A machadada final na ala direita do PS

MdB

Primeiro foi Francisco Assis, que procurou congregar a ala direita do PS para evitar o acordo com os partidos à sua esquerda, terminando a jornada humilhado, num almoço com mais leitão que convivas. Agora é Maria de Belém, ladeada pelos oposicionistas da solução governativa encontrada por António Costa, que termina esta noite eleitoral reduzida a pó por uma derrota esmagadora. Podem sempre mudar-se todos para o PSD.

Foto: Miguel A. Lopes/Lusa@TSF

Comments


  1. Será? Uma das teorias que é repetida hoje à exaustão é que Passos Coelho levou o PSD para a Direita, deixando o centro ao PS. Seguindo a mesma teoria, uma viragem à esquerda do PS não abriria o centro ao PSD? Para mais numa altura que Marcelo quer influenciar o regresso às origens?
    PS e PSD são “catch all party” e precisam manter no seio todas as tendências. Uma viragem à esquerda do PS radicaliza-o, leva a um confronto a prazo com o BE deixando um espaço enorme para o PSD. A abrangência são a razão de sucesso dos 2 maiores partidos, mas também a sua fraqueza ideológica, afastando muitos eleitores…


    • Não obstante, a ala direita do PS está actualmente apeada.


      • As pessoas de que falas podem estar politicamente mortas, sobre Assis tenho duvidas que o esteja, mas o espaço político existe…


        • Existe, Mas a ala Assis do PS é hoje uma irrelevância. Não digo que não chegue o seu momento, refiro-me apenas ao presente e, acredito, ao curto/médio prazo.

    • Rui Silva says:

      Parece existir espaço para a formação de um partido entre o PS e o PSD. Seria bom que esse partido fosse formado , pois iria espelhar com mais rigor a sociedade portuguesa neste momento.
      E seria possivel a formação de maiorias estáveis sem a esquerda radical ( considerando nessa altura o PS como radical).

      cps

      Rui SIlva


      • Aqui discordo Rui, em vários momentos foi tentado, do PRD aos MMS e outras experiências recentes. Quando o PS vira à esquerda, abre espaço ao PSD, que por vezes vira à direita e estende o tapete ao PS. Espaço para um novo Partido existe a meu ver à direita do PSD. O CDS-PP é de inspiração democrata cristão, um partido liberal ocuparia espaço à custa do PSD e do CDS-PP, que têm por lá alguns liberais por falta de melhor alternativa. Um partido liberal recolocaria o PSD no seu espaço natural e travaria as oscilações do PS. A partir daí seriam naturais coligações a 2 ou 3 para formar governo…

        • Rui Silva says:

          Caro António Almeida,
          Estou de acordo consigo quanto á falta de um partido liberal. Eu próprio não tenho partido “em que votar”.
          No entanto em relação ao PS penso que deveria haver mesmo uma cisão. Havia a vantagem de manter as pessoas mais extremados á esquerda e os que votam no PS apenas pelo nome nesse mesmo PS , enquanto os votantes do PS menos extremados migrariam para novo partido, que realmente os representava.

          E a sociedade ficaria mais bem representada no seu todo, colocando assim a esquerda fora do poder, que tanto prejudica a evolução do nosso Pais.

          cps

          Rui Silva

  2. Camaradas says:

    então porque razão o pcp quer deixar a geringonça?

Trackbacks


  1. […] (rufam os tambores)…Francisco Assis! Ou, nas palavras de André Azevedo Alves, “Uma voz lúcida, mas quase isolada, no actual PS“. Uma bonita homenagem num momento particularmente difícil. […]