Segredos da máquina mediática de Bruxelas

 Nikos Sverkos

Na política, dizem os insiders dos órgãos de comunicação políticos, está sempre em vantagem quem melhor conseguir influenciar os media internacionais para que veiculem as suas posições. E isto não acontece apenas durante os períodos de campanha eleitoral: na União Europeia, o poder de decisão depende não apenas da força da economia de um dado parceiro, mas também do modo como ele lida com os órgãos de comunicação internacionais.

Não é segredo que em Bruxelas existe uma máquina de comunicação bem oleada que consegue distribuir informação às principais agências de comunicação numa questão de horas. Esta máquina, que aumentou a sua influência desde o início da crise financeira em 2008, opera com base na manutenção do anonimato das fontes jornalísticas que a alimentam – um dos princípios mais sagrados da ética jornalística.

No entanto, este princípio de anonimato tem sido também utilizado para proteger a própria máquina mediática de Bruxelas e garantir que a mesma permanecerá oculta da opinião pública. Nenhum jornalista na capital Belga está preparado para arriscar o seu emprego expondo o modo como o sistema funciona, preservando e reproduzindo, assim, um ‘código de silêncio’ em torno deste assunto.

O Núcleo duro

O grupo com maior influência sobre a máquina mediática de Bruxelas é constituído pelo ‘núcleo duro’ da Eurozona. Nele se incluí a Representação Permanente da Alemanha, sediada em Bruxelas e assistida pelos países-satélite (em termos políticos e financeiros) daquele país – Espanha, Portugal, Eslováquia e os estados do Báltico (entre os quais a Letónia, que ocupa presentemente a Presidência da União Europeia). A França e a Itália possuem claramente menos acesso e influência neste sistema. [Read more…]

Assim sendo, um mentiroso é-o por opção.

Nada de novo. “Somos o que escolhemos ser”. 

A imunidade de Dias Loureiro

CA PPC

Imagem@Do Portugal Profundo

Segundo o DN, a Polícia Judiciária poderá ter sido impedida de investigar Dias Loureiro no âmbito do caso BPN onde é arguido, apesar do seu processo estar parado há já alguns anos, sendo que a antiga directora do DCIAP, Cândida Almeida, terá prometido em 2009 enviar o processo para a PJ, algo que até ao momento ainda não aconteceu.

O DN cita o Correio da Manhã para esclarecer que o motivo para o atraso na promessa de Cândida Almeida se prende com o pedido de reforço da equipa da PJ que investiga crimes económicos, que apesar de ter sido efectivamente reforçada, continua a receber apenas processos de outros arguidos, menos mediáticos e eventualmente menos poderosos também. O CM questionou a antiga chefe do DCIAP sobre o porquê desta aparente imunidade de Dias Loureiro mas Cândida Almeida terá afirmado não poder revelar o motivo pelo qual o processo do comparsa de Oliveira e Costa continua imune à investigação em torno da maior fraude financeira da história do país. Portanto a senhora até tem boa vontade e tal mas existe ali uma incógnita que a impediu de fazer este processo andar. Anda para outros mas Dias Loureiro está mais ocupado a espalhar charme em inaugurações de queijarias onde é elogiado pelo discípulo Pedro. Era o que mais faltava estar a perder tempo com tribunais, isso é coisa de plebe.

[Read more…]

O problema dos unicórnios

– Compreenderá que isto de andarem unicórnios à solta na escola, D. Alda, é aborrecido e pode dar muito mau resultado. Imagine que um unicórnio morde uma criança. Imagine que desata a galopar por aí e atropela alguém. Imagine que os outros pais descobrem que temos aqui unicórnios à solta e vêm apurar responsabilidades.

A D. Alda imaginou tudo isso e mais. A vergonha de aparecer no noticiário da TVI, a avó desleixada que não consegue impedir a neta de desenhar unicórnios, o repórter em directo a mostrar os desenhos da Joaninha, imaginou o filho, pai da Joaninha, a censurá-la: “Francamente, mãe, a única coisa que te pedi foi que afastasses a miúda dos unicórnios”. Os olhos muito azuis iam-se-lhe abrindo de terror e começavam a incomodar o professor Tomé. Era um homem jovem, de barba muito bem aparada, e sistema nervoso frágil. Tentava parecer tranquilo mas a situação estava a deixar-lhe os nervos esfrangalhados. [Read more…]

Um novo partido de extrema-direita em Portugal

A tentativa de criar um novo partido de extrema-direita e de lhe chamar Partido Libertário Português começa por ser um insulto à memória dos anarquista portugueses, que ao longo de décadas e até serem dizimadas por Salazar estiveram na primeira linha da luta pela liberdade e pelos direitos dos trabalhadores portugueses. Já uns chavalos tinham gozado com o jornal A Batalha, faltava mais esta.

