Claro que Mário Centeno mentiu


Mário Centeno mentiu, obviamente. E mentiu com quantos dentes tem na boca – da mesma forma que alguns riem a bandeiras despregadas.
Não é preciso ser um génio para saber que ele mentiu, nem sequer convocar a teoria dos fractais.

28 de Julho – Governo isenta administradores da CGD de apresentarem os rendimentos no Tribunal Constitucional

25 de Outubro – O Ministro das Finanças confirma em nota oficial que a nova administração da CGD só terá de prestar contas sobre os rendimentos ao Governo.

15 de Novembro – António Domingues envia carta ao Ministro das Finanças, onde relembra que «A não sujeição da administração a esse estatuto (…) tem, para além do mais, como consequência a não submissão ao dever de entregar ao TC a declaração de património e consistia, desde o início, uma premissa essencial para o projeto de recapitalização da CGD e foi uma das condições acordadas para aceitar o desafio de liderar a gestão da CGD e do mandato para convidar os restantes membros dos órgãos sociais, como de resto o Ministério das Finanças confirmou”

Depois disto, o que falta? Uma assinatura? Um SMS?
Não são precisos óculos especiais para ver que o Ministro das Finanças mentiu. A inexplicável isenção de declaração de rendimentos esteve acordada desde o primeiro dia.
Mentiu, pronto. E agora? Não é essa a matriz de um político, mentir? Olha o Eduardo Vítor com o caso da mulher! Acaso fazem outra coisa, os políticos, senão mentir? Claro que não se vai demitir por causa disso. Aliás, ele e qualquer outro político devia demitir-se era se algum dia dissesse a verdade. Porque isso é que é defraudar o pessoal.
Posto isto, são todos uns hipócritas.
Mário Centeno, porque sabe que mentiu; e o Primeiro-Ministro, porque de certeza que o Ministro das Finanças não decidiu sozinho.
Os Partidos da Esquerda, porque se fosse ao contrário há muito que já tinham pedido a demissão do Ministro.
Os Partidos da Direita, que nada fizeram senão mentir enquanto estiveram no poder.
O estacionador em lugares de deficientes, porque é movido apenas por estratégias eleitorais.
Bem!, pode dizer-se, é a profissão deles, mentir. Sendo que, no fundo, estão a defender o seu prato de lentilhas, compreende-se que mintam. Já aqueles que o fazem por mera cegueira ideológica estão a defender o quê?
Quantas vezes vimos gente da Esquerda pedir a demissão de Ministros por coisas destas? E quantas vezes vimos gente de Direita a fazer o mesmo?

Comments

  1. tá bem tá says:

    a mentira de centeno ao lado das mentiras de passos e maria luís é uma migalha da casca de um amendoim. que ele fique muitos anos ainda no lugar.

  2. Paulo Só says:

    Mentir não é “feio”. Essa coisa do branco e preto é coisa de quem nunca foi nada na vida. Há muitas definições para “mentir”. Centeno é um homem que não mente. Pode ter omitido alguma coisa por embaraço. Isso não está em causa. O que está em causa é destruí-lo. E o governo e Caixa junto. Então a reposta é: eleições já.

  3. Rui Naldinho says:

    Cito:
    “Só. Esta é a pequena palavra que Marcelo não quis escrever”

    ” O comunicado emitido pelo Presidente da República para afirmar que aceitava a confiança em Mário Centeno que António Costa mantém tem implícita a palavra só que Marcelo não quis escrever, mas que está lá subliminarmente. O que o Presidente quis dizer é que só “aceitou tal posição (ou seja, a manutenção de Centeno) atendendo (e aqui caberia outro só) ao estrito interesse nacional em termos de estabilidade financeira”. Marcelo foi magnânimo e deixou passar a nódoa comportamental de Centeno, dando por boa a versão que ambos tinham acertado horas antes, segundo a qual nunca foi intenção isentar Domingues e companhia de apresentar rendimentos e património, tendo quando muito havido um mal-entendido. Claro que a versão é pífia. Mas ao pé de comportamentos como o de Maria Luís Albuquerque a respeito do Banif, é comparar um desvio de caramelos por uma criança com um assalto a uma joalharia. Valeu a Centeno o facto de ser aparentemente tão bom técnico como mau ator e político. Oxalá tenha aprendido e contrate gente competente para a sua comunicação, pois foi aí que falhou. Quanto a António Costa, o mínimo é reconhecer que o Presidente lhe salvou o governo, esperando-se que seja a bem da nação, como se dizia no tempo da outra senhora.”

    Eduardo Oliveira e Silva no jornal “i” 15-02-2017

    • Paulo Marques says:

      Vinha cá escrever o mesmo, mas provavelmente muito pior. Fez merda, desde a escolha de um homem do sistema até à repetição do mesmo. É bom que a rédea seja curta, há por aí muitos economistas capazes de fazer o óbvio.

  4. Paulo Só says:

    Essas pessoas tiveram aulas de “religião e moral” a mais. Desde quando se pretende abater um governo por causa de um ou duas frases de um ministro independentemente de ele não ter nas suas decisões de Ministro infringido qualquer lei? Isto prova realmente a que nível intelectual e político chegámos e por que os países centrais da Europa não nos levam a sério.
    A Assembleia nacional perdeu em dez dias toda a credibilidade. É muito interessante que o tal do Domingues não queira mostrar as suas contas de hacker solitário do casino financeiro, mas que a culpa seja do Centeno. A única culpa dele é ter chamado gente desse meio. É esse o problema dos socialistas. É o meio, a ommerta, gente sem cv ao sol. Eleições já, vamos ver o que portugueses que votam pensam do assunto.

  5. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Assino por baixo o que escreves Ricardo.
    Há duas questões aqui que convém dissociar.
    Uma coisa é discutir políticos onde, admito, haja diferenças de carácter, de competência e de honestidade.
    Outra coisa bem diferente é discutir a mentira e nesta, não pode haver mentiras leves e mentiras pesadas. A mentira por definição deixa marcas e deve ser punida. E esta tem a agravante de querer branquear uma verdadeira ilegalidade.
    O que parece é que por estas páginas o português, já de si uma língua complexa, se torna ainda mais complexa querendo atribuir à mentira e ao seu contrário, o mesmo significado.

  6. Antonio Rodrigues says:

    A mentira é uma questão filosófica e seriam necessárias várias enciclopédias para demonstrar aos do PPD e outros incultos que eles é que mentem quando dizem que Centeno mentiu. A mentira e o enxovalho são técnicas de direita aprendidas com o Hitler. Isto é, os do PPD repetindo até à exaustão ( mil vezes) que Mário Centeno mentiu, estão convencidos que o povo acreditará neles tal como dizia o Hitler

    • Paulo Só says:

      Pois é, vamos transformar a Assembleia numa espécie de confessionário onde cada um virá confessar os seu pecados, aos ouvidos atentos do Cardeal Passos Coelho.
      O PSD quer fazer passar a vendetta do Sr Domingues por uma questão moral e política, quando na realidade estão apenas a fazer o que sempre fazem: mascarar interesses privados em causas públicas.
      Eles não se conformam por não terem sido recompensados depois de se terem humilhado diante do Eurogrupo e demais. Nem o povo, nem a economia lhes deram razão.
      E não conseguem passar além dessas patacoadas ad hominem.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s