Não privatizarás o meu trabalho, Nuno Crato

cambridge-schools-pt

Amanhã decorre o chamado PET for Schools, um teste diagnóstico de inglês que Nuno Crato decidiu privatizar, entregando-o a uma organização estrangeira e sendo supostamente subsidiado por quatro empresas incluindo um banco e uma das duas editoras de manuais escolares, assunto que a PJ anda a investigar. Foi-me distribuído como serviço docente vigiar uma sala onde os alunos servirão de cobaias para uma treta que não serve para nada. Não vou, nem farei greve.

Não serve para nada porque, explicam-me vários professores de inglês, a prova se destina a avaliar um modelo de ensino que não temos, baseado em conversação nas aulas, obviamente decorrendo em turmas pequenas e não nas nossas que podem chegar aos 35 alunos. Também porque não contribui para a avaliação dos nossos alunos, e, como hoje foi revelado, caso estes não se sujeitem ao brinquedo ministerial a consequência será “a não produção de um resultado”.  Ou seja, nada mais nada igual a zero. Uns 4000 e mais qualquer coisa que pagaram 25 euros recebem, se tiverem aproveitamento, um diploma sem qualquer utilidade prática.

Andamos assim a brincar com o tempo dos alunos, com a vida dos professores de inglês obrigados a humilhações e trabalhos, e amanhã com a ética profissional do professor da escola pública, que tem como missão servir o público e não interesses privados, como é óbvio tudo isto serve apenas para posicionar uma das entidades que se dedica ao ensino de inglês.

Podia fazer greve, mas hoje constatei que me basta utilizar o velho artigo 102 e descontar dois tempos no período de férias, já que não se trata de um serviço de avaliação, como o dos exames nacionais. Fica mais barato.

Aos encarregados de educação resta-me recomendar que mandem os seus educandos, para mais em final de ano com exames a sério, para casa: sempre podem estudar alguma coisa que não saibam.

Comments

  1. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Não serve para nada?
    Ora se a minha matemática me não engana 25×4000 = 100000 ou seja 100 K€…
    Não serve para nada? Claro que serve: mais um imposto, a parte visível da “ética” que esta “leva maldita” neoliberal, é mestre em gerir.
    Como diz o povo : “Grão a grão, enche a galinha o papo” e do lado de lá sempre vão dizendo que os “cofres estão cheios”…


  2. Não precisa de recorrer ao artigo 102 para justificar a falta. Pode fazer greve e não justifica coisíssima nenhuma; não é trabalho seu. Terá que cumprir, isso sim, o seu horário normal, se tiver alunos; caso contrário, basta estar na escola. Esta é uma GREVE HISTÓRICA. Pela primeira vez não nos podem descontar no vencimento. 😉 Pena que a mim não me convocaram.


    • Claro que a greve desconta no vencimento, em princípio tanto como faltar a uma reunião de avaliação já descontou.
      É histórica porque temos as duas possibilidades, convencendo a faltar quem não está disposto a perder parte do seu vencimento.

  3. Carvalho says:

    A mim convocaram-me para vigiar uma sala e tenho muito orgulho em fazer GREVE.
    Não vou desperdiçar art.102 numa coisa tão reles como esta.
    Ao fazer greve estou a dizer ao (C)Rato: vai à merda mais o teu examezinho ridículo!

    • Cascão says:

      Iaaah! Xingue mais, Cebolinha, xingue! Esse (C)Rato merece!

      • Carvalho N.A. Folha says:

        Caro Cascão:
        se não batermos o pé a esse imbecil do (C)Rato, um dia destes ainda faz um acordo qualquer com as Câmaras Municipais e põe os professores a varrer as ruas.
        Repare que não tenho nada contra a nobre função de varrer ruas e antes faria isso (com orgulho) do que seria político deste (des)governo de bandalhos e paneleiros; simplesmente não é essa a minha função; escolhi ser professor do Ensino Público e é isso que farei. Não vendo a minha força de trabalho a ignorantes e traidores como esse ser que ocupa o Ministério da Educação.


  4. “A não produção de um resultado”! Estes gajos são uns cómicos. Nem os Monty Python fariam melhor.


  5. Reblogged this on primeiro ciclo.

  6. António Ramalho says:

    Disto não se se fala na comunicação social!… ” não interessa ” !… mais uma negociata!… O que interessa, é TAParem-nos os olhos/ouvidos para não reagirmos.

  7. Nightwish says:

    Lamento o que escreveu, e acho que o Cardoso não está a ser coerente com os seus ideais.
    Não conheço as suas finanças, nem tenho nada a ver com o assunto, mas não fazendo greve parece-me a mim que está a vender os seus ideais por umas dezenas de euros. Espero estar a ver mal a questão.


  8. Reblogged this on O Retiro do Sossego.

  9. MJoão says:

    É bom não esquecer que certas disciplinas ficam com menos 105 m de aula devido a este exame ,e mais 135 m serão roubados pelos exames de 4º e 6ºanos.

Trackbacks


  1. […] quando penso no PET, o famoso exame que o rigoroso Crato resolveu meter na Escola Pública. E, esta brincadeira, tem várias notas de […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.