SIC e TVI ao serviço do embuste

Depois do sucesso da varinha de condão repleta de poderes mágicos que cura “assim assim” as mais variadas maleitas, por telefone e em directo na SIC, eis que me deparei com esta sequência de embustes astrológicos compilados pelo humorista Hugo Sousa. Urinei-me com particular descontrole quando a taróloga Bárbara Corte Real anteviu uma relação amorosa na vida da filha de 4 anos de um telespectador (estava tentado a chamar-lhe otário mas quero acreditar que o homem estava numa de gozo). A fraude é tal que as próprias vigaristas ficam por vezes sem resposta perante as reacções às suas vigarices. No Canal Q, Joana Marques e Daniel Leitão reduziram a outra interveniente neste vídeo, Michelle Fannon, ao absoluto ridículo. Gozar estas vendedoras de banha de cobra devia ser desporto nacional.

Incrivelmente – será que estas actividades verdadeiramente repugnantes rendem assim tanto que justifiquem alinhar numa falcatrua destas? -, SIC e TVI continuam a apostar nestes conteúdos, contribuindo de forma decisiva para este exercício de aldrabice descarada. Uma aberração fraudulenta que nem nos classificados dos jornais devia ter espaço. Como pode uma estação televisiva que se diz séria participar numa mentira deste calibre?

O manto protector

Exactamente: protector. Porque protector [pɾutɛˈtoɾ] ≠ protetor [pɾutɨˈtoɾ]. Aliás, a própria RTP percebe esta diferença. Efectivamente, se Luís Filipe Vieira pronuncia [ˌmɐ̃tu pɾutɛˈtoɾ], logo, “manto protector”. De facto, “manto protetor” [ˌmɐ̃tu pɾutɨˈtoɾ] não funciona em português europeu.

Are you following this, America?

manto protector

Aniversário

O Observador, o primeiro blogue português subsidiado, faz hoje um ano.

30 anos D.C.

cavaco silva

No ano 30 D.C., Portugal é novamente um país pobre e onde se passa fome. Lentamente, vemos o SNS, de já nos orgulhámos, a definhar e assistimos ao colapso de dois bancos, com enorme custo para os portugueses. A justiça continua sem funcionar e na educação já não se consegue arrancar um ano lectivo a tempo e horas. A distribuição de riqueza é mais assimétrica e, para sobreviverem, milhares de portugueses abandonaram o país. [Read more…]

Violência em duas rodas

Tiroteio entre motoqueiros faz 9 mortos nos Estados Unidos” (Público). Ainda bem que não são os russos ou estaríamos, com toda a certeza, à beira de um guerra nuclear.

Merci pour tout

The Charlie Hebdo' s cartoonist Luz shows a special edition of French satirical magazine Charlie Hebdo, on November 3, 2011 during an editorial conference at the Theatre du Rond-point in Paris, one day after the offices of French satirical magazine Charlie Hebdo have been destroyed in a petrol bomb attack last night. The edition of the paper published yesterday, which was called Charia Hebdo - a play on the Islamic word sharia, was intended to

O cartonista Luz do jornal Charlie Hebdo anunciou publicamente a sua intenção de sair do jornal após Setembro. Especula-se de uma forma oblíquia que a razão esteja ligada ás questões financeiras que estão agora a ser discutidas pela direcção do jornal. Mas é evidente que os motivos são muito mais profundos do que isso. Recorde-se que Luz não é só um dos históricos do jornal como foi das primeiras pessoas a chegar à redacção, ainda antes da polícia, e foi ele que encontrou os corpos dos colegas. Depois, forçou-se a si mesmo a trabalhar para chegar à famosa capa: “Tout est pardonné”.

Devo confessar que tenho um enorme respeito por este homem. Se dois fanáticos matassem os meus amigos em nome de uma ofensa imaginária, em nome do ódio e da babaridade pura, em nome de fosse o que fosse, eu nunca perdoaria. A capa de Maomé a chorar, o “está tudo perdoado” é um dos maiores exemplos de perdão. Eu não perdoaria. Mas eu também não sou Charlie. Na realidade, muito pouca gente o é. Muito pouca gente teria a coragem desinteressada para o ser. Muito pouca gente tem coragem para rir e para pensar – porque é disso que estamos aqui a falar. Luz teve-a e tem-na e pagou por isso. Agora é tempo de descansar.

A promessa de não fazer promessas

Passos Coelho afirmou que PSD e CDS-PP não oferecem “aos portugueses um caminho de promessas fáceis, de ilusões nem de facilidades“. Fica registado. Guarda esta Ricardo, vai ficar mesmo bem a abrir a próxima compilação de aldrabices.

Dois partidos, duas versões, um SMS e outras coisas estranhas

Portas e PassosRelatos sobre situações insólitas têm saltado das caixas de mensagens de mediáticas personalidades da nação para o domínio público. E pela mão dos próprios. Ainda a procissão vai no adro da pré-pré-campanha e dois dos seus primeiros casos, implicando os dois candidatos do regime, chegam-nos via SMS: António Costa zangou-se com um artigo de João Vieira Pereira e mandou-lhe um SMS, perante o silêncio revelador do Expresso. Paulo Portas tomou a difícil decisão de apresentar a sua demissão irrevogável e enviou um SMS a Pedro Passos Coelho.

A história do SMS de Paulo Portas para Pedro Passos Coelho é caricata mas a biografia autorizada foi muito clara. E se é autorizada, é porque teve autorização do visado. Aliás, o primeiro-ministro reiterou, após a polémica ter rebentado, que a história foi mesmo como ele contou à funcionária do partido destacada para fazer a biografia:

A versão que o livro narra – e narra em discurso direto feito por mim – corresponde à verdade

[Read more…]

Canavilhas está a fazer um concerto comentado, na RTP2

Tem demasiado de comentário e pouco de concerto. Ou não fosse uma ex-ministra.