Escrito com todas as devidas letras

O idiota

Livrem-nos deste ministro por favor!

Leal II

São dias tristes para a saúde em Portugal: o Jorge sem médico de família, o sector privado a aproveitar a movida ideológica dos radicais que nos governam e que deixaram o SNS de rastos para obter lucros estratosféricos e um novo ministro da Saúde que ou não tem mínima noção do sector que tutela ou nos toma a todos por parvos. Para bem da saúde dos portugueses (física e mental), parece que está a prazo. [Read more…]

São os recursos humanos, estúpidos!

O mundo tem sido invadido por extraterrestres com ar de pessoas sérias. Em vez de serem verdes e terem dedos compridos, usam MBA e gravata. Com a típica habilidade dos marcianos, conseguiram convencer os terráqueos de que era preciso trabalhar mais horas e que havia Estado a mais e que o que era preciso era empreendedorismo, seguros de saúde e competitividade e que é cada um por si e que o mexilhão é mesmo para se lixar.

Em 2005, deu-se, então, início a um processo de desmantelamento dos serviços públicos, ao mesmo tempo que se abre caminho para que os privados ocupem o espaço, com destaque para o que acontece na Saúde.

Independentemente da conversa extraplanetária do coordenador de um relatório sobre os blocos operatórios, com demasiadas alusões a termos como oferta e procura, vale a pena fixar a seguinte ideia: faltam anestesiologistas e enfermeiros. Camilo Lourenço, de Plutão, no entanto, já disse que não há nada melhor do que ter profissionais de saúde a emigrar. É o que dá passar muitas horas dentro de discos voadores.

Sócrates, o “processador”

Depois do Correio da Manhã, Sócrates processa o Sol.

BPN, BPP, BES, BCP, BPI, …

Nacionalizar a banca? Já o fizeram desde 2011. Houve os  escandalosamente nacionalizados e houve todos os outros salvos pela troika. À conta do Estado. Venham lá falar dos perigosos comunas.

Eu, há 47 anos sem médico de família, tenho azar

«[…] e referiu que foi garantido um médico de família “a mais 650 mil portugueses”.» Ou então, é mais uma peta no Portugal que está melhor, os portugueses é que não notam.

Passos admite que crise financeira não foi paga por quem a originou

image
A crise financeira de 2008

“E seriam mais uma vez os portugueses, os mais desprotegidos e mais vulneráveis, seria uma vez mais a classe média a pagar o preço, como foi pago no passado”, reconheceu Passos Coelho, o primeiro-ministro que aplicou os sofrimentos em causa, ao mesmo tempo que poupava o sector financeiro.

Economists offer numerous reasons for the crisis. The immediate cause was the burst of the housing bubble. However, there are several causes that led to this point. Some proposed causes are risky lending and investments by banks, the rapid growth of the housing bubble, and government deregulation.
From the Economist, the causes of the Financial Crisis

Liberdade de informação: ainda o caso Cofina

processo_dsk

(c) Shannon Stapleton/Reuters
Julho de 2011. Empregadas de hotelaria em manifestação junto ao Palácio de Justiça de Nova Iorque

Sim, “as trevas do fascismo” (designadamente o autoritarismo e a censura) pesam ainda na natureza profunda de um povo habituado a comer e a calar o que lhe estende uma elite que a democracia não conseguiu transformar em capazes representantes desse povo, antes tendo-se regenerado através dos serviços que tem prestado a todos menos a esse povo. Passados mais de 40 anos, as marcas desse tempo demasiado ainda estão presentes nos lugares mentais de todos: dos que detêm o poder, com a naturalidade perpétua de ser assim, numa sociedade fortemente desigual (herdeira de um feudalismo que prossegue determinando composições sociais que negam a mobilidade social que a democracia justamente favorece), e dos que o sofrem, pois o poder exerce-se quase sempre contra o Outro, mesmo quando se diz dele que é representativo. Trata-se de um padrão humano, que em Portugal toma a forma de característica constitutiva.

