Para Atravessar 2014 com Passos

PassosDeixem Pedro Passos Coelho em paz e esperem dele coragem para enfrentar os interesses mesquinhos da EDP e de outras mordomias de Regime, Estado Matrioska grátis dentro do Estado Exorbitante que pagamos. Vão insultar outros e outras, de preferência estrangeiros ou ninguém, o que seria ainda mais são. Sejam patriotas. Não sejam malignos. Evitem o maniqueísmo ideológico e passem a ver pessoas, dilemas, desafios, complexidades lá, onde vêem maldades, ladrões, bandidos e coisa similares. Alarguem o campo de visão aos constrangimentos reais do País. Se os outros são sempre maus, incorreremos permanentemente no erro da nossa iliteracia de carácter. Reconheçam os rapaces. Reconheçam os que se imolam e enfrentam todas as incompreensões na tentativa de salvar Portugal, bem maior.

Ignorem o que o Governo pretenda ou não fazer, em obediência à Troyka, no sentido de a tais medidas não dar o pior sentido nem esperar o pior efeito possível engravidando as psiques e as vontades nacionais com o vírus do Medo. Não aterrorizem ninguém nem se deixem aterrorizar por ninguém. Fujam da lamechice de Seguro, da choraminguice comiserativa de Seguro a cada corte, a cada medida dura, fujam da demagogia bonzinha e reversora de Seguro e notem o nascimento de um António Costa de Estado, muito mais ponderado e com mais calado que Seguro, repleto de bom-senso e ciente da necessidade de pactos de Regime e da não demonização do adversário político, dou o braço a torcer à mais-valia pelo menos retórica deste Costa.

Relativamente a 2014, as nossas expectativas têm de ser as melhores possíveis e a nossa esperança de um ano normal e feliz deve brilhar acima de todas as desesperanças de desastre e depressão colectivas que os cangalheiros do BE e do PCP e os ranhosos socratesianos queiram cavalgar. Austeridade representa poupança. Poupem. Austeridade representa ponderação máxima na hora do consumo de cada um. Ponderem. 2014 será o ano económico e pessoal que quisermos que seja, apesar do que contenha o OE para 2014, dados os compromissos compressivos que implica para com os credores internacionais de Portugal. Deixem que o País se torne justo e salubre, deixem que os salários no sector público sejam ajustados às possibilidades de um Estado em dificuldades, coisa dura, eu sei; permitam que se faça a convergência das pensões segundo as lógicas da necessidade em que vivemos e achem bem que se moralizem entorses e injustiças lá, no âmago mesmo do sistema de pensões.

Matem falsas ideias, boatos, distorções, e incitem os demais portugueses a fazer o máximo por Portugal e o máximo por si mesmos. Vão trabalhar, aselhas da opinião, instiladores do pânico! Deixem a CGTP, os raivosos, os cuspilhantes, os desinformados, a espingardar sozinhos, burros no meio da ponte. Objectivo prioritário e único, colocar a Troyka para fora de Portugal. Se não queriam sofrer as consequências de uma pré-Bancarrota, não permitissem as liberalidades soaristas e regimentalistas de um Estado maçónico, jacobino, corrupto e injusto, desde 1974, com benesses para alguns, os machetes, os soares, os cavacos, e a factura para quase todos. E a factura é hoje.

Comments

  1. Biuça says:

    Prefiro atravessar a ponte com a CGTP

    • Hugo says:

      Quando a acabar de atravessar a única coisa que muda é o concelho.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Má escolha. A CGTP é minoritária, fanática, cega, e limita-se a berrar. Deveria aprender a construir alguma coisa, como os sindicados a sério no Norte da Europa que não têm funcionários a engordar nas secretárias.

  2. sinaizdefumo says:

    “Se os outros são sempre maus, incorreremos permanentemente no erro da nossa iliteracia de carácter”
    Saudável autocrítica, é de Homem.

