Colocando as coisas em perspectiva

PÚBLICO, 2 de Maio de 2019

DN, 23 de Dezembro de 2018

As sondagens lá no Largo do Rato estão cor-de-rosa, é isso?

Comments

  1. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Isto é gente sem vergonha, a que se junta a pouca vergonha do PSD e do CDS ao alinhar com a esquerda para a contagem do tempo dos professores, o mesmo PSD e CDS que quando foram governo, foram os grandes responsáveis por se ter chegado à situação a que se chegou, sendo mais “troikistas” que a troika.

    Uma vergonha a que vem agora o partido que mais assobia para a corrupção que grassa – o PS – juntar lágrimas de crocodilo, querendo fazer das pessoas estúpidas quando diz que não há dinheiro, depois de inundar a banca com resgates sucessivos, fruto da corrupção de elementos ligados ao arco da governação que vão passando incólumes.

    A seriedade desta gente é nula e a falta de vergonha já bateu no fundo.
    E como sempre, em maré de campanha eleitoral, mais três passagens para mais tarde recordar:
    1 – CDS e PSD a juntarem-se a PCP e BE numa votação !!!
    2 – O sr. presidente das selfies que se prepara, como um qualquer Pilatos, para lavar suas mãos.
    3 – O sr. Carlos César a fazer chantagem política …

  2. Nuno M. P. Abreu says:

    Seria interessante que, antes de mais, alguém explicasse o que é isso de extrema esquerda e de extrema direita. Quais os parâmetros ideológicos que as distinguem. Como se distingue um CDS que alguns classificam de extrema direita de um PSD que esses alguns classificam ser também de extrema direita. Porque quem classifica de extrema esquerda o PCP ou o Bloco é um salazarista nojento e quem classifica o CDS de extrema esquerda é objectivo e racional?
    Com é do conhecimento comum, a classificação de direita e esquerda de partidos num parlamento é originalmente geográfica. Surgiu durante a Revolução Francesa, em 1789 quando os extremistas jacobinos se sentaram à esquerda e os liberais girondinos se sentaram à direita, no salão da Assembleia Nacional Constituinte
    Ao associar-se as ideias ao lugar, direita e esquerda passaram a ter um significado figurado e passaram a designar as ideias de cada partido.
    Já o termo extremista surge não de uma colocação geográfica em um qualquer parlamento mas de um significado objectivo, ideológico: aquele que, na defesa das suas ideias é incapaz de dialogar, incapaz de aceitar uma evolução, de ter ideias fixas exigindo a sua aplicação a qualquer custo.
    E nesse sentido, como costuma dizer o “camarada” Jerónimo de Sousa, o PCP é o partido mais extremista com assento parlamentar. Dizem-nos a letra e o espírito dos seus estatutos dizem-no o conceito de democracia que defendem, um centralismo democrático de partido único, disseram-no expressamente os responsáveis aquando da alteração dos estatutos, ao afirmarem que embora retirassem de la a ditadura do proletariado o objectivo de a impor se mantinha.

    • Paulo Marques says:

      Não gosto do uso de extrema-direita, mas partidos agarrados à ideologia de voltar às relações laborais, protecções sociais e estratificação social do século XIX hão-de ser assim um bocadinho para o extremistas.

  3. Mário Reis says:

    Segundo o Marinho Pinto os 16 mil milhões foram para garantir os depósitos…. Cinismo, má-fé e ignorância

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.