catequese e sexualidade infantil.manifesto de etnopsicologia da infância

o livro que manda o que todos os progenitores já sabem

No seu texto inédito, escrito para proferir aulas Pragmatisme et Sociologie, (texto nunca publicado, manuscrito na minha posse, retirado da Biblioteca Nacional de Paris) proferido na Universidade da Sorbonne de Paris, durante o ano de 1913-1914, o maduro socialista e materialista histórico, Émile Durkheim, comentava que os velhos deuses estavam mortos e que a religião estava em vias de mudança. No seu texto, no entanto, acrescentava, a morte da divindade não era in extremis, porque todo o ser humano precisa de ritos, ideias, ética, interacção moral, para cumprir com o seu dever de dar orientação na obrigatória criação dos seus descendentes. Donde, a religião, de qualquer denominação e credo, pelo menos define as relações entre pais e filhos, por outras palavras de definir as relações sócio éticas entre mães, pais, filhos, filhas e toda afectividade emotiva dentro das relações consanguíneas. A nossa língua não tem ainda conceitos para designar estas relações, excepto entre ascendentes, descendentes e linha consanguínea colateral, palavras sem música e indefinidas, é dizer, sem conteúdo pragmático.

Max Weber, o primeiro sociólogo alemão, entre 1904 e 1915, ocupou o seu tempo em definir conteúdos das confissões Chiita, Budistas, Luteranos, Calvinistas, Cristãos Coptos – a palavra copto faz referência na actualidade aos egípcios que professam as religiões cristãs – Cristãos Arménios A religião predominante na Arménia é o cristianismo. As origens da comunidade cristã arménia remontam ao século I.

[Read more…]

o itinerário da criança

lembrança do debate entre pais e educadores em Castelo de Paiva

Aos pais sem crianças e às crianças sem pais.

1. Ser feito.

A frase, ser feito, parece ser a reiteração de uma ideia sistemática ao longo dos meus textos. Não é por acaso que a reitero, quer em ensaios, quer em artigos quer, ainda, e com maior latitude, nos meus livros. É reiterada até estarmos certos de como é que um ser humano se faz, na curta e duradoura infância, na dinâmica e repentina puberdade que abre a flor da vida de adulto. Ou, simplesmente, em adulto. Mas, será que os adultos, já grandalhões, também são feitos? Ou será que o adulto, como diz Alice Miller, que sempre lembro, leva em si uma criança. Ser feito é heterogéneo, é, diria, um processo que ocorre ao longo da vida. Um adulto é uma criança sempre a crescer até regredir. É como uma metamorfose. Uma criança é a semente processual do adulto, a base do que será como pessoa no futuro. Porém, Alice Miller e Melanie Klein, entendem que o adulto é resultado da criança, hipótese que não seria novidade se não acrescentassem a ideia da influência silenciosa que a infância tem no adulto. Todavia, ser feito é um processo sempre em desenvolvimento, que nunca pára, e que, por conveniência para as nossas contas e para deslindar responsabilidades, o mundo erudito e do poder tem classificado em ciclos com uma certa responsabilidade para a lei ver. E os pais também. Difícil questão esta de se ser feito. Já foi problema em 1633 com o jesuíta Athanasius Kirchen ao dizer que o mundo era uma sucessiva evolução, que a terra girava em torno do sol e que a Arca de Noé era a evolução das espécies, corroborando assim o sistema heliocêntrico do frade Nicholaus Copérnico que em 1530 já tinha falado de forma atrevida de que a terra não era o centro do universo contudo, para não ser queimado, negou a sua convicção, acrescentando, ao assinar a acta de retractação: ” e no entanto, move-se”. O contexto faz da frase uma infantilidade ou uma verdade. A época ajuda, ou não, a entender o que se pensa e se descobre. Porém, ser feito é difícil de explanar. Ser feito já era complexo quando a união era sacramental e para toda a vida e entre homens e mulheres não parentes. Nos nossos dias assistimos a uniões de facto entre pessoas do mesmo ou diferente sexo, que procriam ou adoptam. Haja felicidade na nossa cultura por sermos capazes de optar tal e qual sentimos. Haja paciência para dizer que ser feito é um processo delicado no ritual sacramental ou no factual. Ser feito é a criação de um indivíduo. Capaz de optar, de (se) amar e de respeitar, em consequência, aos outros. Tão simples quanto isso, mas tão complexo por se esquecerem os feitores de pessoas da existência de um contexto que acaba por nunca ser verdade no tempo do feito, mas uma tese anos depois. Respeitada e cuidada. Ser feito tem sido um andar para trás e para a frente no processo educativo dos seres humanos. Processo simples, caso se saiba como começa o processo de confecção do ser humano.

