentos rectificativos?! A dívida parece gritar por um PIB improvável pelo qual se suspira há décadas, após anos de estagnação e dois ou três de recessão.

Quais as políticas novas, europeias, berlinenses, passistas, capazes de inverter esta lógica abissal da economia?! Não será sustentável somar mais um ano a este 3.º consecutivo de recessão; mas também não é esperável nem desejável que o Estado regresse a um tipo de investimento socialista cuja transparência eficácia deixaram imenso a desejar, sendo que, de 2010 a 2013, a queda desse investimento terá sido de 35%; da mesma forma, não se pode ser hipócrita na consideração da dívida pública escamoteando dela os montantes do resgate e a regressão do PIB como explicação para os actuais 125%.

Mudança. Fala-se de mudança de política económica. Na Europa. Na Troika. Mas poderão as economias europeias parar de alavancar o sistema bancário do pé para a mão e, logo, parar a austeridade nos Estados, meio para outros fins, mas também esse?! Poderemos ter uma economia no médio prazo que sustente o nível de despesa actual permanente do Estado Português?! Os cortes de €4.700M são, cada vez mais, uma meta na ordem das miragens e não na da concretização, embora o Tratado Orçamental os exija. Acredito que esse tipo de cortes fasear-se-á ao longo de mais anos. É fatal. Foi o espectro deles que tornou explosiva a situação na coligação e contraproducente a situação política das primeiras três semanas de Julho, em Portugal. Portanto, devidamente negociado, cortes daquela magnitude serão feitos aos bochechos e 2014 não se ressentirá recessivamente deles com um impacto tão brutal.

A política europeia, essa seguirá como até aqui. Tudo o que force na economia ganhos de competitividade, equilíbrio ou vantagem na balança de transações, poupança nas famílias e nos Estados, tudo seguirá e prosseguirá, sob o alto patrocínio e estímulo alemão, como até aqui. A nossa fome não interessa. Bem poderemos continuar a comer merda e a contar os trocos para sobreviver. Nada se fará pelo consumo interno. O consumo interno recuperará por si sem estímulos governamentais, sem a artificialização de um dinamismo qualquer independente do real músculo do sistema económico. Basicamente, não mexer, não inventar, não proceder senão a alterações mínimas fiscais que lentamente levantem os bloqueios que suportamos.

A crise política está debelada. Falta vencer a outra, a da moeda e a da economia. As oposições entretêm-se com a ministra gnu Albuquerque, ciosos de uma brecha a explorar, embevecidos por uma aliança zelota BE, PCP, Ala Socratista do PS, em futuras legislativas. Prontos para passes de sedução, coito fogoso e abandono cretino, partido mulher usada e abandonada. O País, esse está alheio. Ainda há bocado, em Gaia, em plena hora de ponta, a cidade parecia uma ruína do far west, desertada de gente, centenas de lugares de estacionamento vazios, ninguém nas ruas: onde param as pessoas? Em que algarves, tunísias, caraíbas, brasis, para onde emigram e desaparecem os meus conterrâneos?! A crise económica e financeira está num impasse, num crescendo de incerteza, estando por estabelecer o grau de cumprimento ou afastamento das metas para este ano. O terror que o País experimentou só à conta dos efeitos de duas demissões e da putativa chicotada psicológica do Presidente, chegou e sobrou para prevenir aventuras futuras do mesmo género.

Se há coisa que põe em causa o fim do Programa de Assistência é a instabilidade. Um Governo quieto faz milagres e a aparência de milagres. Bastam-nos as incertezas do desempenho económico, da arrecadação fiscal, das privatizações e cortes que nos garantem necessários, acordados desde a primeira versão do Memorando. Os partidos que se prestam à sedução e ao abandono pela Ala Socratista do PS tem uma Albuquerque peluda entre mãos. Andam entretidos com isso. Têm mais olhos que barriga.

Comments

  1. Sílvia Correia says:

    Sem querer desculpar a governação anterior, mas então a Sra. Dra. Maria Luísa não subscreveu alguns desses contractos? Por ventura não teve a confiança do anterior governo no lugar que ocupou? Mentir, nesta fase, só a aproxima ainda mais a todos os outros políticos que apontou.

  2. Amadeu says:

    O gnu Albuquerque, as leoas, hienas e abutres da oposição e… e… tu, o rameloso saurópode de discursos fossilisados. Não queres nada com o Darwin ??

  3. Bufarinheiro says:

    Gostei de te ver a desconsiderar a Albuquerque, gnu, puta, peluda, etc..
    Aproveita o balanço e faz o mesmo aos outros membros deste desgraçado governo.

  4. Zero says:

    Eu pessoalmente, depois do Gaspa, não consigo levar esta Ministra a sério. Para mim o Ministro das Finanças é o Paulo Portas

  5. nightwishpt says:

    “Se há coisa que põe em causa o fim do Programa de Assistência é a instabilidade.”

    Se há coisa que põe em causa o fim do Programa de Assistência é os dinosauros não perceberam nada de nada e acreditam em regresos aos mercados e controlos do défice.
    Vá lá desculpando quem desviou milhares de milhões do estado que vai longe. A seguir, quero ver o que diz do Rui Machete, para me rir um pouco.

    Rir? Já não dá para isso, de tanta água que tem o país. Acho que a minha pressão arterial já não aguenta tanto colaboracionista traidor da classe.

  6. adelinoferreira says:

    Este Bilhete Postal vai-te ficar colado!

    E sobre a greve às avaliações e aos exames dos professores, Palavrossaureo?
    Ainda não tens opinião? Tiveste medo de perder o palco? Ignoraste por com-
    pleto a maior contestação sindical a que estes FP do governo foram sujeitos?
    Já sobre a “jangada” de que falaste, deverias ter vergonha de a citar.
    O autor se fosse vivo, considerar-te-ia um ser despreZível!

