A Lenda Negra

Não estamos esquecidos que uma das justificações dadas para a necessidade de um profundo ajustamento na economia e na sociedade portuguesas, ajustamento esse materializado num programa brutal de austeridade, que, em certa medida, ainda prossegue, foi a circunstância de Portugal, e o seu povo em particular, ter, ao longo de muito anos, vivido acima das suas possibilidades. [Read more…]

O ouro e o bandido

Por que motivo estará cerca de metade das reservas de ouro do Banco de Portugal depositada em Inglaterra, um país que não pertence à zona Euro e diz estar de saída da União Europeia?

Ópio

vlcsnap-66119

No século XIX, os Ingleses recorreram a uma arma terrível para consolidarem o seu poder e a sua hegemonia comercial na Ásia: a droga.

A China faz há milénios uso das plantas pelas suas características medicinais e são inúmeros os tratados sobre a Fitoterapia, o principal dos quais, o Shen Nong Ben Cao Jing (Clássico de Agricultura e Materia Medica) foi compilado durante o período da Dinastia Han do Este (25 d.C.-220 d.C.). Os autores desses tratados fazem normalmente a inventariação das plantas, atribuindo-lhes nome, modos de preparação, propriedades curativas e abordam também as suas contra-indicações, os modos de conservação e substituições possíveis.
O Ópio é conhecido na China desde a época da Dinastia Tang (618-907) e é usado, principalmente, para fins medicinais. É efectuada a sua extracção do bulbo da Papoila, onde se encontra o sumo da planta contendo numerosos alcalóides.

[Read more…]

Antigos muros franco-britânicos, pré-Calais

hedge-maze_2124522i

Longleat house, em Wiltshire

Crónicas do Rochedo VII – Europa

12465828_1648041548790859_7850511084316870101_o

Chovem pedras na vidraria

Estava aqui a olhar para esta vista e a pensar que ando a falhar ao treinos do Aventar. E a distância não é desculpa bastante. Entretanto um aventador casou e resmas de outros fizeram anos. E por estes dias o mundo, pelo menos aquele que nos é mais próximo, mudou e muito.

Em terras de Sua Majestade o povo falou. Escolheu seguir outro caminho. Tenho lido e ouvido muitas opiniões sobre este referendo. Que votaram sem saber bem o quê (tenho que tal até pode ser verdade no caso de uma pequena maioria mas não façam do povo estúpido), que a culpa é de Bruxelas e dos seus burocratas (lá ajudar, ajudou), e eu sei lá que mais culpados e razões encontraram. Uma coisa tenho como certa: independentemente do resultado, aplaudo o facto de terem feito um referendo. Assim ninguém vai ao engano.

O resultado só veio confirmar a enorme, gigantesca crise europeia. E não estou a falar de economia. Estou a falar de valores, de civilização. Em praticamente todos os países europeus cresce o extremismo. Tanto o de direita como o de esquerda. Fico espantado ao ver que até em Inglaterra se verifica uma clivagem perigosa entre gerações. Os mais novos dizem que foram os mais velhos que escolheram o caminho da saída. Os mais velhos afirmam que o problema é o desconhecimento e a falta de experiência dos mais novos. Vi, li e ouvi discursos inflamados de uns e outros, o mesmo género de palavreado que ouvi em Portugal sobre as reformas e a crise, a dívida e o futuro para as novas gerações. Cá como lá, uma divisão geracional destrutiva e estúpida. Estamos a assistir a um espectáculo dantesco: chovem pedras entre telhados de vidro.

[Read more…]

Brexit

wp-1466755739198.jpg
A direita e  a extrema-direita podem voltar a acreditar.

Um quarto com vista

england_station_road_

Uma religião chamada Inglaterra

How_to_Steal_an_Election_-_Gerrymandering.svg

Experimentem pisar a vaca a um hindu, desenhar Maomé em frente de um crente, ou dissecar o sistema eleitoral britânico estando ao alcance das direitas: a reacção será a mesma.

