O Nosso Partido é o Potro Pónei

Corre a ideia de que, no Porto, as eleições foram ganhas e perdidas no Facebook e que é no Facebook que a cidade do Porto se pensa, se agita e se move, sendo o seu centro nevrálgico e a sede da sua massa crítica os passeantes pela Avenida Brasil. É bem possível. Alguns dias antes do voto, dei-me ao trabalho de ir comparando a quantidade de gostos por post entre a Página Oficial de Campanha de Rui Moreira e a de Menezes. Foi aí que as evidências me perturbaram a convicção quanto ao sucesso certo do meu candidato, um político assertivo, ágil, um decisor com visão de futuro, experiente, forte. Embora com menos posts, menos fotos, menos ideias, menos um pouco de tudo, cada post rui-moreiraniano tinha para cima de duzentos gostos, ao passo que a página de Menezes averbava em média, por cada post, cem ou menos. Valia o que valia.

Como nunca me satisfaço factos consumados e verdades de cristal, percorri ontem uma das zonas portuenses que varremos em arruada, a Boavista, para colocar uma questão simples às mesmíssimas pessoas que havíamos cumprimentado e que nos haviam retribuído um sorriso de confiança bem como a promessa subliminar do voto: «Por que acha que o Dr. Menezes não ganhou?» As respostas foram surpreendentes vindas de gente laboriosa pouco interessada em política e muito menos dada a facebooks: donos de restaurantes, frutarias, peixarias, cafés, gente da loja da esquina, professoras reformadas, gente da rua, na rua, gente suficiente para me dar uma explicação consistente para a minha derrota, a nossa derrota. Ei-los no que, grosso modo, me disseram: «Eu gosto muito do Dr. Menezes, mas não votei nele porque nunca explicou como seriam pagas as dívidas deixadas em Gaia; o Dr. Menezes nunca teria recursos para cumprir o que prometia; com a situação do País é pouco plausível que o Dr. Menezes cumprisse o que prometia; o Dr. Menezes é muito bom político e fez imenso por Gaia, mas tive medo de que deixasse o Porto igualmente endividado.»

O medo, a prudência são características sócio-culturais de uma faixa etária experimentada pelos anos e que, sabemos, predomina na cidade. O medo. Há endividamento e endividamento. Nunca foi possível ao Dr. Menezes, pelas TV, defender aguerridamente a obra de que se deve orgulhar em Gaia, demonstrando que o endividamento de Gaia não foi um qualquer, mas um endividamento virtuoso, que aplanou o caminho aos negócios, ao turismo, à qualidade do lazer e oportunidades para ele. Se é o povo que vota e o povo é mais que a soma de príncipes e princesas que formigam pela Foz, não há dúvida que a Campanha Porto Forte não foi eficaz na mensagem deixada, especialmente nos últimos dias, os mais determinantes e em que as diferenças devem ficar vincadas.

Agora, o ilustre Rui Moreira, milhares de sessões de charme no ancestralmente seu Salão Árabe depois, torna-se presidente de câmara do Porto e um Farol Federador, ou não, da Área Metropolitana do Porto. Ora, a cadeira em que se senta, ou a liteira onde o levitam, é, na verdade, o Facebook. Pelo Facebook vive ou morre o líder. Depois de 29 de Setembro, fique para memória futura, nada será como dantes para o Porto porque afinal, no Porto, tudo se jogava nas redes sociais, na sua força de persuasão e expansão. Nada traduz uma doxa que a Rede. Foi no Facebook que os meninos e meninas da Foz fizeram alastrar a continuidade contentinha e sossegadinha de piloto de automóveis Rui Rio, tudo bem incubado n’O meu Partido é o Porto, uma forma de vida política independente, sem porco assado nem doses pimba, embora suportada por um PSD clandestino e por um CDS-PS reclama-patentes.

Rui Moreira pode ser um príncipe, um homem bom, ético, com ideias e capacidade de as traduzir em decisões, mas não tem, salvo melhor opinião, músculo político testado e tarimbado e não será propriamente capaz de atrito criativo com as lógicas apropriacionistas de capital da Capital. Se ele representa uma ruptura com os Partidos, os Partidos, enfraquecidos e deslegitimados pela massiva abstenção, poderão romper com ele, isolá-lo na impotência e no gelo, e governará fraco e encolhido com as suas boas contas sem Norte. Se nenhuma sinergia for gerada seja para o que for, bem pode Aldoar-Foz-Nevogilde limpar as mãos à parede, tal como os abstencionistas.

