O Pedro Passos Coelho de há cinco anos precisa de um upgrade

foto@expresso

foto@expresso


Hoje o director da campanha do Professor Marcelo Rebelo de Sousa, Pedro Duarte, dá uma entrevista ao ” Expresso ” muito interessante, curta, mas assertiva.

Como diz Pedro Duarte ” O Passos de há cinco anos está desactualizado “. E o problema é exactamente este. O ex-secretário de estado e antigo deputado do PSD coloca precisamente o dedo na ferida.

O actual Partido Social Democrata teve nos últimos 5 anos um posicionamento e uma deriva para uma direita neo-liberal. Porém o que esteve na origem da formação do Partido, fundado por Francisco Sá Carneiro, foi uma matriz social-democrata assente em grande medida no pensamento político de Willy Brandt, Helmut Schmidt e Olf Palme adaptada à realidade sociológica portuguesa.

Talvez muitos não tenham conhecimento mas Francisco Sá Carneiro fez vários contactos internacionais de modo a integrar o Partido, na Internacional Socialista e consequentemente no Partido Socialista Europeu, de forma acentuar a sua natureza social-democrata, reformista e europeísta.

Aliás a mudança de designação de Partido Popular Democrático para PPD/PSD tinha como objectivo a sua integração na Internacional Socialista, mas a influência do Partido Socialista, nomeadamente de Mário Soares, impediu a pretensão de Francisco Sá Carneiro.

Aliás, o actual director da Microsotf, Pedro Duarte, afirma e muito bem que ” o PSD deve perceber que nasceu no centro-esquerda “. Entendo também que o PSD precisa de muito rapidamente recentrar-se politicamente, mas isso apenas poderá acontecer se Pedro Passos Coelho tiver a capacidade de regenerar o Partido, percebendo que o País vive um novo tempo, apresentando novas ideias e novos protagonistas.

Aliás, é curioso que na mesma página uma notícia sobre a recandidatura de Pedro Passos Coelho à liderança do PSD anuncia como seu slogan de campanha ” Social-democracia, sempre! “. Ainda bem que Passos Coelho percebeu que muitos sociais-democratas estavam-se a afastar do PSD.

Mas tudo isto tem que acontecer antes que Assunção Cristas comece a ocupar o espaço político do centro. Prevejo que com Cristas na liderança do CDS vamos ter um partido mais próximo ideologicamente da democracia-cristã e de antigos dirigentes como Diogo Freitas do Amaral, Adelino Amaro da Costa ou Francisco Lucas Pires. Estou convicto que vamos ter mais CDS e menos PP.

Também como Pedro Duarte considero que, ao contrário do que disseram outros dirigentes do PSD, Pedro Passos Coelho saberá colocar, nos momentos chave para o País, os interesses nacionais acima dos interesses partidários.

Aguardemos para ver o evoluir da situação interna do PSD nos próximos 3 meses.