Compreende-se, porque a suposta superioridade da democracia inglesa quando tropeça lhes estraga todo um enredo, o da superioridade de um país que continua a colonizar outros, onde o princípio elementar de que todos os homens nascem livres e iguais ainda esbarra na persistência da nobreza, a pátria dos tablóides e de Alan Turing,

Vamos a factos: o sistema pode ser antigo, e foi muito avançado em seu tempo. Não o é hoje, porque invoca a criação de maiorias em detrimento da representatividade, fazendo do parlamento uma anedota (e vá lá, a Câmara dos Lordes, esse supremo exemplo da autoridade aristocrática, já não é o que foi). E porque há sondagens, que condicionam a votação.

Vamos a evidências: a contagem de votos na Venezuela é supervisionada por observadores internacionais: [Read more…]

Não bate a bota com a perdigota… ou o sistema eleitoral britânico em todo o seu esplendor

Jorge Martins

Se dúvidas houvesse sobre as injustiças do sistema eleitoral utilizado no Reino Unido, elas dissipar-se-iam com a análise dos resultados das eleições da passada quinta-feira.
Desde sempre que os deputados ao parlamento de Westminster são eleitos em círculos uninominais numa única volta. Este sistema maioritário é vulgarmente conhecido por “first past the post”, em alusão às corridas dos cavalos, onde só interessa o vencedor, ou seja, o primeiro a passar o poste da meta. O segundo é o primeiro dos últimos, qualquer que seja a distância a que ficou do primeiro. Logo, apesar de a hipótese ser absurda, é teoricamente possível um partido ser o mais votado a nível nacional e não eleger ninguém, bastando, para isso, ser segundo em todos os círculos. Em contrapartida, outra força política pode eleger um representante ganhando um círculo e tendo zero votos em todos os outros.
Na prática, este sistema favorece os maiores partidos, em especial se tiverem grande implantação numa parte do território. Os partidos de média dimensão, com o eleitorado disperso pelo país ou região, são os mais prejudicados. Por isso, tende a favorecer o bipartidarismo. Porém, pode haver exceções: pequenos partidos com o eleitorado concentrado numa parte do território (como os partidos regionalistas/independentistas ou étnicos) podem eleger um número significativo de representantes. É o que sucede no Canadá, com os independentistas quebequenses do PQ ou, na Índia, onde uma enorme série de pequenos partidos regionais obtém representação parlamentar.
No caso concreto do Reino Unido, onde são eleitos 650 deputados, uma simples apresentação dos resultados e da sua evolução face às eleições de 2010 fala por si. Vejamos: [Read more…]

Uma farsa eleitoral

Screenshot

Mais uma vez se demonstra a natureza anti-democrática da Venezuela. O herdeiro de Chavez obteve maioria absoluta nas eleições para o “parlamento” com apenas 37% dos votos. Partidos da oposição com 12,6% conseguiram eleger apenas um deputado, enquanto outro, com 4,8% ficou com 56 e um outro, agora afastado do governo, se ficou pelos 8 com 7,8%.

De referir, igualmente, a muito peculiar forma de identificar os eleitores, sem a obrigatoriedade de mostrar um documento com fotografia, ou o facto de o voto se exercer com um lápis, em plena campanha e a um dia de semana, algo que só poderia ocorrer na América Latina.

De imediato o vencedor reuniu com a monarca da Coreia do Norte, que obteve o cargo por herança depois de um familiar ter sido afastado da sucessão, num país onde continua em vigor uma lei que proíbe a propaganda republicana.

Ou isto dito de outro modo: [Read more…]

O plano para matar a Nessie

A imprensa inglesa noticia hoje que o Museu de História Natural, em Londres, concebeu um plano monstruoso para capturar e assassinar o impropriamente chamado “Monstro” do Lago Ness, essa esquiva e pacífica criatura chamada Nessie, e que o caro aventador Francisco Miguel Valada em tempos me elucidou que é tido, pelos locais, como sendo uma menina.

O perverso director do Museu à data (estávamos nos primeiros anos da década de 1930) contratou “caçadores de cabeças” que teriam como missão rumar à Escócia, assassinar a Nessie e enviar a sua carcaça para que fosse exibida em Londres. Caso não conseguissem cumprir a missão com êxito absoluto, deveriam pelo menos enviar uma barbatana, um maxilar, um dente, qualquer troféu arrancado ao corpo da pobre criatura. [Read more…]

Talvez este vídeo ajude a explicar quem era Eusébio

Inglaudade

born-equal-bib

Um dia todos os ingleses nascerão como iguais; depois desigualizem-se, esse é outro assunto.

