Os bufos: a propósito de Ana Caroline Campagnolo

No dia em que Bolsonaro foi eleito Presidente do Brasil, a deputada estadual Ana Caroline Campagnolo publicou a abjecção que se pode ver mais acima e que está ao nível dos delatores da Inquisição ou dos “bufos” da PIDE: o medo, a delação anónima que pode nascer de motivações pessoais, a imoralidade (mesmo que legal) de filmar às escondidas, enfim, um conjunto de circunstâncias que não podem fazer parte de uma democracia civilizada. [Read more…]

Censura na UE chumbada, novamente

Boas notícias para os europeus e para todos os utilizadores da Internet, no geral. A polémica proposta da máquina de censura europeia e de taxamento dos links foi chumbada.

[Read more…]

Tempo de agir novamente – salvar a Internet

(clicar para aumentar)

Links da imagem (infelizmente, não há versões em português):

Cada um que faça o seu papel. Depois não se queixem do que perderam.

Entretanto os novos inquisidores ganharam a primeira batalha, mas a guerra ainda não terminou

A Comissão dos Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu votou favoravelmente a censura dos tempos modernos, entre outros absurdos.

There was heavy resistance to the contested articles from internet activists, lobbyists, and members of European Parliament (MEPs), but all was for nought and the articles passed with a 13:12 and 15:10 majority.

Parabéns aos novos inquisidores, que têm nomes e que serão explicitados em breve. Para o ano que vem haverá eleições europeias.

The Copyright Reform and its impact on our internet is an important issue, so hopefully it will be brought before the representatives of all European citizens.

What you can do to make that happen is to contact your MEP and make your voice heard. You can find a full list of MEPs here and tips on grabbing your MEP’s attention here and here.

As citações são de um artigo da TNW.

António Marinho e Pinto já decidiu e vai votar a favor da censura!

António Marinho e Pinto já decidiu e vai mesmo votar a favor. O ex-bastonário da Ordem dos Advogados não se lembrava, quando falámos com ele por telefone na sexta-feira, que esta semana iria ter a votação da nova diretiva e admitiu que não viu nenhuma das cartas abertas que têm sido divulgadas. Apesar disso não tem dúvidas em como vai votar: “vou aprovar a nova diretiva, claro!”
“Não estão em causa direitos relevantes dos utilizadores. Esta é uma diretiva para cortar os abusos das grandes empresas americanas (e outras) que ganham milhões à custa dos autores e jornais europeus”, explicou ao DN Marinho e Pinto. [Dinheiro Vivo, 19/06/2018]

Repare-se na preciosidade: o eurodeputado assume que não leu o que pessoas chave do processo de construção da Internet disseram sobre o assunto (ver nomes no post anterior). Mais, ao declarar que é uma directiva para “cortar os abusos das grandes empresas americanas (e outras)” percebe-se que nem sequer sabe o que é que vai votar, já que a UE pretende instaurar um processo de censura automática. Contrariamente ao que afirma Marinho e Pinto, estão em causa direitos, não só “relevantes” mas também fundamentais, dos utilizadores.

Informe-se melhor, senhor deputado, e repense o seu sentido de voto.
[Read more…]

Make it right, Joe

Joe Right, professor numa próspera, embora pequena, cidade do Sul dos EUA, dirigiu-se à sua escola onde iniciaria mais um feliz dia de trabalho. Estava uma manhã quente, pelo que Joe estacionou o seu carro – um híbrido, claro, era preciso dar o exemplo – junto à pastelaria que havia ali, frente à entrada da escola. Saiu do carro, resistiu a acender um cigarro – estavam por lá alunos e alunas e o exemplo,não é…- e entrou. Pediu uma Coca Cola – diet, claro, o exemplo…- que acompanhou com umas bolacha sem glutém, sem açúcar, sem lactose – o exemplo…-, cujo gosto, suspeitava Joe, não seria muito melhor que o do cartão em que vinham embaladas.
Dirigiu-se à sua sala de aula. Os alunos e alunas – nunca esquecer de enumerar os dois géneros, pelo menos, lembrou, de si para si, Joe – enchiam a sala. Joe gostava deles e da sua profissão. Ultimamente sentia, porém, algum embaraço. Tinha-se preparado para abordar algumas obras literárias de que gostava, mas parece que, agora, não seriam admitidas por conterem elementos politicamente incorrectos. [Read more…]

No news is fake news

O autor das Fake News é o mesmo das No News. Quem mente, mais facilmente oculta. E mais facilmente ainda se queixa de quem mente e oculta. Vemos respeitáveis órgãos de comunicação social exibir escândalo por causa das notícias falsas dos malvados que vivem dos likes. O mesmo escândalo que escolhem calar quando a sua fala compromete o seu sustento.