Cada vez se vota menos no País e no Porto e cada vez o voto é mais idoso ao ponto de se poder dizer que foi uma minoria maioritária que entronizou Moreira. A esmagadora maioria dos portuenses não votou em porra nenhuma. O partido dessa esmagadora maioria não deve ser, não pode ser!, o Porto. Talvez seja o potro, o potro pónei de coisa nenhuma, partido do haxixe, do tabaco elementar, do café da praxe, muita cerveja e, sobretudo, o partido do siga. Pra Bingo.

Comments


  1. Ai sim? Ai foi o Facebook que coisou o doutor? Ah mas eu choooro…
    Mais um bom post com que mais uma vez discordo. Mas compreendo a sua frustração, o Porto desperdiçou uma oportunidade de salvação através da dívida virtuosa (como se sabe ideia original do doutor). Entretanto vamos ver como Gaia vai pagar as virtudes que o doutor por lá deixou.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Espero que TAMBÉM graças ao turismo e aos Vistos Gold de brasileiros, chineses, russos e etc.

      • sinaizdefumo says:

        Bem 500 mil aéreos por um visto… não está mal visto, pràs imobiliárias é capaz de ser porreiro e prò país são uns trocos que dão sempre jeito. Mas com a invasão dessa malta que aí vem o portuguesame ainda acaba minoritário. Ainda veremos Gaia com um presidente Wanderlei, ou Hu, ou Boris?

  2. nightwishpt says:

    Curioso como a dívida passa a virtuosa quando é do nosso clube. Já os negócios obscuros passam a não contar para nada, nem a quantidade de cargos distribuídos a toda a gente.
    Depois é um arranjar de desculpas que ainda no outro dia disse que não valia para a esquerda, mas valem para o seu iluminado.

    É por isso que ninguém te leva a sério.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Evidente é o facto de o nightwishpt não viver em Gaia. Claro que não perdoo ter o PS-Governo ter dado a ganhar dinheiro ao BES à minha custa e dos demais milhões de portugueses, pelas décadas das décadas, com sucessivas PPP rodoviárias e aos bancos estrangeiros que vendiam Swap e aos mentores da Parque Xular e ao diabo que os carregue: dívida não reprodutiva, não virtuosa, dinheiro para a Banca, para os amigos, para eles, e abaixo de zero para nós. Já os gastos do Dr. Menezes materializaram-se numa cidade digna do Turismo, do Bem-Estar e do Lazer, boa para viver e onde de facto vivem milhares de portuenses que já nem votam no Porto. Resultados, percebe? Negócios, percebe? Revitalização do centro urbano, compreende? Ou não sonha-deseja o melhor para o nosso Porto-Cidade e Porto-Área Metropolitana?

      Eu desejo, com Moreira ou sem Moreira. Quanto a levarem-me a sério ou não, caguei. É para o lado que durmo melhor. A minha caravana passou, passa e passará.

  3. rui lima says:

    A sua analise politica é uma completa falacia. Se somar os votos de Rui Moreira a Manuel Pizarro verifica que Luis de Meneses foi estrondosamente derrotado no Porto.
    O problema não são as redes sociais e se fossem o campo estava aberto aos dois e Rui Moreira não andou a matar porkos e em festivais pimba.
    A derrota de Menezes é a condenação do despesismo bacoco das promessas visionarias e das dividas colossais que deixou em Gaia, mais, Menezes foi segunda escolha do Psd e foi porque ele assim o exigiu á direção do partido como exigiu um candidato em Gaia e depois escolheu outro originando divisão de votos e a vitoria do PS.
    O Psd perde as eleições no Porto e em Gaia por culpa exclusiva de Luis Menezes.
    Anda o Psd a pedir a cabeça de varios militantes de elite como Rui Rio e Paulo Rangel quando a baralhada no Porto foi originada pela ambição de Menezes e com responsabilidade direta de Passos Coelho ! Demitam-se os dois e deixem o Porto trabalhar e entreguem o país a quem sabe.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Mas não é uma análise política, meu caro Rui. É uma análise literária com política. Muito diferente. Estou contra o PSD de elite se se atirar aos militantes de elite do Porto, como Rui Rio e Paulo Rangel. É um erro clamoroso. Quando diz: «Deixem o Porto trabalhar» está a falar do Porto a ruir, envelhecido e desertificado no centro histórico e da parte pária oriental? Sim, esse Porto morto, desempregado e desactivado pode continuar a trabalhar. Em seco.