Só levam 200 anos de atraso quanto ao continente mais próximo. Há pior.

Continuem a dizer mal do futebol português

Nas últimas 3 eliminatórias da competição em que está envolvido, o Benfica despachou sucessivamente equipas da Alemanha, da França e da Inglaterra. 3 das potências económicas da Europa. E sempre sem grandes problemas no que toca à demonstração de superioridade.
Para todos aqueles que continuam a dizer mal do futebol português, gostava que me dissessem em que sector da economia é que uma empresa portuguesa consegue suplantar de forma tão clara empresas suas congéneres da Alemanha, da França e da Inglaterra. Não há muitos exemplos, pois não?

Consequências dos cortes na saúde

Aí está o exemplo britânico, com 1200 mortes que podiam ter sido evitadas (em inglês).

Eduardo Lourenço, Vasco Pulido Valente e eu

    
Não é todos os dias que temos no PÚBLICO a opinião de Eduardo Lourenço, vulto da cultura portuguesa, intelectual de primeira, filósofo respeitado. Mas do seu texto «Da não-Europa» (sobre o futuro da UE), publicado no passado dia 24 e redigido em Vence (França), onde vive a maior parte do tempo, eu percebi muito pouco, quase nada. Ficou-me apenas a ideia de que a Inglaterra tem, para além de outros adjectivos, o de ser “uma super-nação”.
Fiquei desiludida por não conseguir acompanhar o seu racionício. Falou-me numa outra «língua» a que não tenho acesso pela minha humilde formação.
Que pena, pensei. Que ignorante me fiz. Um desperdício: Eduardo Lourenço escreveu no PÚBLICO e eu não aproveitei : “Frankenstein histórico que é hoje a União Europeia “; “nada que se pareça com o sonho para ela “demoníaco” de Jean Monet verá a luz do dia”; “E estaríamos agora a viver — quem sabe — uma  pax britannica numa Europa predestinada desde os tempos de César aos divinos filhos de Albion… “; “uma Europa onde não triunfem apenas instâncias obscuras sem outra ideologia que a da gestão do “ouro do Reno” wagneriano, convertido em deus do coração humano”; etc. Lindo, mas não percebo nada!! [Read more…]

História de uma catástrofe inglesa

A Inglaterra também quis pagar a dívida.

O patriota

Excerto de «O Patriota», que conta a história da Revolução Americana. Mel Gibson no papel principal.


 

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 7 – As transformações do mundo atlântico: Crescimento e rupturas
Unidade 7.2. – O triunfo das Revoluções Liberais

The Crossing

Em 1776, menos de seis meses após a Declaraton da Independência, o Exército Continental, sob o comando do general George Washington, estava à beira da derrota total.

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 7 – As transformações do mundo atlântico: Crescimento e rupturas
Unidade 7.2. – O triunfo das Revoluções Liberais

A saga dos Estados Unidos

Início de um novo tema, a Revolução Americana. Documentário que serve bem como introdução ao tema.

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 7 – As transformações do mundo atlântico: Crescimento e rupturas
Unidade 7.2. – O triunfo das Revoluções Liberais

Revolução Industrial na Inglaterra


Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 7 – As transformações do mundo atlântico: Crescimento e rupturas
Unidade 7.1. – A Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial

Era uma vez… o Homem – A Primavera dos Povos

O título deste episódio é sugestivo. Os primórdios da Revolução Industrial, as aspirações e as mudanças transversais ocorridas em toda a sociedade. A miséria do proletariado, o trabalho infantil, as diferenças sociais.

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 7 – As transformações do mundo atlântico: Crescimento e rupturas
Unidade 7.1. – A Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial

A prioridade inglesa na Revolução Industrial

Um documentário bem explicadinho que aborda a prioridade inglesa na Revolução Industrial, o êxodo rural e o novo modo de produção, que inclui o trabalho infantil. «Por que não dão um salário decente para os adultos e deixam as crianças em paz?»

