PS limpa o rabo ao governo

Como todos nos lembramos PS, PSD e CDS aprovaram o pacto Merkozy, aquele tratado completamente idiota que tenta fazer lei a ideologia do Keynes nunca existiu e a depressão dos anos 30 foi resolvida porque sim.

Agora que não existe Merkozy (e convém lembrar que nem a Alemanha aprovou tal excremento, que lhe falta maioria para tal), os meninos obedientes, servis, venerandos e bate-me mais que o meu povo gosta iam aparecer em Bruxelas, envergonhados, como os únicos assinantes da poia (a Grécia não conta, que nem governo tem).

Sempre oportuno o PS* apresentou uma adenda, hoje em aprovação para lamentar. O governo agradece, sempre disfarçam o tolice, não deixando de fazer triste figura lá fora. Dizem que são uma espécie de europeístas, a espécie colonizada, convenhamos

* ouvi o Zorrinho a proclamar que o tratado era recomendado pelos melhores economistas. Para quem perceba um mínimo de História Económica só há duas hipóteses: ou está a subscrever a candidatura de João Duque e Vítor Gaspar ao Nobel (e ainda ganham) ou quando for grande vai ser um rolo de papel higiénico, pensando melhor, a hipótese é só uma.

PSD e CDS perdem as eleições em França

A derrota de Sarkozy não é suficiente para acreditar que a Europa se vai transformar num bloco solidário, deixando de ser uma multidão que marcha ao ritmo dos tambores alemães, tenha ou não pernas para isso. Hollande oferece-me tanta confiança como António José Seguro e, portanto, ficarei à espera de saber que promessas irá deixar de cumprir e se se irá desculpar com os erros do antecessor ou com as combinações prévias com o vizinho germânico.

Uma coisa é, para mim, iniludível: mesmo tendo escolhido Hollande como mal menor, houve uma multidão de franceses a votar contra a austeridade cega, contra a macroeconomia distante, ou seja, contra as políticas seguidas pelo governo português.

O meu umbigo é melhor do que o teu

Celebrada por alguns, tomada como uma vitória sobre a poderosa Alemanha de Merkel, a mal sucedida cartada inglesa na cimeira de líderes europeus nada tem de europeísta, de defesa dos direitos dos europeus, ou de contributo para a ultrapassagem do impasse político com que a europa se debate. É apenas mais do mesmo e insistência no poderio desregulamentado dos mercados.

Cameron nada acrescentou (nem sequer tentou), excepto nacionalismo, liberalismo e autismo a uma conjuntura que sofre precisamente do excesso desses males. Louvá-lo é apostar no desmembramento da europa e na predominância dos mercados sobre os interesses dos povos e dos estados. Persistir nos erros que conduziram a este túnel cada vez mais apertado é estúpido e, na prática, não passa da outra face da moeda Merkozy. Não há nada a festejar quando as coisas são como estão.

No boys for the job

Contaram-me que, há dias, na televisão, um engenheiro comentava que não era possível a alguém com a sua profissão enganar-se a planear e executar uma ponte, ao contrário dos economistas que falham constantemente previsões e execuções. Quem diz economistas, diz, é claro, ministros, chanceleres ou presidentes.

Gostaria de cumprimentar daqui esse engenheiro desconhecido, por pôr em palavras melhores que as minhas aquilo que penso.

Efectivamente, se fizermos a história das previsões económicas feitas por especialistas, sobretudo nos últimos dois a três anos, encontramos uma quantidade assustadora de tiros falhados, como a sucessão de PECs da marca “agora é que vai ser o último” ou as garantias de que não haveria necessidade de cortes posteriormente inevitáveis ou a nomeação de governos europeus que iam acalmar os mercados e ainda causaram mais nervosismo, culminando nesta palhaçada de Bruxelas, em que se reuniu uma multidão de fantoches manipulados por um duende de saltos altos e por uma boneca insuflável com a sensibilidade de um SS.

Voltando à metáfora da construção civil, pergunto: os amáveis leitores mandariam construir uma casa a um empreiteiro célebre pelas derrocadas que já tivesse provocado? Vão pensando nisso, que 2015 chega num instante, com ou sem euro.