    Este texto foi escrito após consulta cá em casa, do Lello Universal 2 volumes

  7. lidia drummond says:

    De onde conhece a que chama de “tenra Albuquerque” por acaso estudou com ela na LUSÍADA? Ou foi aluno dela na mesma Universidade onde ela mais outra amazona igualmente desonesta a Teresa Leal Coelho, Ajudante do Vale e Azevedo no Benfica e também professora do ALFORRECA lhe deram tantos créditos como ao Relvas na Lusófona. Ora vá dar banho ao Gato, porque já vi que de mulheres não percebe nada. Quem chama de tenra a Albuquerque é mesmo um otário. Debaixo daquele arzinho dócil e humilde, está um vulcão com grande ãnsia de poder que nada a pára. Cuidado com as serpentes, ainda o engolem.


  8. É curiosa, e justa, a uniformidade dos comentários.
    Você é um obsessivo compulsivo, que destoa perante a qualidade que caracteriza os demais colaboradores do Aventar.

    • vamos sanear says:

      Eu tamém axo,o gaijo não é de esquerda não ,não, tá a mais no avental no aventar é melhor saniálo cumó fês o saramago lá no jornal.Fóra fóra!

  9. tiko says:

    Alguém consegue descodificar esta enrolada pizza ?? Tá pior que cavacada de caldeirada……….

  10. omaudafita says:

    AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!
    Tirem-me deste filme!

  11. tiko says:

    “Poderemos ter uma economia no médio prazo que sustente o nível de despesa actual permanente do Estado Português?!” Podias lêr o Aventar de vez em quando prof marado.

    • nightwishpt says:

      Em relação a isso, com um défice 10% espera-se uma economia sustentável. Tá certo.

    • lidia drummond says:

      Podemos. Você acompanhado do Adjunto do Ministro da Saúde um tipo careca e alto, que quando foi nomeado passava a vida na TV a queixar-se que o Pais tinha muitos velhos. Como entretanto morreu a minha irmã, muito maltratado no IPO onde essa besta careca foi médico. fiz uma reclamação e escrevi uma carta registada c/aviso de recepção ao Macedo. Sugeri-lhe que mandasse o Careca distribuir um milhão de comprimidos aos velhos e doentes e fazer eutanásia directa e não através da televisão como fazia o seu Ajudante a quem proibi de voltar a aparecer na televisão- Recebi uma carta do Ministro a pedir-me desculpa e a concordar que os Adjuntos estão lá para trabalhar e não para chatear. Quanto aos comprimidos para se verem livres dos velhos, ficarem com as pensões e reformas, poderem fechar hOSPITAIS e despedir médicos, enfermeiros etc. disse que era contra a sua religião e que nunca faria tal e evitaria estar sempre a dar entrevistas. Tem cumprido a sua palavra. Chamei a atenção dele para o facto de terem suspendido as máquinas de fazer radioactividae, que passaram a ser feitos no CUF DESCOBERTAS, dos seus antigos patróes Mello o que custa muito mais ao estado. Só no caso das radioactividades feitas à minha irmã daria para pagar uma máquina e os doentes não andariam aos baldões. Porisso o Tiko tão preocupado com a despesa publica pode começar a matar os velhos da sua familia e assim desonerar a despesa publica.

  12. fernando says:

    pobre joaquim.

    mas fé realmente não lhe falta. deve tomar umas merdas para que ela (fé) se mantenha sempre activa.

    fé, muita fé. chegou a hora do crescimento e emprego.

    agora que o gaspar deu ao slide e reconheceu a merda que fez (ao contrário do joaquim com fé), aparecam logo uns irrevogáveis àvidos de mais poder para ajudar na economia.

    haja fé, muita fé, já temos mais um no governo que nada sabia do bpn, era só do conselho superior, passava-lhe tudo ao lado, swaps, nem sei o que isso é e a pasta estava vazia.

    ah pois, a corrupção laranja não afecta o nosso amigo joaquim. também são só uns milhões, coisa pouca.

  13. murphy says:

    Esta malta do PS assinou 90% dos contratos swap ruinosos, mas quem faz algo para remediar a situação é que está “sob-fogo”… este País dá vontade de rir,

    Se fosse o contrário – “direita” a fazer os contratos e “esquerda” a ter de lidar com o prejuízo – aí sim, a irresponsabilidade e as consequências de tal decisão é que seriam inaceitáveis.
    E não faltariam comentadores e jornalistas e pedirem a prisão de que assinou aqueles contratos….

    http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/07/o-chapeu-socialista.html

  14. fernando says:

    a corrupção laranja também não o afecta mister murphy.

    o país não dá vontade de rir, alguns dão vontade de rir. alguns deveriam estar presos

    não me parece que só o ps seja o mau da fita, afinal de contas temos há quase 40 anos os mesmos no poder e só criticar uns torna-se no minimo parcial.

    o nosso senil presidente com aspecto integro, para mim, tem sido um dos principais protagonistas que terá levado o país a esta situação.

    afinal, as acções do bpn ainda ajudaram na casa de praia.

    enquanto o país mantiver esta gente no poder, enquanto não houver justiça, não iremos a lado nenhum.

    só quando rolarem cabeças e meia dúzia forem penduradas na assembleia para exemplo, aí sim vamos melhorar e muito.

Trackbacks


  1. […] tão óbvia que apenas o João Miranda, meia-dúzia de assalariados governamentais e o meu amigo Joaquim, que funciona pela fé e só acerta nas vitórias do FC Porto, ainda gesticulam em defesa de Maria […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.