Não há notícias falsas pelo singelo motivo de não as haver verdadeiras.

Livros censurados que não indignam os paladinos da neoliberdade

via DN

Alguém viu por aí os omnipresentes spin masters da direita alternativa portuguesa? É que já passaram três dias desde que Donald Trump decidiu mexer os cordelinhos para censurar um livro e por cá nem um pio dos paladinos da neoliberdade. Cá para mim estão é a adorar ver o milionário-presidente atiçar os advogados contra Michael Wolff, enquanto o presidente-milionário usa a sua posição para impedir a venda do livro. E haverá coisa mais bela que um predador capitalista que se transforma no presidente da superpotência global, que vê o mundo com os mesmos óculos que o pior de Wall Street e da banca sem princípios e que cospe nos direitos humanos e nas liberdades fundamentais com a arrogância de quem se acha um Deus na Terra? Já dizia o bom velho Passos que nunca tinha embarcado na ideia de que Trump era tão mau que tinha de sair derrotado. É natural que os seus súbditos não se indignem com as blasfémia.

A censura e outros totalitarismos da Geringonça inquisitória

Vivem-se dias de terror nesta pátria totalitária à beira-mar plantada. O advento da Geringonça trouxe consigo muitas maleitas, que fariam a Santa Inquisição corar de vergonha, e já ninguém está seguro. A censura é apenas uma das muitas faces do terror da impune revolução socialista. Ou estás com os estalinistas, ou serás perseguido e ferozmente punido.

Enquanto escrevo estas linhas, a imprensa livre no exílio reporta a prisão de inúmeros jornalistas e cronistas portugueses, havendo relatos que nos chegam desde a reactivada prisão de Caxias, onde grandes heróis da democracia contemporânea como José Manuel Fernandes, Camilo Lourenço, Rui Ramos, José António Saraiva ou David Dinis são sujeitos às mais bárbaras práticas de tortura. [Read more…]

Igualdade de género e censura

Na Constituição da República Portuguesa, a palavra “mulher” aparece cinco vezes, duas das quais em Artigos a ela especialmente dedicados. A primeira é no Artigo 59º, onde está escrito que incumbe ao Estado assegurar as condições de trabalho, retribuição e repouso a que os trabalhadores têm direito, nomeadamente “A especial protecção do trabalho das mulheres durante a gravidez e após o parto”. A segunda é no Artigo 68º, o qual estabelece que  “As mulheres têm direito a especial protecção durante a gravidez e após o parto, tendo as mulheres trabalhadoras ainda direito a dispensa do trabalho por período adequado, sem perda da retribuição ou de quaisquer regalias”. A palavra “homem” aparece duas vezes, nenhuma das quais referindo questões específicas do género masculino. A palavra “cidadão” aparece oitenta e nove vezes. Até nisto a Constituição está bem feita. Ela “sabe” que todos os cidadãos, independentemente do seu género, são iguais ante a Lei, mas que as mulheres devem ser alvo de uma atenção especial, por via de uma natureza também especial que as define e as distingue dos homens: gestam, dão à luz e são mães.

[Read more…]

Aeroporto Humberto Delgado

Embora, em tempo de três efes, tanto a ANA, como praticamente toda a comunicação social, se recusem a escrever o seu Nome, aquele aeroporto que fica em Lisboa chama-se Aeroporto Humberto Delgado. General Humberto Delgado.

Legendas

A legendagem de filmes – primeiro – e das emissões televisivas – depois- foi uma das raríssimas heranças positivas dos tempos “da outra senhora”. Não que a ditadura tivesse preocupações com a integridade da criação artística, como acontece hoje connosco. Longe disso. A verdade é que a legendagem funcionava – independentemente da sua qualidade – como uma última barreira de censura.