Vêm estas considerações histórico-político-filosóficas ainda a propósito do caso Correio da Manhã (CM) e da proibição decretada por um tribunal de toda e qualquer publicação relativa ao caso Sócrates no conjunto de títulos detidos pelo grupo Cofina. Considerada excessiva – entre outros por mim própria neste texto –, a medida censória choca pela aparente desproporção da sua abrangência. [Read more…]

A política no ” grau zero “.

grau-zero
Virgílio Macedo tomou hoje posse como secretário de estado da administração interna do novo governo. Talvez seja uma boa desculpa para mais um ” golpe palaciano ” na Distrital do PSD do Porto.

Há cerca de 10 anos que nenhum presidente da distrital do PSD do Porto completa o seu mandato. Foi assim com Agostinho Branquinho, Marco António Costa e Virgílio Macedo. Esta é sempre uma forma de apanhar desprevenidos os seus antagonistas, não permitindo que haja tempo necessário para que possa aparecer uma alternativa política com tempo efectivo para apresentar uma candidatura credível e para fazer uma campanha séria e verdadeira junto dos 30.000 militantes do PSD no distrito do Porto.

Defendo, por várias razões, que o financiamento dos partidos deve ser exclusivamente público. Este é um passo importante para o fim da corrupção. Até agora só ganha eleições internas quem tem recursos financeiros para pagar as quotas aos ” seus ” militantes. E este dinheiro para pagar quotas de militantes de onde vem? De alguma árvore das patacas ou aparece após um toque de midas? Está provado que não se ganham eleições internas por mérito, mas ganha quem tem dinheiro. Por isso os dirigentes políticos são aqueles que conhecemos. Não se discutem ideias ou projectos, apenas prometem-se e oferecem-se ” tachos “.

[Read more…]

Olha a pegada

Circula pelos telejornais a notícia de que Portugal – pobre dele – é culpado de funestos prejuízos ao planeta por comer muito …peixe. Chiça, que nada nos é poupado. E nada excita tanto os noticiários e os seus aparolados jornalistas como uma qualquer agência da treta (não, não é a respeitada WWF), com um pomposo nome em inglês, proclamar qualquer suposta descoberta que, servilmente, possam transformar em verdade absoluta. Assim, piscívoros impenitentes que somos, com as nossas simples e pouco invasivas artes de pesca, promovidos ao desonroso 4º lugar entre os países europeus que maior pegada ecológica deixam sobre o nosso martirizado planeta, só nos resta, dizem eles, limitarmo-nos a “comer carapaus e cavalas”. E ceder os restantes mimos marítimos aos países ricos que, coitados, mal deixam uma pegadinha e não largam na atmosfera nem o ar rarefeito de um modesto traque.

O PCP já está a ganhar

Nunca os editoriais do Avante! foram tão lidos como agora. E citados.

Secretário de Estado do Turismo assume integrar um governo a prazo

Adolfo Mesquita Nunes, secretario de estado do turismo, Lx.

É um daqueles episódios caricatos que, não fossem os intrometidos dos jornalistas, não teria passado de um momento de confraternização entre o hoje reconduzido Secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, e o deputado socialista João Galamba. Mas, lá está, a RTP apanhou-o a jeito e a declaração fica para a história, com uma nota de honra e coragem para o centrista, que teve a capacidade de assumir que o governo hoje empossado não passa de uma mera formalidade e que se encontra literalmente a prazo. Isto, claro, caso o PS pretenda sobreviver enquanto partido. Porque se depois de todos os esforços para despachar este governo de volta para a São Caetano à Lapa e para o Caldas se lembrasse agora de recuar, suspeito que assistiríamos ao nascimento do PASOK português.

Voltando à frase do dia, disse Mesquita Nunes ao colega Galamba:

Daqui a 15 dias és tu que subirás esta escadaria.

Fonte do CDS ainda tentou dar a volta ao contexto e convencer os jornalistas de que se tratava de uma pergunta e não de uma afirmação. Em todo o caso, pergunta ou afirmação, a intervenção de Adolfo Mesquita Nunes é muito clara e ilustrativa do sentimento que se vive entre os membros do novo governo: a sua situação é precária e a queda do governo uma questão de dias. Haja alguém com consciência no meio de tantos contadores de contos para crianças.

A nova Ministra da Educação

Olá e adeus, mana.

