O Novo disco de Amy Winehouse…

…que acaba de ser lançado, não é um disco novo, é um disco póstumo.

Dito desta forma parece uma contradição e uma mera afirmação do óbvio, mas não é bem assim porque se Amy Winehouse fosse viva não seria este o disco que faria. Quer dizer: não seriam estas canções (enfim, algumas), este alinhamento, estas versões.

Em devido tempo deixei aqui uma homenagem a Amy Winehouse, esse espectro oscilante que riscou brevemente o céu da música pop e da soul. Ainda não ouvi o disco, mas adivinho que não seja tão consequente como os anteriores. Imagino que seja uma espécie de exercício de corte e costura, uma manta de retalhos feita com o material disponível, com aquilo que iria estar no que seria o seu próximo disco e com o que não teve honras de caber em nenhum dos anteriores nem caberia nos futuros.

Haverá louvores dos incondicionais e críticas dos detratores. Haverá quem acuse os detentores dos direitos de fazer negócio a qualquer custo, dirão que se baixou a fasquia, dirão que o melhor, provavelmente, era não se ter feito nada. Não concordo. Amy Winehouse estava a iniciar um novo disco e não deixou assim uma obra tão vasta que os seus seguidores pudessem dispensar as gravações restantes.

No fundo, no fundo, é a última aparição de uma leoazinha periclitante – “Amy Winehouse Lioness: Hidden Treasures” – que passou a vida a desbaratar tesouros e a desafiar a morte  mas que, nalguns momentos, venceu. E convenceu(-me).

A minha pequena homenagem a Amy Winehouse

Da primeira vez que ouvi Amy Winehouse senti um arrepio na espinha. Quando me confrontei com a sua imagem senti dois. Eu imaginava uma cantora negra, grande, gorda e saíu-me aquela trinca-espinhas branca e inglesa, de pose desconchavada, joelhuda, com make-up de bordel de terceira.

Gostava sinceramente dela, sem dizer apesar de, sentia uma certa comoção com aquela rapariga, com as suas escolhas, com os seus demónios, com o seu enorme talento. Não acredito que pudesse haver Amy Winehouse sem aquela Amy Winehouse, não acredito que aquela mulherzinha cantasse tanto, tão sofrida, poderosa e languidamente sem ser aquela mesma pessoa, aqueles dez-reis de fragilidade cheios de atracção pelo abismo. E também não acredito que a autora Amy Winehouse pudesse compor aquelas canções não sendo o ser perdido que era.

Haverá quem a recorde pelo acessório. Eu recordá-la-ei por “Frank”, por “Back to Black” e por algumas arrepiantes interpretações ao vivo. Foi uma Grande Artista e viveu como pôde. Agora repousa em paz – ou canta com outras almas gémeas, cheias de talento e de inquietude, como ela.

Amy Winehouse: durou pouco mas foi bom

Amy Winehouse, 1983 – 2011, RIP

A revolução do rock'n'roll existiu mesmo?

O leitor do Aventar vai a passar em frente de um edifício e sabe que no seu interior estão, em boa e pacífica convivência, nomes como Jimi Hendrix, John Lennon, Amy Winehouse, Beatles, Tina Turner, Little Richard, Rolling Stones, Mick Jagger, Kurt Cobain, Bob Dylan, Morrisey, etc. Que faz o nosso leitor? Entra?

Eu entrava, se estivesse em Nova York e passasse em frente ao Museu de Brooklin, onde, até ao fim deste mês, se encontra presente a exposição “Who Shot Rock & Roll: A Photographic History, 1955 to the Present” dedicada aos fotógrafos que acompanharam por dentro e por fora a história do rock & roll, gente que registou para a posteridade o Woodstock e Monterey, e andou tu cá tu lá com  Sex Pistols, Led Zeppelin, Kiss, Prince, Lou Reed, Elvis Presley, Janis Joplin, Frank Zappa e muitos outros.

Entre nuvens de fumos, alucinogénicos químicos e naturais, álcool a rôdos, pós de todas as proveniências e ressacas várias, é legítimo que se pergunte: a revolução do rock & roll existiu mesmo?

Existiu. As fotografias cá estão para o provar.