A primeira era a proibição pura e simples, a segunda os cortes – por vezes brutais – e, finalmente, a legendagem. A dois níveis: um primeiro, a adulteração das falas, um segundo decorrente da simples dificuldade, ou impossibilidade, da sua leitura dada a baixíssima literacia da maioria da população. As coisas melhoraram muito depois da queda da ditadura e chegaram a elevados níveis na qualidade de tradução. [Read more…]

Braga, o Medo e o Respeitinho

2017_braga_defesa_rua_25_Abril_debate_12
A AUTO-CENSURA é mais tenebrosa que o MEDO?*
(o tema é mesmo supermercados)

Um grupo de cidadãos reúne-se em Braga (“a terceira cidade de Portugal“) para discutir a implementação em curso de (mais) um supermercado numa zona consolidada da cidade.
A dar eco deste debate sobre urbanismo e qualidade de vida na cidade está presente a Rádio Universitária do Minhowww.rum.pt

Na cidade, publicam-se os dois únicos jornais diários de todo o Minho, o Diário do Minho – de assumida inspiração católica, – e o Correio do Minho – assumidamente inspirado por quem quer que queira pagar.
Na terceira cidade de Portugal, nenhum dos dois jornais diários aqui publicados optou por dedicar um único parágrafo a um debate sobre urbanismo (mau urbanismo, na minha opinião).
Será porque a autarquia, convidada, declinou o convite para se fazer representar?
[Read more…]

Erro crasso e perigoso

Jaime Nogueira Pinto terá sido impedido de dar conferência na Universidade Nova de Lisboa.

Fotografia PÚBLICO

Ein Volk, ein Reich, ein Führer!

Republican presidential candidate, businessman Donald Trump speaks during the Fox Business Network Republican presidential debate at the North Charleston Coliseum, Thursday, Jan. 14, 2016, in North Charleston, S.C. (AP Photo/Chuck Burton)

E o impensável expectável aconteceu: na conferência de imprensa de ontem na Casa Branca, alguns órgãos de comunicação social, entre eles a CNN, a BBC ou o The New York Times, foram impedidos de assistir ao briefing diário do porta-voz da Casa Branca. Claro Sean Spicer não ficou a falar para o boneco, e a imprensa amiga, como a Fox ou o site de extrema-direita Breitbart News (ia linkar o site mas não consegui, é nojento demais), onde fez carreira Steve Bannon, o Goebbels do admirável regime novo de Donald Trump, foram devidamente autorizados a assistir à dose diária de factos alternativos produzidos pelo Ministério da Verdade norte-americano. [Read more…]

Fake News

A expressão Fake News – Notícias Falsas – é uma redundância, pois toda a notícia é falsa à sua maneira.

img_5302

Beleza americana

image

O Facebook bloqueia quem publicar fotos de mamocas, mas não tem problemas com mensagens racistas ou de ódio.

A última onda por cá consiste em publicar uma foto de Mário Soares na praia com uma jovem em topless e ser-se bloqueado pelo Facebook. A ironia tem destas coisas e o falso moralismo americano, mais a sua visão totalitária do mundo, também.

Uma boa oportunidade para ver ou rever o filme Beleza Americana.

Em defesa da democracia

Na sua forma actual de partido, o PS foi fundado em 1973, através da transformação da Acção Socialista Portuguesa, que havia sido criada em 1964. Nasceu e cresceu na luta contra o fascismo e pela instauração da democracia. A sua história identifica-se com a resistência à ditadura e a construção de uma democracia pluralista e socialmente avançada. Para o PS, a liberdade foi sempre o elemento essencial do combate por uma sociedade mais solidária, justa e fraterna, mais igualitária e coesa; e o pluralismo das ideias e das opiniões foi sempre a marca característica, não só do seu funcionamento e da sua acção como partido, como também do projecto que concebe para a organização política e social de Portugal e da União Europeia.

in Declaração de Princípios do Partido Socialista

thumbs-web-sapo-io-2

[Read more…]

Tiques totalitários que não incomodam as pessoas de bem

pl

Enquanto o ministério da propaganda insiste na estratégia de colocar a extrema-direita violenta e racista no mesmo saco que o Syriza ou que o acordo parlamentar português, a realidade insiste em recordar-nos, a cada momento, o quão imbecil são a comparação e os sujeitos mesquinhos que a procuram transformar em verdade absoluta.

