FMI prevê: Portugal único país com PIB negativo em 2012

fmi_paint_1_Ges_SWF

Fonte: EL PAÍS

As delegações do FMI, Comissão Europeia e BCE reuniram com o governador do BdP, Carlos Costa que se encontrava acompanhado de quadros da instituição. A equipa do FMI é, afinal, chefiada por um dito experiente dinamarquês, Paul Thomsen, que já dirigiu idênticas missões na Irlanda e na Grécia.

Aos portugueses está reservada uma vida difícil durante vários anos. A política de reduções das despesas do Estado, velha receita de crise em cima de crise do FMI, denunciada aqui e aqui, e outras medidas de política fiscal e monetária vão trazer graves dificuldades a um grande número de famílias portuguesas – a taxa de pobreza atingirá níveis acima dos actuais quase 2.000.000 de cidadãos.

Estamos, de facto, condenados a permanecer entre os piores, no grupo de países a que se refere o quadro acima, acabado de ser divulgado pela imprensa. Bem sei que se trata de uma previsão, e como tantas outras instituições, o FMI também falha; porém, é triste perceber que Portugal é o único país com recessão esperada para 2012 (- 0,5% do PIB), agravando-se o desemprego para 12,4%.

Se observarmos os dados do quadro em causa, concluiremos que as taxas de desemprego se  mantêm razoavelmente altas e algumas até se agravam, independente de crescimento do PIB – caso da Grécia, p.e.: estima-se uma evolução de + 1,1% do PIB no próximo ano e, em simultâneo, um agravamento do desemprego de 14,8 para 15%.

Crescimento económico e do desemprego, fenómeno que conhecidos economistas estudam e cuja divergência criticam, é também uma coincidência ilustrativa da desumana política recomendada pelo FMI e executada por governos. Com efeitos de expansão da falta de coesão social.

Mas, o pior de tudo é igualmente saber que Portugal, por motivos que referi aqui, ficou desprovido de tecido económico para aplicar políticas de crescimento. E, para agravar os nossos males, agora nem dinheiro público ou privado temos  para o investimento essencial, o reprodutivo. Recorde-se que a dívida externa total é elevadíssima, com a privada a ocupar forte fatia.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.