Vai mas é trabalhar Ricardo Salgado!

Ricardo RSI

Imagem@Notícias ao Minuto

Para além da intensa actividade no âmbito do terrorismo financeiro, descobrimos esta semana que Ricardo Salgado é também um alegado mandrião, um parasita diriam alguns, pois ao invés de ir trabalhar, prepara-se para pedir o Rendimento Social de Inserção. Pelo menos é o que avança a imprensa cor-de-rosa e o PT Jornal.

Apesar de insultuoso para quem verdadeiramente precisa deste apoio social, é interessante ver o Dono Disto Tudo nesta posição, principalmente quando há exactamente dois anos atrás surgiam declarações deste sujeito que, relativamente à entrada de mão-de-obra estrangeira em Portugal para trabalhar em explorações agrícolas na zona do Alqueva, diziam assim:

Há imigrantes que substituem os portugueses que preferem ficar com o subsídio de desemprego (…) Se os portugueses não querem trabalhar e preferem estar no subsídio de desemprego, há imigrantes que trabalham, alegremente, na agricultura e esse é um factor positivo.

Tanto quanto sei, até porque metade da minha família vive no Alentejo profundo, continua a existir muito trabalho nos campos e escassez de mão-de-obra em algumas zonas da região. E nesta altura do ano, com as temperaturas a subir em flecha e o clima cada vez mais hostil para a labuta na aridez do Baixo Alentejo, estou certo que haverá um óptimo emprego à espera de Ricardo Salgado, o precário. A menos que, tal como as pessoas que criticou em tempos, Ricardo Salgado não queira trabalhar e prefira agarrar-se a um subsídio ao invés de, por uma vez que seja na vida, enveredar por um trabalho honesto. Nesse caso (e noutro qualquer) faço votos de que o seu pedido seja prontamente negado porque Portugal não está em condições de sustentar mais parasitas. Se não estiver bem pode sempre ir para a Comporta, brincar aos pobrezinhos. Com sorte, alguém há-de reconhecê-lo por lá e dar-lhe uma côdea de pão.

Formatando… aguarde…. sistema operativo instalado

autor desconhecido

A propaganda política invade as telenovelas

Hotel no Mosteiro de Alcobaça!

Ora o que nos reserva ainda este governo? Um hotel no Mosteiro de Alcobaça!

Uma PPP, agora em Alcobaça. Mais uma vez não há justificação para isto. Se o fazem por doutrina, ao menos publiquem-na! Que vergonha! O Sr. Primeiro Ministro e o Sr. Secretário de Estado da Cultura são dois ignorantes em matéria de cultura e património. Primeiro foi a barragem do Tua, com o amén do ex-Secretário de Estado da Cultura Francisco José Viegas; Depois foi o Crivelli, também da “lavra” de FJV. Seguiram-se os Mirós, e o Museu dos Coches, e agora nada mais fácil. Estrangula-se a gestão e apresenta-se como alternativa um Hotel!

Se para as contas públicas seguem o que é determinado, dizem eles, pelo estrangeiro, porque é que no que diz respeito ao Património e à Cultura fazem tábua rasa dos compromissos internacionais, e fazem de conta que não há doutrina internacional sobre esta matéria?

Shame on you Sr. Primeiro Ministro! Shame on you Sr. Secretário de Estado!

Quem pagou o ataque a um hospital público?

A FMS? ou terão sido as Walk’in Clinics pertencentes ao grupo económico da Fundação Manuel dos Santos? Ou é tudo a mesma coisa e toca de atacar o SNS para abrir mercado aos privados?

O cartaz do goês ou um racista é um racista e é um racista

Sobre o ø amarelo no cartaz de Cøsta- http___blasfemias.net_2015_05_27

Do dicionário:
goês
(Goa, topónimo + -ês)
adjectivo de dois géneros (…) 2. Natural ou habitante de Goa.

racismo
(raça + -ismo)
substantivo masculino (…) 2. Atitude hostil ou discriminatória em relação a um grupo de pessoas com características diferentes, nomeadamente etnia, religião, cultura, etc.

in Blasfémias

Retrato de um país hospitalizado

O maior hospital do país está minado por interesses dos partidos, Maçonaria e Opus Dei.

Retrato de um hospital que espelha o país. A verdadeira reforma que não se fez (e nem foi escrita com o Arial 16 do “documento” de Portas). [P]

Rosa amarela

cartaz-ps-costa

Alguém havia de avisar António Costa sobre o design que estão a escolher para os cartazes. Não é que me preocupe, mas, caramba, ninguém lá pelo Rato tem olhos na cara para ver que aquele amarelo do Costa não se vê na rua? Já para não falar dos anteriores cartazes que pareciam saídos duma reunião da IURD. Passa-se algo por aqueles lados, sem dúvida.