Autarca condenado em perda de mandato nomeado pela AMP para Administrador da Metro do Porto

António Silva Tiago, presidente da Câmara Municipal da Maia, foi condenado em perda de mandato autárquico, no passado mês de Abril, pelo Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto. Tal condenação não impediu, porém, que tivesse sido hoje indicado pelo presidente da Área Metropolitana do Porto para os órgãos sociais da Metro do Porto, como administrador não executivo.

Tal como aqui foi escrito há cerca de um mês, o presidente da empresa Metro do Porto será Tiago Braga, engenheiro cuja maior proeza curricular foi ter sido chefe de gabinete do actual presidente da Câmara de Gaia.

 

 

A Morte da Floresta Amazônica

Mais um indicador da péssima escolha de brasileiros que votaram 17 na ultima eleição (e também dos que se abstiveram); conforme divulgado pelo Sistema de Detecção do Desmatamento na Amazônia Legal em Tempo Real (Deter) e Jornal Folha de São Paulo, a grande floresta amazônica está sob ataque.  Dados apontam que 19 hectares são desmatados por hora – o dobro do registrado no mesmo período em 2018.

Pelo histórico do presidente e sua atuação a favor da frente ruralista (que é a principal devastadora dos biomas) a preservação do meio ambiente não é prioridade.  Em 2012 Jair Bolsonaro foi multado por pescar em área de preservação em Angra dos Reis. Assim que assumiu o governo passou a atacar orgãos que multam e regulam a atividade predatória. Mês passado alterou um decreto de 2008 que dispunha sobre crimes ambientais e forçou o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) reduzir em 35% o volume de multas aplicadas no primeiro trimestre de 2019 .

size_960_16_9_devastacao-na-amazonia

A Amazônia, “o pulmão do mundo”, está sendo sacrificada aos interesses dos lobbies da agroindústria (Reuters/Reuters)

Tudo isso com ajuda do atual ministro do Meio Ambiente (MMA) Ricardo Salles, que já começou a implementar um politica anti-preservação com licenciamentos flexíveis, menor controle de agrotóxicos e leniência com punições. O jornalista Vinicius Lousada escreveu na Revista Fórum  os estragos desse governo em 100 dias.  No meio ambiente as 10 medidas que integram o artigo são:

1) Menos fiscalização

Militantes da causa ambiental apontam o desmonte de equipes de fiscalização. O ministro Ricardo Salles demitiu 21 dos 27 superintendentes regionais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama), promovendo exoneração coletiva inédita em 30 anos.

2) Clima

Ainda em janeiro, o governo acabou com a Secretaria de Mudanças do Clima e Florestas. O esvaziamento da pauta é claro entre ministros de Bolsonaro, o que pode resultar na perda de recursos e no não cumprimento de metas firmadas em compromissos internacionais. No Acordo de Paris, o Brasil se comprometeu a, até 2025, reduzir em 37% suas emissões de gases de efeito estufa. O País também havia se comprometido a acabar o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030.

3) Raposa no galinheiro

O governo transferiu o Serviço Florestal Brasileiro para o Ministério da Agricultura e escalou para chefiá-lo o ex-deputado Valdir Colatto (MDB-SC), que integrou a bancada ruralista e apresentou projeto para liberar a caça de animais silvestres. O órgão é responsável pela gestão das florestas públicas e, antes de Bolsonaro, estava vinculado ao Ministério do Meio Ambiente.

4) Paralisação de projetos

Ricardo Salles congelou a aplicação de R$ 1 bilhão, oriundo de multas aplicadas pelo Ibama, que seriam utilizados em 34 projetos de recuperação das bacias do Rio São Francisco e do Rio Parnaíba – apenas porque não quer mais a participação de Organizações Não-Governamentais (ONGs) em ações federais.

5) Sem participação social

O governo age para desmontar as estruturas de participação social no ministério, em especial o Conselho Nacional do Meio Ambiente.

6) Fundo da Amazônia

A partir de tentativa de devassas nas contas, o governo tem paralisado e atrapalhado o funcionamento do Fundo Amazônia, por ser contra a participação de ONGs e negar as mudanças climáticas.

7) Mais veneno

O Meio Ambiente atuou em conjunto com o Ministério da Agricultura na liberação de 86 agrotóxicos, incluindo substâncias proibidas em muitos países por serem cancerígenas e responsáveis pela morte de abelhas.

8) Caça com cão

O Ibama flexibilizou as regras para a caça de javalis, permitindo também o uso de armadilhas e cães, o que, para muitos, configura maus tratos.

9) Ameaça a garantias

O Ministério do Meio Ambiente está revendo regras para o licenciamento ambiental, sob o pretexto de agilizar a liberação de empreendimentos – o que pode significar grandes retrocessos em garantias socioambientais.

10) Avanço de transgênicos e mineração

O governo estuda a liberação do plantio de transgênicos e da mineração, inclusive em terras indígenas. De acordo com o governo, os povos originais até serão ouvidos, mas não terão autonomia para vetar projetos.

Pelo ritmo de ataques aos santuários ecológicos o legado desse governo será apenas destruição.  Precisamos Salvar a Amazônia.

 

 

Universidade do Porto abre Instituto Confúcio

Foto: Universidade do Porto

 

É um momento de particular e profunda satisfação e, certamente, um ponto alto nas relações entre Portugal e a República Popular da China. Votos de grande prosperidade e sucesso ao Instituto Confúcio da Universidade do Porto. Que contribua para o fortalecimento das relações de amizade e benefício mútuo entre os dois povos.

Foi inaugurado esta sexta-feira o primeiro Instituto Confúcio da Universidade do Porto. O projeto, desenvolvido numa parceria entre a Universidade do Porto e a Guangdong University of Foreign Studies, tem como objetivo alargar os horizontes culturais dos estudantes, estreitar as relações entre a Universidade e a cidade à China, fortalecendo, desta forma, a cooperação entre os dois países.

Seria o cúmulo da pouca vergonha…

Há uns meses o país ficou indignado com um juíz. Quer-me parecer que se prepara algo pior, diria mesmo, sinistro

“Uma cerimónia Kafkiana”

O dia a seguir de Luís Filipe Menezes

 

Leituras instrutivas e esclarecedoras: “O dia a seguir. Nunca é tarde demais”, de Luís Filipe Menezes:

“Tão mais surpreso fiquei quando o candidato, agora presidente [Eduardo Vítor Rodrigues], tivera quatro anos de servilismo oposicionista patético, estilo lambe botas permanente, e até fizera uma campanha baseada na afirmação, “Eu sou o legítimo sucessor de Menezes”!

(…)

Os novos autarcas de Gaia desdobraram-se então em conferências, declarações pomposas, até terminarem naquela cena do mais puro “erotismo político” em que Rui Rio foi convidado especial.
Uma cerimónia kafkiana!

Nessa festança, no Auditório Municipal de Gaia, assistiu-se à afirmação, feita pelo supremo dirigente socialista gaiense, de que Rio seria o seu ideal candidato presidencial em 2016. Gostava de o ouvir fazer essa afirmação de novo este ano quando das eleições legislativas e, porque não, em 2021 ou até em 2026. Mas o essencial da cerimónia, qual missa negra, visava a entronização de Marco António Costa com a medalha de mérito municipal! Surreal!

[Read more…]