      • rui lima says:

        Não! Estou a falar dos que querem trabalhar em prol do Porto para resolver os problemas da nossa cidade e não para tuneis e pontes de visionarios que querem transformar o Porto em Valencia ou Barcelona,podemos e devemos melhorar muito e principalmente rebilitar os predios antigos,para isso é preciso criar condições que passam por alteração de leis e dar condições aos proprietarios e inquilinos e não a fazer tuneis e pontes embora se possa fazer mais uma pedonal.

  4. rui lima says:

    Recomendo-lhe que visite Gaia, de certeza que não mora lá.
    Fale com comerciantes e povo em geral,visite o Centro Historico,veja os restaurantes ás moscas,vá até ás praias onde até se fez um bom trabalho mas deveria e poderia fazer muito melhor mas depois começou a construção atrás de construção, restauração a mais, passa-se licença a qualquer gato pingado e o resultado está á vista falencias atrás de falencias.
    Deve conhecer Londres veja as recuperações que por lá se fazem em vez de arranha ceus de pessima qualidade que transformaram Gaia em cidade dormitorio.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Os restaurantes às moscas? As praias? O Rui Lima, no Inverno, só pode ver moscas às moscas. No Verão que passou, só via alemães sem moscas, nos restaurantes e nas praias. Nasci em Gaia. Tenho fotografado o Porto decadente das boas contas. Vou passar a escarrapachar aqui algumas dessas fotos de uma cidade bombardeada pelo descaso.

  5. José Maia / Porto says:

    Este post é nogento. Fascista de merda. Para ti a democracia é isto?
    Todo o texto é preconceituoso, insultuoso para os portuenses, e acima de tudo mentiroso. Se tivesses um pingo de vergonha na cara nunca mais escrevias no Aventar, onde gente realmente decente, concordando ou não com as ideias, escreve com civilidade.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Está a exagerar. Por que não organiza um pelotão de fuzilamento e vem até aqui a casa assassinar-me por ser sincero e emitir a minha opinião com o meu estilo, a minha paixão, a minha Poética, a minha ousadia, o meu desalinho?

      A sua intervenção a sugerir fascistoidemente o meu saneamento do Aventar é que é incivilizada, insultuosa e nojenta, Fascista, Estalinista, Ista, Ista, Ista! Tenho a certeza de que rui-rionistas e rui-moreiristas não subscrevem a sua violência para com um mero opinador que, sim, apoiou Menezes.


  6. Tb já apaga comentários que não gosta? Não insultei minguem apenas comparei a sua K7 da divida do Sócrates com a divida virtuosa do Meneses. Pode apagar este tb o nightwish disse tudo.
    é preciso ter lata.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Havia um «palhaço« no seu comentário. Insultos ao blogger, não. Argumentos, sim.

  7. Hugo says:

    LFM fica em terceiro e a culpa é do medo? É uma desculpa mais que esfarrapada. É uma desculpa patética. Em todo o caso, uma citação entre aspas e a negrito vale pouco como estudo de opinião. LFM perdeu, porque não conseguiu cativar o eleitorado. Perdeu porque vinha associado ao PSD, o segundo coveiro do país, e eu gosto de pensar que perdeu porque era um candidato ilegal, cuja candidatura foi avante através de uma chico-espertice legal. E os portuenses foram suficientemente inteligentes para lhe mostrar isso mesmo.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Medo do despesismo e da dívida.

      • makarana says:

        Medo não, bom-senso e inteligência.Melhores que alguns jovens populistas e boçais..

        • Joaquim Carlos Santos says:

          Atenção que também é populista guardar o dinheiro num cofre, não fazer a ponta de um corno pela sociedade portuense e chegar ao fim e dizer: «Não gastamos!», enquanto tudo se estiola. Conforme já comentei, Rui Rio é bom rapaz. Ágil e expedito como uma tartaruga centenária das Galápagos. Recuperar edificado? Devagarinho. Reservar o Centro Histórico recuperado e luxado a quem o pague, isto é, à nata financeira e social da cidade? Siga. Rui Rio, e provavelmente assim será Rui Moreira, é um bombardeiro da 2.ª guerra que se esqueceu de bombardear uma cidade qualquer, abduzido pelo Triângulo das Berlengas. E agora está aí para dar sequência à missão.