Lendo os seus propósitos, nomeadamente a ausência de direcção política, quero-me rir com o que decidirá o Tribunal Constitucional se as assinaturas alguma vez lá chegarem. Entretanto, depois do nojo vem a piada, há uma originalidade na criação deste partido: pelos vistos já conta com o apoio do deputado Michael Seufert, esse mesmo, o que frequenta um mestrado sem ter acabado a licenciatura, seguindo as suas palavras: há que sair da zona de conforto, aguardemos pois que abandone o sofá CDS. michael seufert

Ainda há quem afirme que o actual governo é liberal…

Já tinha afirmado que não iria votar em qualquer dos partidos que compõem a actual maioria. Se dúvidas ainda tivesse quanto à minha posição, a deplorável insistência na aprovação da chulisse Lei da cópia privada justifica  a decisão que tomei, desde logo porque não gosto de contribuir para proxenetas. E mais, os próximos tablet, computador ou iphone seguramente serão comprados fora de Portugal, por uma questão de princípio. E que se lixem todos, a SPA, actual governo e deputados… 

Jotas por bilhetes e outros despesismos

JSD Paranhos

Fonte: Tesourinhos das Autárquicas 2013

A poucos meses das últimas Autárquicas, a JSD Paranhos promoveu um evento marcado por um interessante “estímulo”: por cada 5 militantes que os já militantes trouxessem para o núcleo, a JSD Paranhos oferecia um bilhete diário para a Queima do Porto. E, justiça seja feita, todos os jotas que conseguiram atingir o objectivo mereceram aquele bilhete. Aliás, trata-se de uma enorme demonstração de lealdade para com a estrutura: convencer cinco amigos a entrar para a JSD a troco de um simples bilhete que valeria uns 10€ não justifica o esforço e roça a exploração.

[Read more…]

Sobre o milagre do emprego IV

Taxa de desemprego sobe para 13,7% (+ 14,6 mil desempregados) no primeiro trimestre” (DN)

Não PETes!

Peta. Peta era um vocábulo usado há uns tempos entre os putos reguilas do grande Porto. É da palavra Peta que me lembro quando penso no PET, o famoso exame que o rigoroso Crato resolveu meter na Escola Pública. E, esta brincadeira, tem várias notas de interesse:

a) coloca empresas privadas a obter lucros das suas actividades na Escola Pública, paga com os nossos impostos;

b) promove um exame que não serve para nada, que custa 25€ e que daqui a dois anos é lixo;

c) suspende aulas, quer do ensino regular, quer do profissional, de muitas disciplinas que daqui a uns dias estarão verdadeiramente a exame;

E, para além disso, há aqui uma outra questão: não seria também muito interessante dispensar os professores de Educação Física e trocar por uma qualquer multinacional dos ginásios, uma coisa tipo Solinca ou Virgin? Ou, melhor ainda, acabar com as aulas de informática e colocar a Apple e a Microsoft à frente dessa área.

Ficam estes contributos que, estou certo, Nuno Crato irá subscrever.

Por mim, não PETo!

 

A verdadeira construtora do regime socrático

chama-se Mota-Engil. Não haverá ali nada para investigar? Jorge Coelho até já foi visitar as instalações em Évora

Harmonia na “mais credível das opções de governo”

Passos acusa Portas de ter apresentado a sua demissão em 2013 via SMS. Portas desmente o primeiro-ministro afirmando que o pedido seguiu por carta. CDS está incomodado. Outra vez.

E se isto tivesse acontecido na Rússia, na Venezuela ou no Irão? (VI)

Os soldados afirmam ter tido liberdade e autonomia para atirar contra qualquer pessoa no território palestiniano e para destruir casas ou infraestruturas civis.” (Expresso)