O truque

A caricata tentativa de armadilhar os partidos da esquerda parlamentar, protagonizada pela direita reinante, falhou. Queriam os Coelheiros e os Porteiros abrir as hostilidades na Assembleia da República debatendo temas tão angustiosamente urgentes como “os compromissos internacionais de Portugal”. A manobra é tão infantil e canhestra que surpreende. A resposta foi, obviamente, de rejeição do truque e de exigência de que os futuros ex-governantes apresentem o seu programa e se deixem de fitas e tentativas de discutir programas alheios procurando brechas na aliança nascente. Porque não deixa de ser surpreendente que um governo que não é mais que uma desfalcada versão do anterior, não seja capaz, em tempo útil, de apresentar os trabalhos de casa. É mais uma prova do que valem os nossos ex e futuros ex-governantes.

Depois do estágio, o emprego de sonho

Sérgio Monteiro entusiasmado com novas funções

Assunção Cristas critica colegas de governo

“Inspirei-me em Jesus, que nunca teve medo de se meter com gente pouco recomendável”

Peter Boone, o terrorista ultraliberal que pôs a economia portuguesa de joelhos

Boone

É hoje notícia que Peter Boone, economista, terrorista financeiro e colunista no blogue Economix do New York Times, foi constituído arguido pelo Ministério Público português por manipulação de mercado, uma acusação que remonta a 2010 e a uma série de artigos que foi escrevendo anunciando a catástrofe das finanças lusas. Enganou-se no diagnóstico? Nada disso! Até ajudou a acelerar a sua concretização. Até porque, nisto dos mercados, pouco interessa a saúde das economias e das instituições, que o digam os EUA e o Lehman Brothers. Interessa, isso sim, a voracidade da escumalha liberal que coloca países inteiros de joelhos para satisfazer a sua ambição extremista de lucros sem olhar a meios, que não se obtêm pela via da produtividade mas pela especulação terrorista. E o jihadista Peter Boone lucrou, e bem, com a nossa desgraça: um fundo de risco do qual era administrador – Salute Capital Management – lucrou cerca de 820 mil euros com a desvalorização das Obrigações do Tesouro Português numa única negociação de dívida pública. [Read more…]

Pedro Passos Coelho ataca Paulo Portas no discurso de tomada de posse

PassosCoelho-PauloPortas

No seu discurso de tomada de posse, o novo e aparentemente precário primeiro-ministro Pedro Passos Coelho aproveitou o momento para lançar umas farpas à direita, num ataque claro e cerrado a Paulo Portas e ao episódio de 2013, que começou com uma demissão irrevogável e terminou com Portas promovido ao recém-criado cargo de vice-primeiro-ministro:

Ninguém deve arriscar o bem-estar dos portugueses em nome de uma agenda ideológica ou de ambições políticas pessoais ou partidárias‘.

Portas arriscou o bem-estar dos portugueses em função das suas ambições políticas pessoais, da sua fome de poder para parafrasear o individuo, e Passos Coelho parece não ter ainda perdoado o responsável pela subida dos juros da dívida para a casa dos 8% e pelas perdas de 2,3 mil milhões de euros sofridas pela bolsa de valores portuguesa no Verão de 2013. Nada que não se resolva: ao que tudo indica, a próxima demissão de Portas será mesmo irrevogável.

Coisas verdadeiramente importantes

Os carros para os novos dirigentes deste governo já estão disponíveis?

Ferreira Leite ou Rui Rio: um dos dois poderá vir a ser o próximo primeiro-ministro

Estou a escrever este texto no momento em que o Presidente da República está a dar posse ao governo de Passos Coelho. Um governo que, dada a actual conjuntura política, terá um prazo de validade muito curto. Aliás ainda ontem Fernando Negrão afirmou que este governo não aceitará ficar em gestão. Estas declarações surgem no seguimento do que eu pensava sobre Pedro Passos Coelho. Eu sempre considerei que Passos Coelho não aceitaria liderar um governo de gestão.

Por outro lado é mais que conhecida a opinião de Cavaco Silva sobre um governo liderado por António Costa com o apoio parlamentar do Bloco de Esquerda e do PCP. Aliás, ainda, esta semana, o Presidente da rui_rioRepública reafirmou que não se arrependeu de nada do que disse no dia 22 de Outubro.

Neste seguimento acredito cada vez mais que teremos um novo governo de iniciativa presidencial, 35 anos depois do último de iniciativa do Presidente, Ramalho Eanes, liderado por Maria de Lourdes Pintassilgo.