[Read more…]

antropologia da criança

Huaso é uma denominação das pessoas ligadas a atividade pecuária em regiões de ocorrência de campos naturais do vale do Chile.

Tinha guardado este texto e não lembrava. Publico-o agora, escrito como foi desde um Ande da Cordillera de los Andes, texto que foi difícil de enviar por Internet pelas altitudes que cercavam os vales onde eu investigava. Publico-o na altura em que o Chile está dobrado mas não partido.

‘Losotros haulamos dos idiomas’ *

1. É o que diz Marcelo Castro Morales, o puto de dez anos que estudou comigo. Uma das quinze crianças a quem a escola C40 de Pencahue permitiu participar na pesquisa por mim realizada, no frio Inverno chileno. [Read more…]

In limine

(desenho de Manel Cruz)

 Pelos caminhos de prantos e sorrisos, dentro de um tempo farto de horas sem minutos, a vida vai colhendo flores que murcham, por não serem simples flores ou flores simples, sem exigências de estufa ou jardim, flores de terra húmida, céu por cima e sol de permeio.

 Em tudo o que me é vida interfere a vergonha de ser adulto. Descortino as janelas que me disseram haver dentro dos homens e só vejo muralhas. Nada de crianças. Os homens comeram as crianças, os homens comeram-se crianças, os homens pariram-se adultos.

 Os pongídeos chegaram a homens. Quinze milhões de anos para o homem ser bicho. Bicho erecto. Rastejo de púrpura.

 Eu nasci na erva e dormi no feno, e acordei com a voz dos melros e rouxinóis e saltitei com os pardais. Vesti-me de sol e despi-me de luar. Estreei o mundo no abraço das árvores e no beijo dos rios. Meus olhos dormidos casavam a noite e o dia no mesmo silêncio de sonho-menino. A vida viveu em mim crescendo todos os tamanhos e medindo todos os céus. Também eu fui criança e matei em mim a criança que procuro, ao pensar que eram de amor as mãos que a mataram.

 Passei a vida a correr tropeçando nas sombras. Arrumei ao canto da luz mil horas vazias, sangradas a curricular futuros para ser gente na praça dos homens. Pisei os passos pequeninos nos avessos da verdade e palmilhei léguas vagarosas a tossir poeira.

 Vestido de ausências fui renascendo de amor pela vida fora, nos infinitos da fantasia que outros foram lentamente matando com fruído prazer.

antropologia da criança.o que era já não sou, ou torne a ser

o autor do texto, em bebé

Porquê falar de família hoje? A resposta é simples: temos em frente de nós o começo dum século. E o começo dum século que é um milénio, conforme as contas que os humanos fazemos. Já temos pensado, desde antigamente, que mil anos íamos viver, mas nunca dois mil. E a dois mil entramos, ainda ao 2010. Porém, quais, as perspectivas? Milhentas, como costumamos dizer; em todos os aspectos: nos trabalhos, nas leis, nas uniões associativas dos governos, na nova tecnologia. Será porque o milénio começa que há tanta mudança, ou calhou que, na altura do milénio, mudanças históricas estavam a acontecer? Pelo menos no elo para o qual virei o olhar do leitor, a família. Elo que mais nos interessa por causa de ser base da interacção de pessoas que reproduzem, transferem, duma geração a outra, a forma de viver. [Read more…]

A Marta SOMOS nós!

A Marta… A Marta podes ser tu… Pode ser a sua filha. A Marta SOMOS Nós!

Marta

A Marta SOMOS NÓS!

É uma menina de Canelas, com 8 anos e que está a viver uma experiência muito complicada, mas está cheia de FORÇA e com MUITA CORAGEM!
Quando ouvimos estes pedidos ou quando ouvimos falar dos números das tragédias, quase sempre o significado é pouco mais que informativo – é o momento absurdo em que a desgraça noticiada é quase entretenimento.
Quando tudo se conjuga na primeira pessoa… Complica! E muito. Olhar para o lado e pensar – podia ser tu… Podes ser tu, pior – podem ser os teus!

A matemática, o Português, o Estudo do Meio agora interessam pouco para todos nós!
Ajudar é a Palavra, ser SOLIDÁRIO o objectivo!
O que vos pedimos é muito simples – inscrevam-se como dadores. Não custa nada e pode certamente salvar a vida de alguém! Pode salvar a Martinha!

Pode aparecer dia 2 de Fevereiro (Terça-feira de tarde), aqui em Canelas (GAIA) ou então ir a um dos centros de Histocompatibilidade que existem no país.
Para saber mais pode consultar o Blog que a Associação de Pais criou para ajudar a divulgar a necessidade da Marta! Vamos a isso!