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 7 – As transformações do mundo atlântico: Crescimento e rupturas
Unidade 7.1. – A Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial

Revolução Industrial

Início de um novo tema, a Revolução Industrial. Documentário oroduzdo por alunos que mostra os aspectos negativos da industrialzação.

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 7 – As transformações do mundo atlântico: Crescimento e rupturas
Unidade 7.1. – A Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial

Revolução Industrial na Inglaterra

Início de um novo tema, a Revolução Industrial. Documentário que serve bem como introdução ao tema.

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 7 – As transformações do mundo atlântico: Crescimento e rupturas
Unidade 7.1. – A Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial

As fotografias do Príncipe Harry nu

O tipo tem piada. Temos que reconhecer que ele dá alma à coisa.

Desta vez, de férias nos States, divertiu-se com os amigos. Ou antes, com as amigas e parece que há por aí fotos de Sua Alteza sem roupa.

Confesso que tenho muitas dúvidas sobre a publicação deste tipo de imagens, do foro privado, por jornais como o Público ou como o Diário de Notícias.

Não me parece que seja pública uma dimensão claramente privada da vida de alguém que é, sem dúvida, uma figura pública. Uma coisa é alguém, intencionalmente, mostrar algo mais do que a sua dimensão pública, como fez a Nicole Kidman. Outra coisa bem diferente é o uso deste tipo de imagens do Harry que se limita a viver a vida.

 

Essa estranha guerra das Malvinas

Uma guerra ainda mais estúpida que todas as outras. De um lado uma ditadura agonizante, do outro o traque final de um império que já não o é, conduzido pela sua pior líder de sempre. De um lado a razão dos que habitam a ilha, do outro a justiça histórica contra uma ocupação ilegítima, tudo somado igual a razão nenhuma.

Talvez por isso ficará para a História como a guerra que o império ganhou no campo de batalha e Maradona derrotou com a mão de deus e o golo do século. Nunca tive, e duvido que venha a ter, tanto prazer a assistir em directo a um jogo de futebol, mesmo que o melhor jogador de todos os tempos venha a perder esse título.

No final, empate técnico, embora infelizmente com mortes numa das batalhas, a carne para canhão do costume.

Mudança de Regime

O João Cardoso, em dia de lua cheia, anda muito entretido com as atrocidades cometidas pela ditadura de Elizabeth II. Ditadura é lá, a senhora não foi a votos e isso é ditadura, claro. Então que seja isso a ditadura. Mas não te esqueças, JJC, no dia que fores botar o voto na urna, do tipo de regime vais estar a eleger. Democraticamente, claro.

Ainda sobre sua majestade

Em Portugal toca-se na Isabel, a senhora que para todos os efeitos é chefe de estado da ilha e seu império há 60 anos e é blasfémia. Desde o séc XIV debaixo da pata britânica, não admira. Quando visitou Salazar foi um corropio no beija-mão.

Então troquemos os Sex Pistols pelos U2. Sim, ditadura (regime no qual um governante se perpetua até que a morte do seu povo o separe), e criminosa, sangue espalhado pelo planeta, 60 anos ungida por nascimento e um tio nazi. Querem mais música? africana, asiática, ou a dos corajosos irlandeses chega?

A Arte de não quererem saber

Depois dos britânicos se terem recusado a tomar parte no acordo que foi elaborado ontem pode-se adivinhar a reacção de toda a Europa. De facto, ingleses pobre e mal agradecidos que nem o euro têm, ai ai que chatice. Pois. Isto é um acordo económico e eles nem o euro têm. Sinceramente, se eu fosse ao David Cameron nem lá tinha posto os pés porque no fundo não é nada com eles. Vamos pensar, agora. Cameron fez isto para consumo interno.Sarkozy não gosta, Passos lamenta-se? Pois, mas basta olhar para as headlines dos jornais ingleses para saber qual a opinião. Aliás enquanto os jornais europeus (veja-se o público que nas primeiras linhas desta notícia) tratam o resultado como se este tivesse sido uma derrota de Cameron, os jornais ingleses tratam isto como uma corajosa tomada de decisão por parte do PM britânico. Ainda não fui à caixa de comentários do Telegraph mas não preciso porque já estou mesmo a imaginar.