Por isso, e em coerência com as opiniões que são públicas de Cavaco Silva, os nomes de Manuela Ferreira Leite e Rui Rio surgem como os mais prováveis para liderarem um governo de iniciativa do actual Presidente da República.manuela_ferreira_leite

Estes dois nomes, para além de agradarem a Cavaco Silva, não terão com certeza a oposição do PSD e António Costa não terá grande margem de manobra para contornar a nomeação de qualquer um destes nomes. É conhecida a boa relação pessoal entre Rui Rio e António Costa, bem como foi público durante a última campanha eleitoral a aproximação do líder do PS às ideias defendidas por Manuela Ferreira Leite.

Esta solução de um governo de iniciativa presidencial poderá ser fatal para Pedro Passos Coelho, sendo que entendo que a solução de Rui Rio poderá ser mesmo a morte do “ Passismo “.

D. Banca

A banca portuguesa não aprende. Depois de todos os desvarios e crimes cuja conta fica a ser paga pelos contribuintes, os bancos restantes mostram as mesmas arrogância e pesporrência com que sempre nos fustigaram o juízo, a paciência e os parcos recursos. E eis que Faria de Oliveira ousa anunciar, num alarde de humor chunga, que um governo de esquerda pode transformar Portugal em Cuba, enquanto o presidente daquele bando de parasitas do erário público que se chama BCP ousa ameaçar-nos com as mais funestas consequências se ousarmos tal solução política. Quer dizer: esta corte de carraças dos recursos públicos – sem os quais já há muito teriam falido – em vez de se recolher em discreto e silencioso recato, como seria razoável, levantam a crista e cacarejam ameaças. Estão a pedi-las. Oxalá um dia lhas dêem.

Outra inventona

Ferro Rodrigues é o único presidente da AR que não vem do partido mais votado?
Tanto Luís Montenegro como Nuno Magalhães estão factualmente incorrectos. Antes de Ferro Rodrigues chegar à presidência da Assembleia vindo de um partido menos votado nas legislativas anteriores, já Oliveira Dias, do CDS, e Fernando Amaral, do PSD, tinham sido eleitos.
Luís Montenegro está factualmente correcto, pois refere-se ao facto do presidente da Assembleia ter sido proposto e eleito com o apoio do partido mais votado, mesmo quando não saiu das suas fileiras. Mas já por duas vezes a segunda figura do Estado emanou de uma bancada que não era a maioritária.

Cada tiro, cada melro. Eis a gente séria da PAF.

Adenda para incluir correcção no artigo citado:

Texto editado por Leonete Botelho, corrigido às 11h45 de sexta-feira, para esclarecer que, mesmo quando o presidente da AR não pertenceu, no passado, ao partido mais votado, a sua eleição foi aprovada por este e existia um governo de coligação.

Aqui não há problema em corrigir o que precise de ser corrigido. Gostava ver outros fazerem o mesmo quanto ao que escreveram sobre coisas como a devolução da sobretaxa do IRS ou da venda da TAP.

Calendário 2016 da Casa do Povo de Ermesinde

Conhecer a colecção na fonte.

O Correio da Manhã não é Charlie mas isso não interessa para nada

Hoje em dia gerou-se o lamentável hábito de trazer à baila o Je Suis Charlie a propósito de qualquer assunto relativo à liberdade de expressão. Isto é uma infelicidade porque se está só a banalizar o “ser Charlie”. Como já afirmei antes neste blog, a maior parte das pessoas e dos órgãos de comunicação social não são Charlie. Na realidade, há muito poucos Charlies. Para mim, os verdadeiros Charlie são os originais, os que ainda lá estão a fazer o jornal e poucos outros, como o blogger saudita que foi torturado por aquela coisa muito desagradável que se chama “ter opiniões”. Comparar o Charlie Hebdo ao Correio da Manhã é como José Sócrates se comparar a Luaty Beirão.

[Read more…]

Virgílio Macedo, um dos “ SHM “ de MAC, é um dos novos secretários de Estado.

virgílio-macedo1Hoje a imprensa, ao final do dia, tornou público que  Virgílio Macedo, Presidente da Distrital do PSD do Porto, será o novo secretário de estado da administração interna.

