Lindo de dizer!

Chaga do anti-semitismo deve desaparecer, diz papa.

Também concordo, mas como é que o papa quer que isso aconteça, mantendo-se praticamente silencioso quanto às atrocidades israelitas na Palestina? O papa não vê que a manter-se esta vergonha e este incomensurável escândalo, a chaga se agrava cada vez mais, e cada vez mais contagia mais gente, gente que nunca foi anti-semita?

Comments

  1. Sérgio says:

    Estás completamente enganado. Mas é fácil falar sem estudar. O Papa, e pessoalmente lamento por isso, criticou o Estado israelita e defendeu várias vezes o fim da “ocupação” e do bloqueio a Gaza. Gaza que não é mais que um antro de terrorismo e radicalismo até contra os ocidentais que pagam milhões de euros sem controlar nada, apenas para não serem atacados. Gaza controlada por um partido terrorista que te faria explodir e à tua família se lhe servisse de proveito, ou que mata os prisioneiros que captura e troca por presos “vivos” que estavam em cadeias israelitas. Se soubesses a opinião que eles têm da tua mãe e das tuas irmãs por serem ocidentais, talvez não quisesses ser tão parcial… Sei lá…

  2. Sérgio says:

    Caro Frederico,
    A população “indefesa” de Gaza não se separou desse partido terrorista e por isso votou nele. Não sei porque me pede para separar um do outro se o próprio povo não os afastou. Os palestinianos podem dar a maioria dos seus votos a um partido terrorista mas só o governo israelita é que têm extremistas. Governo que até permite que palestinianos trabalhem em Israel. A propaganda esquerdista é sabiamente hipócrita. Também só faltava aludir a que o Papa pedisse desculpa aos nazis por ter salvo judeus. Há “grandes líderes” que estão isentos de pedir desculpas pois em nome do “progresso” mataram milhões de pessoas, ou melhor dizendo, resolveram um estorvo no glorioso caminho de certos povos. Mas o Papa não está isento nem nunca estará, a medida é outra. E quanto a medidas, sabemos bem que há mais do que uma para certas ideologias totalitárias… nazi e socialista por exemplo.

  3. João Nunes says:

    O problema dos Palestinianos é um problema que eles próprios alimentam. Não vivem sem isso. Não querem paz, alguns querem mas a maioria não. Tem sido sempre assim ao longo de séculos, não é de agora nem de há cinquenta anos. A diferença de de há séculos, é que antigamente só dava porrada, agora dá pouca porrada e muito dinheiro. Lembram-se das economias do Arafat, sempre a trabalhar, coitadito, em reuniões pelo mundo fora a angariar o graveto para o pipol? O pipol sofria, ele enriquecia e gozava. Agora não é muito diferente.

    Frederico,
    Você só vê santidade onde ela menos se encontra. Não há duvidas quanto às alocuções do Papa, (não quer que ele pegue em armas para impôr os seus desígnios, à maneira árabe, pois não?) e à defesa que ele faz de uma solução pacífica para aquele problema.
    Se os Palestinianos não são terroristas, quem são? Quantos são? onde estão? Essa situação é uma situação de interesse geral para eles, que quanto mais choram mais têm. Vivem disso. Quem lhes dá tudo, é práticamente Israel. Os seus vizinhos àrabes, Egípcios, Sírios e tal, nem os querem ver, quanto mais aturá-los. Aquilo é fraca gente.


  4. Deus me livre! Como eu estou enganado! Devo ser mais do que burro! Provavelmente cego!Tantos anos da minha existência a analisar o mundo para não ver a ponta de um corno! Os israelitas é que são os bons!!! Os palestinianos é que são os maus!!! Eu devo estar mentalmente doente! Tenho de perguntar aos meus amigos, aos meus filhos e aos meus pacientes o que entendem do meu comportamento através da vida. Com um entendimento tão torpe eu não tenho direito à responsabilidade a que a minha vida me obriga. Com tamanha inversão da minha razão e do meu pensamento eu não tenho direito a pretender tratar nenhum dos meus doentes. Tenho de lhes pedir que sejam justos e verdadeiros comigo! Digam-me, por amor de Deus, que eu estou choné!

  5. Carlos Loures says:

    Adão, se há coisa que não estás, é choné. Eu não poria era o problema em termos de bons e de maus – Os ingleses, quiseram fazer o papel de Deus e meteram os judeus numa terra que já tinha donos. Agora, com o problema criado há quase um século atrás, começa a ser difícil dizer quem é bom ou quem é mau. Agora quem roubou e quem foi roubado, isso já é mais fácil de dizer.

