Queremos ser escravos ou homens e mulheres livres?

Liberdade

Tenho ouvido por aí que o impasse político em Portugal está a afastar os investidores. Leigo que sou, perante notícias tão alarmistas que anunciam o apocalipse económico, tenho sérias dificuldades em perceber em que consiste tudo isto. Até porque o que nos é dito em TV’s e jornais é tão vago que só uma mão cheia de doutos iluminados parece perceber. Serão investidores que se preparavam para investir em Portugal e que, perante a possibilidade de um governo de esquerda, mudaram de ideias? E se mudaram, o que os fez mudar? Será a perspectiva de que um governo desalinhado com o liberalismo da precariedade poderá acrescentar umas migalhas aos custos de tão lucrativos negócios? Mas se eles continuam a ser lucrativos, porquê recuar? Por ganância? Fanatismo ideológico? Será apenas pressão para condicionar o normal curso da democracia em benefício das elites do costume? Chantagem? Talvez seja tudo junto.

Interessante que, numa era em que os negócios não conhecem fronteiras ou se deixam condicionar por questões “menores” como os direitos humanos, o investimento possa fugir apenas porque um partido como o PS se prepara para firmar uma aliança com os partidos à sua esquerda sem que tal condicione de forma significativa o rumo da economia. Não estamos a falar de nacionalizações em massa ou de apropriação da propriedade privada pelo Estado. Até porque isso já acontece quando se resgatam bancos com dinheiro dos contribuintes ou se sobrecarrega a população com impostos esmagadores e isso não parece incomodar minimamente os investidores. Serão mais uns trocos no salário mínimo ou a reposição de alguns cêntimos em pensões que assustarão os investidores que até então viam em Portugal uma boa oportunidade de negócio? Porque se o investimento requer mais pobreza e sofrimento, que bem nos faz esse investimento? Será que preferimos essa falsa e miserável estabilidade a uma vida mais digna? É hora de dizer não à propaganda do medo. Hora de escolher. Queremos ser escravos ou homens e mulheres livres?

Comments

  1. Ana Moreno says:

    É acima de tudo chantagem, é pressão para difundir o medo. E o pior é que é interna e não falha o efeito. Associo-me ao teu apelo!

  2. Escatota Biribó says:

    A parte ruim da questão, na minha opinião, é que nós somos (quase) todos escravos, em maior ou menor grau, com maior ou menor consciência da condição.

    Já o Huxley dizia “A ditadura perfeita terá as aparências da democracia, uma prisão sem muros na qual os prisioneiros não sonharão com a fuga. Um sistema de escravatura onde, graças ao consumo e ao divertimento, os escravos terão amor à sua escravidão.”

    A técnica do medo dos ‘mercados’ não passa de propaganda e especulação, aliás, técnica essa que consegue colocar slogans na boca de quem nunca investiu em mercado nenhum, nem conhece outro mercado que não seja o mercado municipal, a defender ‘os mercados’ e a dar credibilidade a essa defesa com grande convicção.

    Basicamente, parece ser apenas uma forma de manipular e ir ao encontro de uma característica humana condicionante, também existente em maior ou menor grau em todos os humanos que é o medo.

    A mesma técnica é usada até a exaustão nos bens de consumo.

    A questão “Queremos ser escravos ou homens e mulheres livres?” é que mesmo muito pertinente, e a premissa inicial, queremos?, poderá em parte partir do principio que isso depende da nossa vontade e da nossa escolha, e eu….. acredito sem duvida que sim, que ainda assim a escolha acabará por ser nossa.

  3. Ironia says:

    Se há algo que não é mesmo nada vago é o(s) acordo(s) da(s) esquerda(s) em maioria na AR.
    Mulheres e homens livres, claro!

  4. jose says:

    A memória é curta,mesmo muito curta ,para os mais velhos.Para os miais novos,coitados ,não tem culpa,pois a comunicação social se encarregou de fazer o seu trabalho«bem pago»ao trem de reboque pelo PCP,Investir na indústria em Portugal agora?Só maluquinhos ou os tais de memória curta.Esquecer os desaires do PCP quado destruio uma C U F,(maior grupo empresarial Portugues,Setenave(maior estaleiro naval e um dos maiores da Europa,Banco Borges nacinalizado.Tanta e tanta derrocada influenciada directamente pelo PCP,E agora ? En vez de um temos dois partidos de esquerda com o PS a ajudar,Investir?Olhe que não,olhe que não,

    • Maria João says:

      José, não sei se serei muito mais nova que o senhor, mas tenho a sensação de que nisto da história mais recente de Portugal, entre os desvarios do PCP no pós 25 de Abril e a ditadura da direita que os antecedeu, não há inocentes, pois não? …