Cavacoolismo

Nem optimismo pateta. Nem negativismo piedoso. Por uma vez, Cavaco, finalmente, tem um discurso positivo lá, onde Semedo-Catarina, Jerónimo ou Seguro, Passos vs. Portas, têm a puta da matraca ou desafinada com as respectivas responsabilidades ou desfasada com as nossas expectativas e necessidade de encorajamento.  O galo barcelense tem muitas formas, mas nunca deixa de ser álacre, desafiador e feliz. Para que sevem os vossos discursos se vocês não estão, nunca estão, felizes?! Se não auguram, nunca auguram, nada de bom para os portugueses?! Se não nos sabeis dar esperança, ide todos c’o caralho. Obrigados!

Comments

  1. nightwishpt says:

    O Cavaco dá-lhe a esperança de que o 1% vai continuar a ganhar bem, desde que os outros continuem cada vez com menos.
    Como eu gosto que o 99% tenha estado social, isso não me deixa optimista. Mas se calhar sou eu que sou egoísta.

    Claro que o Cavaco não tem razão nenhuma porque o défice nem sequer está abaixo dos 8%.


  2. Cavaco carrasco mor de Portugal qualquer merda que diga tem ZERO de significado e credibilidade.
    Uma nulidade múmia traste de pessoa político do mais miserável que temos.
    http://www.leituras.eu/?p=9746#sthash.Lmeosx5H.YfPAr7SM.dpbs


  3. Sejemos otimimistas A esperança é a última a momorrer. É certo que estávamos à beira do abismo mas com Passos temos dado passos em frente. Quando cairmos, quem sabe o mundo de oportunidades que nos espera lá em baixo? É isto que devemos ter em mente mas o pessoal é masoquista e não há meio de se convencer.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Cavaco e quase todas as forças políticas e largas franjas da sociedade portuguesa fizeram tudo para conduzir o Governo de Sócrates à tardia evacuação, usando como argumentos a dívida, a descredibilização externa, o despesismo, a situação real e iminente de pré-colapso, de bancarrota, enfim. Já não havia PEC que nos valesse. Hoje, se somos masoquistas segundo Cavaco é porque há portugueses que não reconhecem como virtuosos o crescimento económico, a baixa do desemprego, o aumento das exportações, as avaliações positivas da Troyka e mesmo agora a baixa das taxas de juros em todos os prazos, nada. Efectivamente, há um enorme e doloroso esforço para sair do atoleiro legado pelo socialismo gastador irresponsável, mas há quem insista em dizer que não há nada de bom no presente e no horizonte. Uma luz. Uma esperança. É preciso que sejamos mais ufanos e orgulhosos do fizemos até aqui. Não quero dar como vão o meu desemprego e as minhas dificuldades de sobrevivência. Recuso-me.

  4. sinaizdefumo says:

    Não há nada de bom no presente nem no horizonte, uma luz, uma esperança. É preciso que que sejamos realistas, nada do que fizemos até aqui nos dá qualquer motivo de orgulho. O facto de eventualmente haver menos 0,1 desempregados por cada 100 só confirma que os sacrifícios são em vão, até porque esse 0,1 que arranjou emprego poderá estar a auferir de um ordenado duns 385 euros. A única luzinha de esperança viria da demissão deste governo malfazente e mesmo essa seria a do Tiririca “pior que está não fica”. “Get real Mr. Santos”. 🙁

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.