  3. pedro says:

    Até eu vou atravessar a ponte do infante com os comunas da CGTP.Um governo forte com os fracos e fraco com os fortes ,está na hora de ir para o caixote do lixo da história de forma igual a muitos governos da 1ª República . Depois de cortar nos subsídios dos doentes e dos desempregados agora quer cortar nos viúvos,eu sei que salvaguarda mínimos ,mas eu não votei no partido do Mugade!Joaquim :mesmo uma pessoa de direita não pode defender estes jotas nojentos que nos governam.A direita tem melhor e no Porto demonstrou-o na votação e vai demonstrar na governação da cidade.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Concordo com essa de um Governo Forte com os Fracos e Fraco com os Fortes, coisa que tem de ser mudada, mas não me junto a cínicos, a hipócritas, cujo programa é quanto mais tragédia e negativismo, melhor para a nossa forma utópica e minoritária de ver o mundo tal como o vê a Coreia do Norte.

  4. Helena says:

    Gostei da parte “com benesses para alguns”!
    Até parece que ele não foi um deles e agora não se rodeia de mais uns quantos…

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Pois se assim é deveria dar os sinais de desprendimento e liberdade que a sociedade necessita.

  5. nightwishpt says:

    “Deixem Pedro Passos Coelho em paz e esperem dele coragem para enfrentar os interesses mesquinhos da EDP e de outras mordomias de Regime, Estado Matrioska grátis dentro do Estado que pagamos”

    HHAHAHAHA! Sim, como é forte com a banca e com as sociedades de advogados e os grupos de associação e…
    HAHAHAHAHAHAHAHA.

    ” Reconheçam os que se imolam e enfrentam todas as incompreensões na tentativa de salvar Portugal, bem maior.”
    Tendo em conta que o 1% a que pertence Passos só pretende manter o lucro do 1% a todo custo, não sei de quem fala.

    “Relativamente a 2014, as nossas expectativas têm de ser as melhores possíveis”
    Sim senhora, é em 2014 que o Inferno vai gelar e vou finalmente receber um unicórnio!

    “Austeridade representa poupança.”
    Austeridade significa assalto aos 99% para manter o lucro do restante.

    Mas assim é que está bem, já que não há reis, mantamos a elite que está e que nada produz na mesma.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Não tens País nem Sociedade Civil com um sistema financeiro colapsado e descredibilizado. Portanto, organiza aí dentro as tuas prioridades, se é que pretendes viver num País capaz de prosperidade e justa distribuição de riqueza.

  6. Fernando says:

    E não se esqueçam, o Joaquim Carlos Santos odeia mentirosos como o Sócrates, mas aqui está ele a adular um aldrabão compulsivo.

    Fica aqui a minha previsão, daqui a um ano, os portugueses e portuguesas da classe média estarão ainda mais pobres. Quando forem ao supermercado comprar “itens acima das vossa possibilidades”, tais como, leite e pão vão talvez se lembrar que há uns anos atrás, por exemplo, pré-euro, o dinheiro dava para mais.

    O Joaquim Carlos Santos, está tão, mas tão convicto da “recuperação” económica (baseada em mais dívida, mas agora isso já não interessa…) fruto das políticas Passistas que até foge do país!
    Está tão, mas tão convicto na “recuperação” que os seus textos cada vez mais não passam uma miscelânea de ataques à Xuxaria e restante esquerda!

    • Maria João says:

      A minha pergunta é simples: Como é que alguém com princípios pode considerar justo o que está a ser feito? Estado insustentável? Sim, mas no que se refere a juros da dívida, a perdões fiscais a empresários desonestos, a PPP, Swaps e outras tralhas, mais o bando de inúteis nomeados políticos e bem pagos .
      Coragem? Coragem tem quem enfrenta este ataque descarado aos rendimentos do trabalho e tem de ajudar familiares desempregados, filhos sem emprego e sem esperança. Coragem? Falta de bom senso e de ética.

      • Joaquim Carlos Santos says:

        Nada do que se tenha tido que fazer desde 2011 me parece justo. Só necessário. Mas terá de me explicar, à luz do concerto internacional, que outros caminhos existem para sanear os juros e pagar a dívida?! Se existem, ninguém os segue. As sociedades sofrem sempre as consequências de Regimes Corruptos e Cleptocráticos e aprendem as lições de vida da pior maneira.

