Passos desafia Costa a ir para eleições

Que se lixem as eleições“?  Certo… Depois de resistir ao irrevogável, a presente luta é resistir à AR. Tudo, menos largar o poder.

Grande título

Cartaz da JSD falha alvo e compara Governo de Passos e Portas ao nazismo“. Ignorância e propaganda resumidas numa frase.

Pior a emenda que o soneto

As declarações de Michael Seufert sobre a inaptidão da JSD são infelizmente outro tiro no pé. No meio de uma série de considerações, o Sr. Seufert afirma:

“E se é um facto que Hitler foi derrotado no momento em que esse exército chegou a Berlim, vindo de Leste, é um reescrever da história chamar-lhe libertação ou celebrar esse dia. É que trocar um ditador – por muito horrível que fosse, como foi o caso de Hitler – por outro – e Estaline jogava com Hitler na liga dos crimes contra a humanidade – não é propriamente ficar livre ou ficar melhor. É trocar uma bota com uma suástica por outra com uma foice e martelo. As duas pisam a liberdade e a vida. Para o povo é igual.”

Vamos lá ver, que a vitória comunista não significou uma libertação é totalmente verdade porque depois foram instauradas uma série de ditaduras comunistas. Contudo, aquele imagem em concreto simboliza a vitória do comunismo, do Exército Vermelho, sobre o Nazismo (porque apesar de todas as atrocidades a verdade é que foi o avanço do Exército Vermelho que ajudou e muito à derrota do Nazismo). Portanto, a analogia é óbvia: a JSD inclui aquela bandeira ali simplesmente como símbolo do comunismo. O que se esqueceram, e o que tem verdadeiramente piada, é que ela é o símbolo da vitória do comunismo sobre o nazismo. Não necessariamente de libertação até porque como foi dito não houve para os Europeus de leste qualquer tipo de libertação. Mas o importante no dia 2 de Maio não era a libertação. Era a vitória. Portanto, a analogia que a JSD estabeleceu nada tem a ver com libertação mas com o facto de associarem, sem querer evidentemente, o anterior governo aos nazis. A bandeira simboliza a vitória comunista sobre uma Berlim em cinzas, a capital da Alemanha Nazi. Aliás, a bandeira é hasteada no dia 2 de Maio, o dia do fim da batalha de Berlim, uma das ofensivas mais sangrentas da segunda guerra, por cima do Reichtag, um dos símbolos do regime alemão. Nada tem a ver com libertação. Tem a ver com triunfo. Como, aliás, a revista TIME aponta neste artigo, dizendo: “The iconic image of Nazi Germany’s defeat”. E acrescenta: ” It was stage-crafted from beginning to end. Khaldei, in fact, had been at his Tass headquarters in Moscow when Soviet forces captured Hitler’s capital. The photographer had received orders from on high — possibly from Stalin himself, it was murmured — to rush there and produce a picture symbolizing the Soviet victory.”

Ou seja, simboliza os comunistas a triunfarem sobre os nazis. E foi essa bandeira que a JSD mostrou.

Post scriptum: Para falar em Libertação, deve-se falar no 8 de Maio. Richard Von Weizsäcker explica porquê, melhor do que ninguém.

De facto, são relevantes

Anteontem, na Academia das Ciências de Lisboa, recordei que, em última análise, a razão para ali nos encontrarmos, no Colóquio «Ortografia e Bom Senso», se prenderia com um ofício enviado pelo chefe do Gabinete de Revisão da Imprensa Nacional ao administrador, em 10 de Dezembro de 1910 (*):

As publicações saídas da Imprensa Nacional, quer oficiais, quer de particulares, apresentam grafias diferentes, umas discutíveis, outras porêm [sic] grosseiras e vergonhosas”.

Lembrei-me de recorrer a esta retrospectiva, a propósito de Outubro deste ano, com

Documentos comprovativos dos fatos referidos no currículo que relevem para a apreciação do seu mérito,

no dia 1,

e

Menção de que o candidato declara serem verdadeiros os fatos constantes da candidatura,

no dia 30.

Onde? No sítio do costume.

E acrescentei um aparte: “temos aqui exactamente aquilo que está a acontecer e não aquilo que querem que aconteça”

E hoje? Hoje, temos isto:

dre12112015

(*) Em breve, quando as comunicações forem publicadas, acrescentarei uma nota de rodapé (**), com hiperligação, onde poderão ser consultadas as referências. No caso em apreço, remeto para a página 207 da seguinte obra:

Castro I, I. Duarte e I. Leiria (1987). A Demanda da Ortografia Portuguesa: Comentário do Acordo Ortográfico de 1986 e subsídios para a compreensão da Questão que se lhe seguiu. 2.ª ed. Lisboa: Edições João Sá da Costa.

