Mark Twain e a unificação ortográfica

The report of my death was an exaggeration.

Mark Twain

Era uma vez a ideia de que era necessário unificar as ortografias dos países de língua portuguesa. Dizia-se que ninguém percebia ninguém, que era sempre uma confusão nas reuniões da lusofonia, cada um a escrever em ortografias diferentes.

Inventou-se, então, no pior sentido da palavra, o chamado acordo ortográfico: ia haver edições únicas, textos únicos, palavras iguaizinhas como gotas de água. Depois, foi aquilo que não se viu, até hoje.

Não se viu ortografia: a confusão aumentou, a escrita das consoantes articuladas tornou-se hesitante, equívocos relativamente a clubes que ninguém pára ou clubes para os quais não virá ninguém, editoras que adoptam mais ou menos o acordo ortográfico, articulistas que são relativamente a favor do acordo ortográfico, jornalistas em busca de um “padrão ortográfico”.

Na wikipédia em português (ou em portugueses), há, segundo parece, um confronto ortográfico entre editores dos diferentes países lusófonos “em parte, devido às tentativas mútuas de imposição das diferentes variantes da língua portuguesa.” Mas, então, estes problemas não iriam desaparecer no mundo da escrita em português?

Confirma-se, portanto, que a notícia de que há uma unificação ortográfica é muito exagerada. Note-se: Mark Twain utilizou um eufemismo de ‘mentira’. Nem ele tinha morrido, nem a unificação ortográfica nasceu – as pessoas brincam aos acordos e quem se lixa, com vossa licença, é a ortografia, transformada numa moamba de cozido à portuguesa com cobertura de moqueca de camarão de Moçambique e pudim de abade de Priscos.

Vede a unificação ortográfica e pasmai!

O chamado acordo ortográfico (AO90) foi criado para uniformizar a ortografia lusófona e para acabar com uns alegados desentendimentos gráficos entre falantes intercontinentais da língua lusa e dar início a um universo editorial cheio de edições únicas do Minho a Timor. Escolheu-se o chamado “critério fonético”, o que garantiu, logo à partida, a impossibilidade de criar uma ortografia única. A incúria e a falta de rigor juntaram a essa impossibilidade a possibilidade de, dentro do mesmo país, poder passar a escrever-se “expectativas” e “expetativas”, em nome do estranho critério acima referido.

Os defensores do AO90, diante do caos, dizem que não era bem uniformizar, era só aproximar ainda mais, o que levou a que nascessem diferenças outrora inexistentes, como “receção” e “recepção”. [Read more…]

Escrita portuguesa na vertente brasileira ― não há polémica

[O] projecto de texto de ortografia unificada de língua portuguesa (…) constitui um passo importante para a defesa da unidade essencial da língua portuguesa e para o seu prestígio internacional

Resolução da Assembleia da República n.º 26/91

A exigência de ‘escrita portuguesa na vertente brasileira‘ (repito e saliento, para quem não tiver lido com atenção: escrita) impedirá qualquer candidato a director do CCBM de grafar coisas estranhas como ‘receção’, ‘aceção’, ‘confeção’, ‘interceção’, ‘perceção’, ‘perentório’ ou ‘rutura’. Isto é, um candidato a director do CCBM que tenha a ousadia de grafar, por exemplo, ‘recepção’, ‘acepção’, ‘confecção’, ‘intercepção’, ‘percepção’, ‘peremptório’ ou ‘ruptura’ demonstrará um “desejável conhecimento da escrita portuguesa na vertente brasileira”. Sim: brasileira.

Ou seja, qualquer português que adopte o AO90 encontrar-se-á automaticamente excluído do rol de candidatos a director do CCBM, independentemente das ‘ações’, dos ‘diretores’ e de grafias afins ― incluindo ‘fatos’, ‘contatos’ e ‘seções‘. Bem-vindos ao mundo da “ortografia unificada de língua portuguesa”.

Felizmente, já tudo se resolveu, uma vez que «a Embaixada do Brasil em Maputo declinou pronunciar-se sobre a matéria por entender que “não há polémica no concurso”».

Portanto, não há polémica, está tudo bem. Antes isso.

Olha a uniformização ortográfica fresquinha! (5)

Acepção (Bras.)/Aceção (Port.)

Nota: antes do AO90, escrevia-se da mesma maneira no Brasil e em Portugal. É ou não é uma uniformização ortográfica fresquinha? É, pois!

Acordo ortográfico aumenta as diferenças ortográficas entre Portugal e o Brasil

NAO2cOs criadores e os defensores do chamado acordo ortográfico (AO90) procuram vender, desde o início do processo, a ideia de que o dito AO90 veio trazer ao mundo da lusofonia a uniformização ortográfica, o que permitiria acabar com a angústia da escolha de uma ortografia em instituições internacionais e operaria o milagre das edições únicas de livros nos países aderentes.

Não é, portanto, invulgar, ouvir a frase “Agora, escrevemos todos da mesma maneira.” Ora, isso não é verdade sob nenhum aspecto, o que inclui o sintáctico, o lexical e, surpreendentemente, o ortográfico. Fazendo de conta que os dois primeiros não têm importância, é importante ir repetindo e demonstrando o último: mesmo depois do AO90, Portugal e Brasil não têm a mesma ortografia, o que deveria constituir prova suficiente do falhanço do chamado acordo.

No Público de hoje, surge um texto de Maria Regina Rocha, professora e consultora do Ciberdúvidas, em que são apresentados alguns factos que surpreendem mesmo os que já estavam surpreendidos: a autora, recorrendo ao Vocabulário de Mudança, informa-nos de que, com o AO90, aumentam as diferenças ortográficas entre Portugal e o Brasil. Deixem-me, apenas, realçar: aumentam. [Read more…]

Contra o Acordo Ortográfico: não há uniformização ortográfica

A tese deste texto é a de que o AO90 não produz uniformização ortográfica, e isso, de certo modo, já ficou demonstrado no texto anterior e é reconhecido, aliás, na Nota Explicativa do Acordo Ortográfico, 4.4. (acerca dos casos de dupla grafia). Ora, a verdade é que um dos objectivos do AO90 consistia em criar uma ortografia comum, para que todos os falantes lusófonos pudessem escrever a uma só ortografia.

Em primeiro lugar, é curioso notar que o próprio texto do AO90 contém a demonstração cabal desse falhanço, quando se verifica que são utilizadas duplas grafias como “antropónimos/antropônimos” ou “fónico/fônico”, de modo a respeitar ortografias que continuarão a ser diferentes. Leia-se o seguinte exemplo retirado da Base I:

2.º As letras k, w e y usam-se nos seguintes casos especiais:

a) Em antropónimos/antropônimos [sic] originários de outras línguas e seus derivados: Franklin, frankliniano; Kant, kantismo, Darwin, darwinismo; Wagner, wagneriano; Byron, byroniano; Taylor, taylorista;

  [Read more…]