Corrijam-me se estiver errado, mas não tenho recordação de Tsipras ou Costa manifestarem interesse em legislar no sentido de controlar e manipular a imprensa nos seus países. Em sentido contrário, o regime polaco de extrema-direita, por cá amaciado como sendo “ultraconservador”, promulgou uma lei que permite hoje ao governo controlar a imprensa pública, apesar da condenação estéril da União Europeia, que não se ensaia muito para detonar as economias do sul mas que revela sempre alguma dificuldade em contrariar os ímpetos totalitários da extrema-direita europeia. [Read more…]

Candidato à sucessão de Pedro Passos Coelho censurado pelo jornal I

jcd

Aquele que é por muitos considerado o futuro da direita portuguesa, o melhor colocado para suceder a Passos Coelho e, posteriormente, a António Costa, foi alvo de um procedimento censório que culminou com o fim da relação profissional que mantinha com o jornal I. Segundo podemos ler na sua página oficial no Facebook, o Dr. Jovem Conservador de Direita acusa o jornal de não ter publicado o seu artigo semanal, uma carta aberta dirigida ao Arquitecto José António Saraiva, sem qualquer tipo de notificação. E a verdade é que, ao contrário daquilo que vinha sendo habitual, o artigo foi efectivamente excluído da edição em causa. Resta saber quem se esconde por trás do arbusto, tentando minar a impenetrável credibilidade da maior lufada de ar fresco que a direita viveu desde os tempos da chegada de Duarte Marques ao hemiciclo. A minha total solidariedade para com o esse grande vulto da política nacional que é o Dr. Jovem Conservador de Direita. Que triunfe sobre os esquerdalhos!

Fotomontagem@Facebook Dr. Jovem Conservador de Direita

Era Lisboa e ríamos

New Portuguese Letters to the World
Imagem: Google books

A notícia da morte de Isabel Barreno e a evocação mediática do escândalo armado no regime anterior, que ficou conhecido como o caso das Três Marias, levou-me a olhar para trás uns largos anos. 

O livro, assinado por Isabel Barreno, Maria Velho da Costa e Maria Teresa Horta, foi acusado de pornografia pelos censores oficiais quando, muito simplesmente, se tratava de dar relevo, artístico e literário, às cartas da freira Mariana Alcoforado que, num convento de Beja, se enamorou dum oficial francês, amigo e companheiro de armas de seu irmão. Como de costume, a coisa meteu interrogatórios policiais, tribunais e uma razoável tribuna de acusações por parte de todos os correios da manhã de que o governo fazia gato-sapato. O assunto, porque a lentidão está no ADN da justiça portuguesa, só viria a ser concluído por uma absolvição depois de 1974. [Read more…]

Censura no Facebook de Marco António Costa

Comentário apagado da página de Marco António Costa

Comentário apagado da página de Marco António Costa

Por duas vezes deixei um comentário num post de Marco António Costa e por duas vezes ele o apagou. A imagem acima é uma cópia desse comentário, quando colocado pela segunda vez. O post em causa é este: [Read more…]

O Lápis Azul da SIC Notícias

A SIC Notícias recebeu o novo Chefe de Estado truncando o seu discurso inaugural, manipulando, através de um truque de montagem desonesto e lamentável, a mensagem dirigida ao Presidente cessante.
Uma vergonha para o jornalismo e um insulto aos portugueses e ao seu novo Presidente.
De facto, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa dirigiu-se ao seu antecessor em termos muito claros e significativos, designadamente no que respeita ao entendimento muito próprio que este teve sobre o “interesse nacional”.
O discurso de tomada de posse é esclarecedor ao afirmar a subjectividade óptica do conceito de “interesse nacional” adoptado por Cavaco Silva:

[Read more…]

Marcelo não é Charlie

MRS

pelo menos não era em 1996:

Vejo com preocupação que num canal com serviço público se encontrem mensagens que podem ser consideradas ofensivas de valores partilhados pela maioria dos portugueses e ofensivas de instituições particularmente relevantes como a Igreja Católica.

E que mensagens eram essas? Nada mais nada menos que um sketch humorístico, igual a tantos outros. Seguramente bem menos ofensivo para os católicos do que os cartoons do Charlie Hebdo para os muçulmanos. Por falar em Charlie Hebdo, vejamos o que tem Marcelo, guardião dos valores e defensor da honra católica portuguesa, a dizer sobre o assunto, quase 20 anos depois: [Read more…]

É fácil bloquear um site em Portugal

É demasiado fácil bloquear um site em Portugal!

carbongames

Para conveniência dos interessados o processo pode ser totalmente oculto do público, não há supervisão de nenhuma entidade judicial (eu diria que não há supervisão). Basta pertencer à sociedade privada certa.
[Read more…]