          Há tempo. Calma. As bombas são o descaso. As bombas são a lentidão prudencialista e casuísta do que deveria ser uma estratégia holística bem pensada e melhor gizada para evitar telhas e placas a despencarem sobre as nossas cabeças, a nossa pena e a dos turistas encantados com as nossas sintomáticas ruínas. Trocava mil e uma PPP socialistas-salgadistas por um Porto endividado, mas virado do avesso, capaz de encaixar mais e mais turistas e encantá-los e seduzi-los ainda mais. O Porto foi feito para ter gente. Para ser habitado. A contenção de Rui Rio não salvou o País. Foi a contenção dos avaros. O avaro nem faz bem nem deixa que seja feito e reproduzido. Fica com a moeda na mão a criar pátina.

          • makarana says:

            Não é populismo, trata-se da mais pura e básica boa gestão financeira.Responsabilidade.Matemática não é populismo.O melhor investimento e trabalho pelos portuenses é ter o dinheiro nos cofres,e baixar os impostos,não gastando á tripa forra,como se não houvesse amanhã,sem olhar a contas..Infelizmente os gaienses vão passar muitos sacrificios no futuro mais próximos,porque tem uma divida grande para pagar.Ou se fazem as coisas sustentávelmente,com as contas em dia,ou então,meu amigo,depois doi forte e feio.Nem em gaia,os filhos politicos de Menezes sobreviveram,tal não foi a rejeição.Menezes
            Não importa o fim a que se destina o endividamento,todo ele é infame e infernal.E menezes,é um socialista perfeito.
            Os tempos áureos de Fernando Gomes,acabaram para sempre,quer com alguém da sua relação,quer com alguém muito parecido com ele politicamente(Menezes) .Os portuenses fizeram a sua escolha,e pelos vistos não comungam da sua opinião.É a democracia.Pode ser que daqui a 4 anos os portuenses deem-lhe razão Joaquim.Agora,deixe-se de lamurias e jogue,para no futuro quem sabe ganhar,ou evoluir eleitoralmente

        • makarana says:

          E pior do que isso tudo,foi terem tratado os portuenses como saloios e atrasados mentais,ao atirarem-lhes porcos assados em catadupa e cervejolas.Só pão e circo!

  8. sinaizdefumo says:

    Pois sim, endividar-se -> obrar -> quem vier a seguir que feche a porta. Era trigo limpo farinha amparo mas nos tempos que correm parece que não resulta.


  9. Sr. Joaquim Carlos dos Santos: Esta mistura de grelos de comentários devido ao motivo que levou o Dr. Menezes à derrota só tem uma resposta: os traidores do seu partido destruiram-no, esta É A MAIOR VERDADE e que deveria ser dita bem alto, e esses senhores barões deveriam ter sido expulsos à longo tempo! O partido comunista, e nisso ademiro-o muito, já o teria feito! Existe mais duas VERDADES. A primeira, o Porto perdeu a sua maior oportunidade de fazer com que Portugal deixasse de ser apenas Lisboa e Algarve, a segunda não é fácil ter qualquer tipo de diálogo no aventar, se não comungarmos das mesmas ideias, somos fascistas! Pela parte que me toca ( nem devia estar aqui a comentar, mas por vezes não resisto a certas injustiças) antes fascista do que stalinista! Este comentário é apenas dirigido a si, e faço votos para que esses senhortes democratas respeitem isso! Hoje perde-se amanhã ganha-se. Uma boa noite!


  10. Grandes opinadores e muito variados(alguns parcem-me um pouco avariados). Mas como se vaticinou se o Rui ganha o Porto, o Rui iremos visita-lo em Belem. Perante grandes promessas e fidelidades partidárias felizmente que grandes massas de eleitores ainda dão prioridade a obra feita e á propria opinião mesmo contra os “donos” dos partidos. Dá esperança que novas e bem estruturadas propostas tragam politicos menos corruptos/incompetentes e vencedores.

Responder a rui lima Cancelar resposta