barcos

e golpes

“Pelas ruas de Burgau”

Photo©Pedro Noel da Luz

A paz num abrir e fechar de olhos

(Era assim, há uns anos, quando Marcos Cruz escreveu este texto)

Há um antes e um depois do respirar fundo assim que se chega ao cais de embarque para a Afurada. Podem o dia ou a noite, dependendo dos casos, ter sido cansativos, frustrantes ou até deprimentes, que ali, massajada pelo bater de asas das pombas, pela bricolage sonora das tainhas nas águas marginais (como elas), pela placidez distante da povoação em frente e pela milagrosa frescura de toda aquela velhice, uma pessoa esvazia-se de tudo. Sobretudo de si. [Read more…]

Lítio no Afeganistão

(adao cruz . democracia americana)

A minha empregada diz-me assim: o sr.doutor é o máximo. O sr. dr. é que dava uma boa empregada. O sr. faz tudo, seja de homem ou de mulher (salvo seja, penso eu no meu íntimo!). Mas ela tem razão, e eu não digo isto para armar nem com presunção. Mas tanto avalio e preparo um doente para uma intervenção ao coração, como prego um botão numa camisa ou levanto a bainha da calça, (melhor seria levantar a bainha da saia!). Várias vezes tenho dito que me encontro, por vezes, no computador, com os pincéis na tinta, a ler uma revista de cardiologia e a fazer um estrugido. Sou assim e assim serei enquanto os olhos e a mente mo permitirem. Mas, sendo assim, vejo-me por vezes à rasca para cumprir os meus deveres de aventador, pelo que peço desculpa ao amigo Ricardo e outros que tiveram e têm a gentileza de me querer nas colunas do blogue que em boa hora criaram. [Read more…]

Cantareira – Foz – Porto

Um momento raro de televisão

Hoje, em directo na SIC-N, no programa "negćcios da semana" juntaram-se o Prof. Catroga, Prof. Ferreira do Amaral, Eng Avilez e o empresário Henrique Neto. O tema da conversa, as contas públicas e a sua transparência, as PMEs exportadoras, o governo que aí vem e, por último, a corrupção.

 

Alguem deu o exemplo dos negócio dos "contentores de Alcantara". Foi espantoso que aqueles homens, todos com a vida feita e com provas dadas e que não precisam do governo para nada, institivamente baixaram a voz. Henrique Neto ainda foi dizendo que os marroquinos já tinham construído um porto de águas profundas, outro que em Sines havia as condições já reunidas, e tudo morreu num murmúrio envergonhado.

 

A Helena Roseta já apresentou uma declaração aos partidos da oposição para declararem nulo aquele contrato, na Assembleia da República.

 

Não esperava ver isto, 30 anos depois do 25 de Abril!