Trottoir

O Marinho acaba de declarar que fará aliança com qualquer (sublinhou: qualquer) partido, aceitando como termos de tal acordo, exclusivamente, a honestidade e a seriedade (estou a tentar manter-me sério enquanto escrevo isto).

Não sei o que te diga, Marinho. Ou, bem vistas as coisas, não precisas que te diga nada: sabe-la toda, oh lá se sabes!…

Mais uma vez, Manuel Buiça, eles demonstram a tua razão

professor manuel buiça

É rotineiro, caro Manuel Buiça, de volta e meia voltam a insultar a tua memória sem se aperceberem que te estão a glorificar. Os do costume, herdeiros da vil aristocracia, esse gente medíocre e preguiçosa que durante séculos sugou a pátria pela qual morreste.

Nem se apercebem do ridículo, choramingam agora porque um jornalista invocou o pai que foste, e até nisso te sacrificaste. Querem retirar-te o estatuto de humano, tu que amaste, defendendo eles uma das muitas famílias artificiais como sempre foi da natureza dos matrimónios régios, gente que casava por razões diplomáticas, obrigada a viver com quem lhe encomendaram, com a consequência óbvia de se multiplicarem os bastardos e o gosto natural das rainhas pelos tectos elevados, que sempre lhes poupavam as testas.

Invocam que executaste um chefe de estado, sem cuidar da nula legitimidade de quem ocupa um cargo por herança, da sua responsabilidade na ditadura de João Franco, mas esquecendo que quem nasce com direitos superiores ao do comum dos mortais pode bem morrer para se igualar com eles, omitindo que o regicídio é um vulgar acidente de trabalho na vida de um monarca. Continuar a ler “Mais uma vez, Manuel Buiça, eles demonstram a tua razão”