O Novo disco de Amy Winehouse…

…que acaba de ser lançado, não é um disco novo, é um disco póstumo.

Dito desta forma parece uma contradição e uma mera afirmação do óbvio, mas não é bem assim porque se Amy Winehouse fosse viva não seria este o disco que faria. Quer dizer: não seriam estas canções (enfim, algumas), este alinhamento, estas versões.

Em devido tempo deixei aqui uma homenagem a Amy Winehouse, esse espectro oscilante que riscou brevemente o céu da música pop e da soul. Ainda não ouvi o disco, mas adivinho que não seja tão consequente como os anteriores. Imagino que seja uma espécie de exercício de corte e costura, uma manta de retalhos feita com o material disponível, com aquilo que iria estar no que seria o seu próximo disco e com o que não teve honras de caber em nenhum dos anteriores nem caberia nos futuros.

Haverá louvores dos incondicionais e críticas dos detratores. Haverá quem acuse os detentores dos direitos de fazer negócio a qualquer custo, dirão que se baixou a fasquia, dirão que o melhor, provavelmente, era não se ter feito nada. Não concordo. Amy Winehouse estava a iniciar um novo disco e não deixou assim uma obra tão vasta que os seus seguidores pudessem dispensar as gravações restantes.

No fundo, no fundo, é a última aparição de uma leoazinha periclitante – “Amy Winehouse Lioness: Hidden Treasures” – que passou a vida a desbaratar tesouros e a desafiar a morte  mas que, nalguns momentos, venceu. E convenceu(-me).

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.