  6. joão Nunes says:

    Carlos Loures,
    Se se der ao trabalho de pesquisar em sítios fiáveis, verá que o dono daquelas terras não era quem você pensa.
    Adão,
    Não é caso para isso. Não está nada choné. Ainda vai a tempo de largar o chavão do políticamente correcto. O Carlos Loures, depois de se informar devidamente e de ficar esclarecido, que lhe passe as fontes onde se foi esclarecer.

  7. Sérgio says:

    Adão Cruz :
    Deus me livre! Como eu estou enganado! Devo ser mais do que burro! Provavelmente cego!Tantos anos da minha existência a analisar o mundo para não ver a ponta de um corno! Os israelitas é que são os bons!!! Os palestinianos é que são os maus!!! Eu devo estar mentalmente doente! Tenho de perguntar aos meus amigos, aos meus filhos e aos meus pacientes o que entendem do meu comportamento através da vida. Com um entendimento tão torpe eu não tenho direito à responsabilidade a que a minha vida me obriga. Com tamanha inversão da minha razão e do meu pensamento eu não tenho direito a pretender tratar nenhum dos meus doentes. Tenho de lhes pedir que sejam justos e verdadeiros comigo! Digam-me, por amor de Deus, que eu estou choné!

    Eu não conhecia esse argumento no debate israelo-palestiniano. Mas olhe que reconhecer que a existência de um problema, é meio caminho andado para o resolver 🙂 Sem ofensa. Como diz correctamente o João Nunes, os palestinianos são considerados por muitos árabes como um problema para o mundo árabe, agitadores, corruptos e um espaço de conspirações que não permite às sociedades vizinhas viverem em paz e desenvolverem-se como desejam. E, da parte de quem quer o fim de Israel, a expulsão de judeus ou sua submissão, vir dizer que nós, apoiantes da democracia israelita, desejamos o genocídio do povo palestiniano, quando desejo apenas o reconhecimento de que Israel possa viver livre e sem receio dos seus inimigos, é capaz de soar muito a falso…

    • Luís Moreira says:

      Adão, quando não há argumentos o pessoal entra pela calúnia. Não entres nisso, há quem não queira ver o problema. mas já agora, qual é a solução? Exterminá-los?

    • Luís Moreira says:

      Adão, quando não há argumentos o pessoal entra pela calúnia. Não entres nisso, há quem não queira ver o problema. mas já agora, qual é a solução? Exterminá-los?

  8. Luís Moreira says:

    Frederico, é que não há outra e estou mesmo convencido que se perguntarem isso às novas gerações vai ser essa a resposta.Os ódios acumulados não deixam ver…

  9. Luís Moreira says:

    e quando pergunto “exterminá-los ” é para os dois lados!

  10. Luis Cunha says:

    Aprendi uma palavra, anti-semitismo. Tenho algum hábito, quase condescendência, em co-habitar com a imbecibilidade humana, o tanto aperto a mão a um branco como o pescoço a um preto, as mariquices contra e pró, a inferioridade atávica das gajas, etc. e etc. O convívio é tanto que dou por mim a passear pelo lado das piadas racistas, homófobas e machistas, o que não é o fim do mundo mas é feito em ameno convívio com os filhosdaputa, coisa sempre desagradável a partir do nariz. Tenho um olfacto sensível que já sofre com os neo-nazis, só me faltava uma guerra de religiões para empestar os ares, a pestilência dos cagões num regresso aos anos 30 em todo o seu esplendor, vamos à caça ao judeu e lá se levantam os cobardes à procura de um expiatório, bode ou cabra tanto se lhes faz.
    O filhodaputa tem de ter medo, porque o medo é uma condição estimável para lhe dar ânimo à fanfarronice. Tem medo de si bate nos outros. Os filhosdaputa são cagões por natureza. E cheiram mal, cheiram a merda
    Leiam o excelente destaque da edição de hoje do Público Online, “Discriminação positiva a favor dos muçulmanos está a aumentar em toda a Europa“, passem os olhos pelos comentários e percebem logo do que falo e porque tenho a pituitária cheia de esterco mesmo sem ter chegado a fuçar

    • Luís Moreira says:

      Pois é, Luis Cunha, defender a nossa cultura, a nossa sociedade e os nossos valores estou ao seu lado. Apertar o pescoço a alguem não conte comigo, eu aperto a mão a toda a gente desde que seja gente de paz.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.