Overdose

“Política (…) denomina-se a arte ou ciência da organização, direção e administração de nações ou Estados” (Wikipedia); Ou: “Política é uma actividade orientada ideologicamente para a tomada de decisões de um grupo para alcançar determinados objectivos. Também pode ser definida como sendo o exercício do poder para a resolução de um conflito de interesses. A utilização do termo passou a ser popular no século V a.C., quando Aristóteles desenvolveu a sua obra intitulada precisamente “Política””. (http://conceito.de/)

Tendo notado que estou a ficar crescentemente enjoada de tanto argumento usado – tanto por uns, como por outros – conforme convém no momento, de tanta demagogia, de tanta roupa suja lavada incessantemente, meti-me a pesquisar sobre o termo “Política”, para saber realmente de que é, ou de que deve ser composta. Escolhi as definições supracitadas que me pareceram bem claras, mas se calhar teria de me dedicar a isto mais aprofundadamente – confesso desde já a minha ignorância. Certo é que uma parte dela é o exercício do poder; não menos certo é que, com isso, visa a tomada de decisões para a organização, direcção e administração de um Estado. Nada é dito sobre abocanhar o poder e não o largar.

[Read more…]

Mário Centeno: aqui está o link para a Grande Entrevista

realizada ontem por Vítor Gonçalves e emitida pela RTP3. Aqui onde? Aqui. 🙂
mario_centeno_RTP3_11NOV2015

António Costa em 2009

Perante o risco da perda de maioria pelo PS…

Presidenciáveis e o momento

Todos os candidatos que estão no terreno foram questionados sobre o que fariam, na situação presente, se fossem presidentes. De Henrique Neto, Maria de Belém e Marcelo Rebelo de Sousa ficamos a saber que “ah e tal, é preciso decidir, patati-patatá, o país e os portugueses e as portuguesas, a bem dizer, isto é muito importante e tal e coisa”. Mais palavra menos palavra. Edgar Silva e Sampaio da Nóvoa responderam que, nesta situação não teriam dúvidas e indigitariam António Costa como 1º ministro. Bom, já temos dois candidatos que sabem e que querem, o que devem e não têm problemas em tornar pública a sua posição sem calculismo nem conversa de inconseguimento.

Decisão

Cavaco Silva olhou para os problemas que tem pela frente. O país precisava de uma rápida decisão. Era a hora do Presidente! Endireitou-se, pigarreou e, com ar decidido, passou à acção: fugiu para a Madeira.

Uma perguntinha singela: em 2011 conhecia-se o acordo entre o PSD e o CDS

quando se coligaram depois das eleições para poderem governar?
Era só.

Democracia Representativa: ouviram falar?

democracia-representativa

Entendo que se torna urgente explicar ao sector revolucionário da direita que (ainda) vivemos num sistema de Democracia Representativa que, muito resumidamente, funciona assim:

1. Os cidadãos votam para eleger os seus representantes (deputados) em quem delegam o poder;
2. Os representantes eleitos são responsáveis por tomar decisões em nome desses mesmos cidadãos;
3. A maioria dos deputados corresponde, por conseguinte, à maioria dos cidadãos que participaram no sufrágio. [Read more…]

Rede Bombista? Foste tu?

Sede do PS Porto alvo de vandalismo. Nunca mais dou ideias

Professor de História para a próxima universidade de Verão da JSD precisa-se!

JSD

A JSD, um dos “braços armados” do PàF nas redes sociais, decidiu fazer uma montagem para instigar ainda mais medo nos portugueses. Pegou nas fotos de Catarina Martins, António Costa e Jerónimo de Sousa, usou o chavão-fetiche da propaganda da direita radicalizada, acrescentou Lenine num fundo vermelho e concluiu arruinando o panfleto. E porquê? Porque entre milhares de fotografias disponíveis na internet capazes de denegrir o comunismo das mais variadas formas, dos gulags à repressão, os adoráveis jotas decidiram escolher uma imagem que, independentemente da repulsa que qualquer pessoa possa sentir pelo comunismo, nos traz à memória uma boa recordação, visto retratar a tomada de Berlim pelas tropas soviéticas, no final da Segunda Guerra Mundial, quando a malta do Ocidente até tinha uma aliança militar com os soviéticos para derrotar os nazis. Ou será que a derrota dos nazis é uma má recordação para a JSD? Quero mesmo acreditar que não mas, nestes tempos de radicalização à direita, who knows?

Mário Centeno

é uma lufada de ar fresco no discurso económico sobre Portugal. Na entrevista a Vítor Gonçalves, em tom cordato e claro, referiu as gravosas consequências da descapitalização das famílias para o desenvolvimento do País. Mas também o desinvestimento público na educação dos portugueses. É por aí, sem dúvida.