O lápis azul de Angola – há 16 anos era assim

Textos, textos e mais textos. Basicamente a minha vida tem mais textos do que dias. Hoje, ao arrumar uma série de ficheiros, encontrei um texto que escrevi há quase 16 anos. Em Junho de 2000, mais precisamente. Por tudo o que se passa hoje, 16 anos depois que aparentemente não passaram, decidi publicar aqui o texto.
A 11 de Novembro de 1975 nascia a maior esperança africana – a República Popular de Angola. Agostinho Neto proclamava a independência e punha fim aos anos do colonialismo repressivo português. Vinte e cinco anos depois, assiste-se em Angola à morte da dignidade e da liberdade de um povo.

[Read more…]

A Polónia restringe a liberdade de imprensa

A nova lei da comunicação social polaca prevê ao seu Ministro das Finanças demitir quem quiser e nomear quem quiser para a direcção dos órgãos de comunicação estatal, numa medida sem precedentes no país. Assim sendo, o Ministro Polaco das Finanças (espanto; porquê o Ministro das Finanças) poderá desfazer a vida a quem, ouse dentro dos órgãos de comunicação social do Estado, criticar as medidas do seu governo, assegurando-se que, daqui em diante, todos os jornalistas que trabalhem no sector público polaco, se coadunem com as instruções informativas que forem ministradas pelo executivo polaco sob o risco de virem a ser saneados. O controlo da imprensa é e sempre foi um pequeno passo que os governantes trilharam para exercer o tão ambicioso controlo social através da manipulação da informação. A lei aprovada na Polónia tem efectivamente esse pretensioso objectivo.

[Read more…]

TVI24 censura ‘Fotografia Total’

fotografia-total-tvi
Luiz Carvalho

O FOTOGRAFIA TOTAL foi hoje alvo de uma decisão censória por parte da Direcção de Informação da TVI24, ao não ter transmitido o último programa, um Best Of que encerraria um ciclo de quase 4 anos e 185 programas.
Já não era a primeira vez que a censura da direção de informação se tinha manifestado, quando mostrei umas fotos com 30 anos de Marcelo em campanha. Depois de retirado o programa, passaram no mesmo espaço uma…entrevista ao Marcelo !!!
O último Fotografia Total destacava grandes momentos com personalidades grandes da cultura portuguesa, e não só, e eu referia a importância deste programa num canal de cabo.
Só não percebe um estarola que não sabe nada de televisão, um pateta a falar no écran, e durante anos viveu a olhar navios de um gabinete julgando agora que inventou a roda da TV.
Não tenho pena de deixar um canal que mancha a credibilidade de quem lá aparece e que além de ter ajudado a afundar um banco já afundou a credibilidade da estação de Queluz de Baixo.
Até breve. Viva o Fotografia Total.

Liberdade de informação: ainda o caso Cofina

processo_dsk

(c) Shannon Stapleton/Reuters
Julho de 2011. Empregadas de hotelaria em manifestação junto ao Palácio de Justiça de Nova Iorque

Sim, “as trevas do fascismo” (designadamente o autoritarismo e a censura) pesam ainda na natureza profunda de um povo habituado a comer e a calar o que lhe estende uma elite que a democracia não conseguiu transformar em capazes representantes desse povo, antes tendo-se regenerado através dos serviços que tem prestado a todos menos a esse povo. Passados mais de 40 anos, as marcas desse tempo demasiado ainda estão presentes nos lugares mentais de todos: dos que detêm o poder, com a naturalidade perpétua de ser assim, numa sociedade fortemente desigual (herdeira de um feudalismo que prossegue determinando composições sociais que negam a mobilidade social que a democracia justamente favorece), e dos que o sofrem, pois o poder exerce-se quase sempre contra o Outro, mesmo quando se diz dele que é representativo. Trata-se de um padrão humano, que em Portugal toma a forma de característica constitutiva.

Vêm estas considerações histórico-político-filosóficas ainda a propósito do caso Correio da Manhã (CM) e da proibição decretada por um tribunal de toda e qualquer publicação relativa ao caso Sócrates no conjunto de títulos detidos pelo grupo Cofina. Considerada excessiva – entre outros por mim própria neste texto –, a medida censória choca pela aparente desproporção da sua abrangência. [Read more…]

Afinal havia outro (precedente grave)

Uma providência cautelar de um jornalista do Correio da Manhã contra O Independente (2004).
Daqui.