Superliga europeia? É o capitalismo, estúpidos!

Superliga europeia vai mesmo para a frente

Comments

  1. Paulo Marques says:

    É a meritocracia, estúpidos. Quem mais tem, mais manda.

  2. Rui Naldinho says:

    Isto não é mais do que o epílogo de uma alteração às regras das competições europeias feitas pela UEFA, ocorridas há cerca de vinte cinco anos, ou pouco mais, quando resolveram meter mais do que o campeão nacional da Liga de cada país europeu, na chamada Liga dos Campeões Europeus. Alguns países conseguem colocar 4 equipas. Três de forma directa, e uma no sistema de play off.
    Uma aberração desportiva, se considerarmos o futebol um desporto. O que não é de facto. Pelo menos no presente.
    Cresci com a Taça dos Campeões Europeus, competição essa onde apenas entrava o primeiro classificado de cada uma das Ligas Nacionais. Posteriormente passou a ter também acesso directo, o vencedor da Taça dos Campeões Europeus do ano anterior. Sendo discutível, diríamos que era um razoável estímulo, vá lá, uma espécie de prémio de desempenho, evitando assim a fuga maciça de jogadores de algumas equipas financeiramente menos apetrechadas, mas cuja prestação tinha sido notável, ganhando a competição com esforço, mérito e alguma dose de sorte, que não a deseja(?), as quais no ano seguinte tivessem ficado fora do topo da tabela, nos campeonatos nacionais. Para equipas como o SL Benfica, o FC Porto, o Ajax, o Feyeonord, PSV Eindoven, Nothingan Forest, Celtic, sem a capacidade financeira de um Real Madrid, Barcelona, Milão, Bayer Munchen, Manchester Unimed, etc, acabava por ser uma forma de minorar o saque do qual seriam vítimas de alguns “tubarões”, caso tivessem de estar em competições europeias menos cotadas, no ano seguinte.
    Até aí ainda era aceitável. Depois foi o descalabro. Só o Real Madrid, se não me falha a memória, abichou 4 Ligas dos Campeões Europeus sem ter sido o vencedor da Liga Espanhola no ano anterior.
    A culpa deste cenário abjecto é da UEFA. Só da UEFA e da FIFA, que de há muito adulteram regras e resultados desportivos, traficam candidaturas a eventos internacionais de futebol, enfim, um rol de “socratices futeboleiras”, prejudicando claramente os mais pobres ou menos habilitados financeiramente, apenas por aquilo a que denomino:
    Gula Capitalista.
    Apetece-me mandá-los à merda, com tanta hipocrisia!