E o 25 de Abril, pá? Também foi um golpe orquestrado pelo imperialismo americano?

25Abril

Os textos ontem publicados por mim e pelo Ricardo Santos Pinto sobre o colaboracionismo do PCP com a ditadura angolana levaram à revolta de alguns dos nossos leitores afectos ao partido. De todos os argumentos usados, há um que se destaca e que, convenhamos, não é assim tão descabido. Trata-se do financiamento que o jornal Maka Angola, próximo das posições assumidas pelos activistas agora presos, recebeu da norte-americana National Endowment for Democracy, uma organização sombria com ligações à CIA que, sob o pretexto da solidariedade e da luta pelos direitos humanos, procura exportar a “democracia” do Tio Sam para outras paragens. [Read more…]

Luaty, meu herói

Rafael Marques de Morais, Maka Angola

O Luaty Beirão corre perigo de vida, por se encontrar em greve de fome há 18 dias [à data em que o texto foi escrito. A greve de fome teve início a 20 de Setembro]. É a sua forma de protesto por estar há mais de 100 dias detidos abusivamente, uma medida de coacção implementada pela procuradoria-geral do presidente José Eduardo dos Santos.

Compreendo totalmente a luta solitária do Luaty, nesta hora de enlouquecimento dos decisores do regime.

E compreendo tanto melhor porque passei por uma experiência semelhante em 1999, quando fui detido por ter chamado «corrupto» e «ditador» a este mesmo presidente. Passei 14 dias em greve de fome. Porquê? Porque às vezes é preciso relembrar casos passados para aferir a conduta daqueles que lutam pela liberdade e o comportamento daqueles que nos oprimem. No caso, os homens do presidente. [Read more…]

Luxo, Leite e Mel

E cenas de pura barbárie.

Carvoeiro Alvejado no Cuango

Mutu-MueneMAKA ANGOLA

Guardas da empresa privada de segurança Bicuar alvejaram ontem, 25 de Abril, por volta das 7h30, o cidadão congolês Jingongo Lemba com um tiro na região torácica enquanto este trabalhava junto ao rio Txacanga, em Cafunfo, município do Cuango, na província da Lunda-Norte.

Jingongo Lemba, de 30 anos de idade, residente no bairro Pone, em Cafunfo, é localmente conhecido como carvoeiro e trabalhava na produção artesanal de carvão, quando uma patrulha de três guardas da Bicuar o alvejaram de surpresa, sem ter havido qualquer diálogo. O tiro causou graves ferimentos e a fractura de uma costela do cidadão congolês, que está a ser assistido no hospital de Cafunfo. A equipa médica, segundo depoimento um familiar da vítima, Adelino Kamanda, aconselhou a família a levá-lo para uma unidade hospital com condições adequadas de tratamento para o salvar.

[Read more…]

Preso na “Ditadura da Pedra” sem Acusação

MAKA ANGOLA
Com Alexandre Neto:

Angola é um dos poucos países do mundo onde, ao arrepio da lei, oficiais superiores do exército, particularmente generais no activo, se apresentam abertamente como empresários e fazem negócios privados com o Estado, que supostamente servem, para enriquecimento pessoal.

No léxico oficial, a prática de misturar o exercício de funções públicas com a realização de negócios privados, ao mesmo tempo, tem sido celebrada como o estabelecimento da “burguesia nacional”, “empreendedorismo”, “direito de cidadania” dos dirigentes, “reforço da capacidade empresarial dos angolanos”, etc. Do lado contrário, um auto-proclamado brigadeiro, filho de um general na reserva, dá-lhes luta e afirma-se revolucionário e defensor do povo roubado proclamando: “Faço a minha luta sem violência/ a minha arma de combate são as palavras (…)”. É o polémico rapper Brigadeiro 10 Pacotes.

mapa-angola

Os generais-empresários, regra geral, gozam tanto de imunidade quanto de impunidade. Com tais exemplos no exército, aos 23 anos, um soldado da Brigada de Tropa Especial, decidiu também tentar a sua sorte como produtor musical e, por isso, está preso sem culpa formada. Trata-se do comando Jaime Manuel Mateia, mais conhecido por “Negro Py”. [Read more…]

Cabritismo de Luxo na Sonangol

Rafael Marques | MAKA ANGOLA

Francisco_Lemos-150x150Para a aquisição de prendas de natal para os membros do seu Conselho de Administração, a Sonangol disponibilizou, na quadra festiva, US $2.2 milhões.
Os sete membros executivos e quatro não-executivos da Sonangol usaram a milionária verba para comprar artigos de luxo para se ofertarem entre si e, também, para contemplarem alguns membros do governo. Entre os artigos eleitos achavam-se relógios, malas e outros acessórios de luxo de marca Cartier, Hermés, Louis Vuitton, Gucci, entre outras.
Além de Francisco de Lemos José Maria, que o preside, os restantes membros executivos do Conselho de Administração da Sonangol são Anabela de Brito Fonseca, Baptista Sumbe, Fernando Roberto, Sebastião Gaspar Martins, Mateus Morais de Brito e Raquel David Vunge. São administradores não-executivos Albina Assis Africano, André Lello, José Gime e José Paiva.

Feitas as contas, cada administrador dispôs de US $250,000 para gastar em artigos de luxo. [Read more…]

A Igreja Universal do Reino de Deus e o Poder de JES

IURD_angolaAlfredo Muvuma | MAKA ANGOLA

A tragédia ocorrida na noite da passagem de ano no estádio da Cidadela, que resultou em 16 vítimas mortais e 120 feridos, ofereceu às autoridades todas as condições morais e jurídicas para pôr cobro ao charlatanismo da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).
Essa mesma tragédia poderia ser o ponto de viragem para o Estado libertar centenas de milhar de angolanos das tenebrosas teias desta organização pseudo-religiosa.
Mas, lamentavelmente, tudo se encaminha para que a seita fundada pelo brasileiro Edir Macedo saia mais fortalecida do sangrento episódio por si promovida.
A criação da Comissão de Inquérito pelo Presidente da República é um claro indício de que as autoridades angolanas não têm o menor interesse em indispor a IURD. [Read more…]

Censura Atira Semanário Angolense para a Fogueira

Por Maka Angola

A Media Investe retirou da gráfica, na manhã de hoje, a edição de 27 de Outubro do Semanário Angolense, por incluir, uma versão quase integral do discurso do presidente da UNITA, Isaías Samakuva, sobre o estado da Nação.

Segundo apurou o Maka Angola junto da redação, a empresa proprietária, controlada por altas figuras dos Serviços de Segurança e Informação do Estado (SINSE), retirou os exemplares impressos do jornal para serem queimados. Maka Angola obteve uma cópia digital do jornal censurado, cujas páginas 8, 9 e 10 reproduzem, com tratamento gráfico, o discurso de Samakuva, de 23 de Outubro.

O discurso do líder do maior partido da oposição Samakuva foi uma réplica à recusa do Presidente José Eduardo dos Santos em proferir o discurso sobre o Estado da Nação, na abertura da terceira legislatura, conforme exigência constitucional.

José Eduardo dos Santos mandou distribuir aos deputados, como alternativa, cópias do seu discurso de tomada de posse, feito a 26 de Setembro passado. A oposição criticou o acto como inconstitucional, enquanto vários sectores da sociedade interpretaram o gesto do Presidente como uma atitude de arrogância e um acto de desrespeito ao próprio cargo que ocupa, aos deputados e à Nação.

Para melhor informação dos leitores, Maka Angola dissemina a edição censurada do Semanário Angolense e o discurso integral de Isaías Samakuva.

Publicação original.