Na denúncia que apresentei à PGR, DCIAP e PJ relativamente a Marco António Costa, uma das pessoas que referi como sendo um dos “SHM “ foi precisamente Virgílio Macedo. Esta minha denúncia deu origem a um inquérito aberto pela Procuradoria Geral da República que tornou público que o mesmo processo corre termos no DIAP do PortoNessa denúncia, que tornei pública através da minha página no facebook escrevi que No plano dos “ interesses “ a Distrital serve, entre outras coisas, para arregimentar avenças nas áreas financeiras, contabilísticas e jurídicas para os “ SHM “. Aliás, prova disso mesmo é o facto de Virgílio Macedo e a sua empresa ter possuído e continuar a possuir diversas avenças milionárias como Revisor Oficial de Contas em diversas autarquias e empresas municipais no Distrito e no País.”

Tenho que reconhecer que Pedro Passos Coelho estará a ter dificuldade na formação do governo atendendo às condicionantes da actual conjuntura política, mas existem mínimos que não podem ser ultrapassados.

Neste sentido entendo que seja completamente inaceitável nomear para qualquer cargo público Virgílio Macedo. Creio que ainda seja possível que o Presidente da República, Cavaco Silva, não permita que Virgílio Macedo tome posse amanhã na cerimónia que está agendada para as 12h00.

Eu que conheço Virgílio Macedo não lhe reconheço sequer capacidade política para ser presidente de uma junta de freguesia. Espero que esta decisão seja reversível porque se não o for lamento dizer mas estamos no “ grau zero “ da política.

Com bateria II

Este fez o que fez na STCP e na Metro e agora, como prémio, o Novo Banco! Viva a Direita!

stcp

Malvados fofinhos

Há umas semanas, aterrorizei o meu filho. Disse-lhe que íamos ver um filme emocionante, em que talvez houvesse um crime e, consequentemente, um criminoso, mas que era um grande mistério. Adorou a ideia. O filme era “A Janela Indiscreta” e ele viu-o com fascínio até à última cena. Não terá entendido grande coisa daquilo que no filme é também uma profunda reflexão sobre a solidão ou o voyeurismo, mas vibrou com a trama policial. Vibrou e assustou-se terrivelmente. Tanto que nessa noite teve dificuldades em adormecer porque só pensava no assassino que poderia entrar pela porta. Ou pela janela. Ou pelo telhado. Que barulho foi este?

Agora já não tem medo nenhum mas ainda se lembra dos nomes dos protagonistas e de muitos detalhes da trama. Esse Hitchcock tem mais filmes? [Read more…]

Afinal havia outro (precedente grave)

Uma providência cautelar de um jornalista do Correio da Manhã contra O Independente (2004).
Daqui.

Democracia e liberdade de informação

capas_CM_Socrates
(imagem Rui Tukayana/TSF)

A proibição de publicação no Correio da Manhã (CM) e demais órgãos de comunicação social detidos pelo grupo Cofina de notícias ou outros conteúdos informativos sobre a investigação que prossegue no DCIAP ao ex-primeiro-ministro José Sócrates é um evidente excesso. Um excesso censório que atenta contra a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa e o direito à informação.

Podemos não gostar do jornalismo que é praticado pelo CM, considerar que peca por manifesta falta de isenção e pluralismo, e também por excesso de perseguição política a determinados actores e/ou sectores da sociedade portuguesa, isto é, por falta de imparcialidade – condição do jornalismo deontologicamente auto-enquadrado, o único que aceitaríamos legítimo num mundo idílico, onde para além de jornalismo tablóide e sensacionalista não houvesse também médicos esquecidos do juramento de Hipócrates, advogados a soldo, etc.

Podemos considerar que esse jornalismo cabe na categoria do entretenimento mediático ou que é propaganda, por evidente e reiterada manipulação da informação e dos dados e factos que a sustentam, omissão de contraditório, anulação de adversários, violação do segredo de justiça, etc., práticas que revelam um exercício deliberado de desinformação, em favor da manutenção de audiências populares. [Read more…]

Seria bom que alguns

Seguissem o seu caminho… É que, um artigo atrás do outro e o paleio é sempre o mesmo, direita, direita, direita… Volver…assis