Tony Blair atacado em Dublin

Tony Blair atacado com sapatos e ovos em Dublin, quando apresentava a sua autobiografia, um livro intitulado ‘A Jorney’. Os manifestantes proferiram igualmente a acusação de “criminoso de guerra” e de ter “sangue nas mãos” – a imprensa diz que se trataram de insultos, mas, ao que certos jornalistas escrevem, deve-se reagir com a indiferença devida, seja pela desonestidade intelectual seja pela incapacidade de saber o que, realmente, escrevem.

Tony Blair fez parte do trio – Bush e Aznar foram os outros  – decisor do ataque e invasão do Iraque, durante um chá gentilmente servido, nos Açores, pelo mordomo Barroso.

Tal ocupação, ao contrário do que Obama afirmou 3.ª feira passada, ainda continua através da permanência de 50.000 soldados dos EUA até 2011, não obstante ter causado às tropas norte-americanas, sem contar com as restantes, cerca de 4.500 baixas e mais de 30.000 feridos. Por sua vez, e isto é o dado mais eloquente, estima-se um número indeterminado de mortos da população iraquiana – entre os 200.000 e os 600.000, não há certezas. Por outro lado, o país, devastado, continua a ser palco de miséria e sofrimento de milhões de seres humanos.

Comprovadamente, não existiam armas de destruição maciça e Saddam Hussein, alternativamente, poderia ter sido forçado a promover eleições e a institucionalização de um regime democrático, através de medidas e acções coordenadas pela ONU e sem a horrenda e despropositada violência utilizada.

Blair e os restantes, incluindo Barroso, são efectivamente “criminosos de guerra”, mas, como todos os bastardos, acabou por ter sorte. Nem um cabrão de um sapato, ou de um ovo, lhe acertou, ainda que fosse de raspão.

Espero bem que a FNAC, ou outra do género, não tenha a triste ideia de convidar Blair para vir a Lisboa – desculpem lá os do Porto – apresentar a merda do livro. Se tal suceder …

(Nota: Desde que publiquei no ‘Aventar’ este ‘post’ o meu PC é sucessivamente atacado e vejo-me nas “amarelas” para recuperar o acesso à Internet. Sucedeu novamente quando fiz o “link” neste texto. Coincidência fortuita?)

Comments


  1. Criminosos de guerra. Promotores de monstruosos crimes contra a humanidade, Bush, Blair, Aznar e Barroso deveriam ser julgados e condenados. Ninguém, de bom-senso, duvida dos seus monstruosos crimes. No mínimo, julgá-los no centro de Bagdade e fazer com eles o que eles fizeram a um milhão de civis.

  2. graça dias says:

    la vem o sr adao espalha brasas de ódio, raiva.
    se todos pensar como o sr adão andava tudo em guerra?
    não tem capacidade para ser tolerante e viver em democracia?
    seja pela paz, nao violencia

  3. carlos fonseca says:

    D.Graça Dias, deixe lá o Dr. Adão Cruz em sossego.
    Quem escreveu o ‘post’ fui eu e, se achar que Blair, Bush, Aznar e Barroso agiram pela nobre causa da paz, diga-o. As opiniões perfilam-se ao longo de uma extensa recta, cujos extremos são o racional e o absurdo. No âmbito do texto, tem muito por onde escolher.

  4. Ricardo Santos Pinto says:

    Forçar Saddam Hussein a fazer eleições? Uma ditadura cruel, é certo, mas onde havia liberdade religiosa, uma situação económica razoável e onde não havia terrorismo?
    Não, niniguém tinha o direito de forçar o Iraque a fazer eleições. Havia e há dezenas de ditaduras muito piores do que a do Iraque, sobretudo em África.
    Mas não têm petróleo.


  5. Deixa lá Carlos. A única coisa que arrepia é a desgraça dias do “pretuguês”.

  6. Carlos Fonseca says:

    Ricardo, a ordem e organismos internacionais devem bater-se pela instituição de regimes democráticos, seja no Iraque, na Arábia Saudita na China ou em qualquer outro país de poder ditatorial. Deve prevalecer o respeito pelos direitos humanos. Mas também estou de acordo que, no tempo de Saddam, o povo iraquiano não conhecia os sofrimentos de que hoje padece.

  7. Ricardo Santos Pinto says:

    Mas se a ONU se deve bater por regimes democráticos, então que comecem pelas terríveis ditaduras africanas, onde para além de tudo as pessoas passam fome. Só que aos Estados Unidos esses países não têm interesse.

  8. carlos fonseca says:

    De acordo Ricardo, esse é o dever da ONU. Mas evidentemente está desacreditada; isto, contudo, não deve fazer esmerecer a luta pela defesa dos direitos humanos a nível global – EUA incluídos; também fazem parte dos países que violam tais direitos. E lutar ainda pela reabilitação da ONU. Óbvio.


  9. Nota: Desde que publiquei no ‘Aventar’ este ‘post’ o meu PC é sucessivamente atacado e vejo-me nas “amarelas” para recuperar o acesso à Internet. Sucedeu novamente quando fiz o “link” neste texto. Coincidência fortuita?

    Yap. Quase de certeza absoluta que é coincidência. Logicamente que, se os TPTB tivessem a capacidade de lhe controlar o acesso à net o conseguiriam fazer sem você dar por ela.

    Os conselhos são o que são, mas: Se utiliza o Windows mude para um sistema operativo decente. Se a situação se repete mude de ISP. Finalmente se julga mesmo que é perseguido (e um bocadinho de paranóia é sempre salutar) use por exemplo o Tor (não há grandes possibilidades de alguém o seguir se utilizar este sistema, nem mesmo a NSA – é claro que, como com todos os dispositivos de segurança, antes de o utilizar convém saber o que está a fazer, no site tem toda a informação necessária.).

    Ou julga que tipos com o grau da incompetência de bestas como o Blair e afins têm capacidade de controlar com a granularidade que sugere o acesso à Internet?

  10. carlos fonseca says:

    Caro Helder Guerreiro, agradeço as sugestões e devo esclarecer que nem estava a pensar no Blair.
    De facto, vim para o Alentejo, mudei de ISP, e não tenho problemas quando abro o tal ‘post’ que, repiso, não é o do Blair.
    Estava enervado com as dificuldades com que me deparei para editar o texto e o fenómeno já se havia repetido várias vezes, em situações diferentes mas sem sempre com o ‘post’ em causa.
    Obrigado.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.