        • Fernando says:

          A Islândia não seguiu o guião “internacional”, não cedeu às ameaças britânicas e holandesas para por a pagar os contribuintes a criminalidade financeira, mas isso a si não lhe interessa pois é um euro-fanático e dissimuladamente (cada vez menos) protege os criminosos legalizados.
          É a vida Joaquim, quando não se tem a base moral, como Passos e os seus apoiantes não têm, não espere que não haja reacção por parte dos outros que vêem a fétida intrujice que Passos, eurocratas, FMI querem impor.
          E não Joaquim, as coisas não estão a melhorar, você está a mentir a si próprio…

          • Joaquim Carlos Santos says:

            Quem me dera, Fernando, tivéssemos um Povo com a massa crítica dos Islandeses! Em todo caso está por estabelecer se o modelo de reacção da Islândia, que está fora do Euro, seria aplicável dentro do Euro sem uma hecatombe financeira e uma tragédia económica.

            Passos é mentiroso, concedo. E governa à revelia das promessas com que se fez eleger. Mas não é ladrão, pantomineiro, charlatão, ávido, controleiro, perseguidor de editores, jornalistas, ambicioso, insaciável, mau carácter. Obedece à risca aos directórios centrais europeus? Haveria de fazer o quê? Fingir, como os gregos. Fazer de conta, como os socialistas portugueses?!

            Com Passos ou sem Passos, quero que Portugal saia do lodo. Levante a cabeça. Quero que se transcenda. Isso depende do Fernando e de mim. Esqueça o Governo. Ou pense no Governo como as patas posteriores do Tyranossaurus Rex.

          • Fernando says:

            Joaquim, não não viva na ilusão, quer acreditar no bom carácter do Passos porque provavelmente identifica-se em alguns aspectos com ele.
            O Joaquim está fanatizado, tal como o Passos, tal como todos aqueles que têm defendido o embuste da austeridade, isto não é bom para quem persegue a verdade, isto só está a fazer que os extremismos renasçam, como já está a acontecer um pouco por toda a Europa.
            A Islândia é um bom exemplo, de como por vezes canalhice é derrotada, e certamente pode ser aplicada em Portugal, porque acredito que os portugueses são capazes de melhor, o Joaquim, claramente não acredita…
            Portugal vai sair do lodo nem que isso leve décadas, mas não vai ser com a ajuda de criminosos legalizados nacionais e internacionais que o Joaquim defende.
            E por favor! Não me peça para transcender, todos os dias tento fazer melhor que o dia anterior, e quando falho, não me agrada. E certamente não vou agradecer ao monte merda fétido do Passos, pois ele só me complica a vida, a mim e a milhões de outros. Não é obsessão por este governo, é a minha vontade de ver desaparecer qualquer governo envolvido em roubo legalizado, e em destruição económica deliberada de forma a servir dogmas, que acabam por servir SEMPRE oligarquias.

    • nightwishpt says:

      O JCS acha bem que a recuperação seja só para o 1%, nesse aspecto está ao virar da esquina.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Claro que odeio ladrões e mentirosos, impostores e charlatões como Sócrates.

      Passos é só mentiroso.

  7. antonio oliveira says:

    “Deixem que o País se torne justo e salubre” – Salubre talvez, justo não.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      Justo, sim. Subvenções políticas e reformas milionárias somadas a pensões de sobrevivência é um escândalo a que é preciso pôr cobro.

  8. maria says:

    O Joaquim está cada vez pior…uma no cravo outra na ferradura!

    • Joaquim Carlos Santos says:

      E porquê? Explique-me detalhadamente o cravo e a ferradura. Quero abrir-lhe o meu coração.

Trackbacks


  1. […] Uma marcha com veneno na língua e o diabo no corpo pode mesmo correr mal. Uma manifestação é um acto passional. Nada tem a ver com pachorrentos eventos desportivos. Numa manifestação, as massas enraivecidas e acossadas pelas palavras de ordem robóticas e simplistas podem ver resvalar a chinela disciplinada do Partido para a loucura dos que se sugestionam com o desespero e o ódio imbecil. […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.