Sobre a transferência do Museu Nacional de Arqueologia

O que pode querer um Ministério da Cultura que estabelece o prazo de um mês para o Director do Museu Nacional de Arqueologia abandonar as actuais instalações do Museu?

Pretenderá que ele cumpra a ordem de serviço?

É óbvio que o Ministério sabe que a ordem não tem qualquer viabilidade de ser cumprida. Não teria, em condições operacionalmente rigorosas, mesmo que tivesse sido acatada em Agosto, como se alega.

Assim sendo, o Ministério sabe que a ordem não vai ser cumprida. Atira o Director do Museu para uma situação de desobediência. Deixa-o de mãos atadas, com a cabeça no cepo.

Assim sendo também, a recondução recente do Director do Museu Nacional de Arqueologia foi uma cilada hipócrita. Como se aproximavam eleições, o Director aguardaria o seu resultado, na esperança de que o processo fosse ainda reversível.

Bem, está na moda o culto de Maquiavel.

Espero que a comunidade arqueológica compreenda que não é só a Cultura e o Património Arqueológico que estão em causa. É a ética e a cultura política.

E que se mobilize perante este episódio, abordado desta perspectiva, da perspectiva da denúncia da conjura. Porque é disso que se trata.

O objectivo de todo este processo era dois. Não era apenas desinstalar o MNA. Era também afastar o seu Director. Porque o MNA não era apenas um Museu, era a sede de um pensamento cultural incómodo.

Toda a gente acabaria depois de 8 de Maio por concluir isto.

Mas tinha que ser dito agora.

Manuel de  Castro Nunes, investigador

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Talvez os gestores públicos dêm uma ajuda. E não dizem o que querem lá meter? talvez as fotos do Sócrates de fato, a correr, vestido de engenheiro, de boy, jota, às riscas, conversas em código…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.