Saía um Porto-Barcelona, sff

Pesem as minhas simpatias pelo Barcelona, aquilo que se viu ontem foi uma vergonha:

Isto somado à expulsão palerma de dois portugueses mexe com a minha adormecida costela patrioteira.

Não sei se ainda há supertaça europeia, mas sei que lá para o verão os vencedores das ligas europeias se vão encontrar. Espero por isso que o Barça ganha a Liga dos Campeões. Um Porto – Barcelona permitirá aos jornais do dia seguinte titularem:

Villas-Boas vinga Mourinho

E já agora parabéns ao Braga, e a Domingos Paciência, a um golito de uma final europeia. Este verão, na falta de outra indústria competitiva, lá vamos exportar jogadores e treinadores. O costume.

Golos do Porto, Benfica e Braga…

…mantêm duas equipas portuguesas na rampa da final da Liga Europa.

O Porto, com cinco golos, praticamente comprou hoje os bilhetes para Dublin. O Benfica marcou dois e o Braga um, que pode vir a valer dois. Assim, é melhor nenhuma das  duas falar com a agência de viagens e passar já o cheque.

Para já, uma quase certeza: dois treinadores portugueses vão defrontar-se na final e um deles vai ganhar.

Nota: sempre achei uma falácia os treinadores, dirigentes, adeptos, etc., dizerem que um campeonato nacional é mais valioso (“o objectivo principal da época”) do que uma competição europeia. Deixem-se de tretas, não é, toda a gente sabe isso ainda que não o diga. Vão ver as declarações, os festejos, as notícias, as reacções de jogadores e treinadores depois de um troféu europeu. Qualquer deles trocava dois campeonatos nacionais por um único título da europa.

William é filho de Charles? Carlos será pai de quem?

A real boda britânica é, quer se queira quer não, um dos grandes acontecimentos da semana. Para além de muitas opiniões republicanamente desfavoráveis ou monarquicamente entusiásticas, face à esplendorosa superprodução do casamento do neto da rainha de Inglaterra, continua a fazer-me espécie, comichão mesmo, a tendência, também jornalística, para chamar William a um príncipe que, em Português, é Guilherme, como o pai é Carlos, a avó é Isabel ou o bisavô é Jorge. É certo que a tradição não nos impôs que Shakespeare deixasse de ser William, mas a mesma tradição refere quatro monarcas britânicos com o nome de Guilherme, sendo que o primeiro até devia estar mais habituado a que lhe chamassem Guillaume.

Ténis Vertical

Às vezes, para ser criativo, basta pensar ao contrário.

Kate e William louvam o casal Obama

obama(2)_sapo_pt

Da selectiva lista de convidados para o matrimónio real do ano, da plebeia Kate com o príncipe William, também foi excluído o casal Obama. O que é um louvor para ele, Presidente da República, e Michelle, sua mulher, primeira-dama dos EUA.

As relações históricas e institucionais entre o Reino Unido e os EUA levariam, naturalmente, a admitir que o Presidente norte-americano e mulher, independentemente dos ideais e credos religiosos que professam, ou da cor da pele, fossem convidados a participar no ‘Royal Wedding de 2011’, em Londres. Porém, nem sempre o óbvio acontece. Ou é justamente o oposto do que aparenta ser.

Para a aristocracia bem-pensante – idiota e cabotina, acrescento eu – preto é preto, seja ele Presidente da República, escriturário, empregado de café, servente de pedreiro, desta ou  daquela nacionalidade. Para preto, a nacionalidade é questão vital cuja comprovação através de ‘certidão de nascimento’ não se dispensa (Não vão ter nascido em África e dizerem-se norte-americanos).

No ‘Royal Wedding’ de Kate e William, o desfecho eclesiástico e institucional de uma ‘união de facto’ de que a aristocracia, monárquica ou republicana, se diz adversária, prevalece o pífio  ‘Reservado o direito de admissão’. Neste sentido, não surpreende que, além da aristocracia reluzente, tenham assento no evento ícones da estupidificação universal, como o casal Beckham e Elton John.

Devo lembrar ao casal de noivos que também houve reis e rainhas negras. Nzinga Mbandi Ngola, a célebre Rainha Ginga de Matamba e Angola foi uma delas.

[Read more…]

2005-2010, mudam-se os tempos, mudam-se as vontades

Em Portugal, talvez se lembrem, houve um tempo em que o Banco de Portugal (BdP) ditou o destino do país. Não me refiro aos anos do escudo, quando bastava ao banco central desvalorizar a moeda para se resolverem as crises orçamentais mas sim ao ano de 2005, em que o BdP descobriu que o défice das contas estava nos absolutamente altos 6.0% do PIB. Era então governador Vitor Constâncio.

Hoje temos um défice de 9.1% do PIB e a dívida pública passou dos 63,9% do PIB em 2005 para os 92,4% do PIB em 2010. Perante estes dados, Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal, diz que nos últimos 12 anos os Estados e os Governos à frente dos destinos do país não foram prudentes. Endividaram-se e não quiseram cumprir regras europeias, de manter o défice abaixo dos 3%, ou de simples bom senso (citando o texto da RR, onde constam mais umas notas pertinentes).

Será que o Governador do Banco de Portugal já não é pessoa a ter em conta?

 

via

levanta-te e anda, 25 de Abril

LEVANTA-TE E ANDA, 25 DE ABRIL 

Para os cidadãos lusos, pais das crianças, que hoje vivem a nova História de Portugal.

Houve o tempo em que Portugal era uma eterna tirania. Não apenas nos tempos do ditador dos começos do Século XX, 1928 até ao 25 de Abril de 1974.
Antes, as primeiras repúblicas não se sabiam governar, era uma nova experiência ter um Presidente da República e não um rei, Dom Carlos de Bragança que fora morto com o Príncipe Real, herdeiro da coroa, Luís Filipe.
Portugal passou a ser um país sem monarquia a partir do dia em que o outro filho varão de Carlos I, Dom Manuel, que passou a ser Manuel II, assumiu a coroa. Era novo, não estava preparado para governar, era quase um Menino.

[Read more…]

Miguel Sousa Tavares anda desfasado da realidade ou perdeu toda a vergonha

Miguel Sousa Tavares continua a surpreender-me em cada uma das suas intervenções televisivas.
A última delas deve ter batido todas os records da hipocrisia e do lambe-botismo a Sócrates. Seria cómica, se não fosse trágica, a postura de alguém que dantes se ufanava da sua independência.
Passando ao lado do ataque aos Capitães de Abril – para ele, quem está contra o actual estado de coisas é porque quer o poder (aqui no Aventar, por exemplo, queremos todos é o poder), quero concentrar-me no que disse o filho de Francisco Sousa Tavares sobre o Ministro das Finanças. Que era um elemento perturbador da actividade do Governo, que tinha errado sistematicamente as previsões e que, pelo tipo de discurso nos últimos meses, mostrava ser uma pessoa desfasada da realidade.
Sobre o Primeiro-Ministro, o mesmo que apoiou e subscreveu todas as medidas do Ministro das Finanças ao longo dos anos, e cujo discurso foi muito, mas mesmo muito mais desafasado da realidade, nem uma palavra. A estratégia é simples e é a mesma que Sócrates está a utilizar: culpar o Ministro das Finanças pela situação económica e financeira para dessa forma ilibar-se a si próprio.
Os almoços entre José Sócrates e o filho de Sophia, como se pode ver, dão reslutado.

O grande maestro, José Sócrates Pinto de Sousa

Por SANTANA CASTILHO

Frederico II, O Grande, rei da Prússia, disse que “a trapaça, a má fé e a duplicidade são, infelizmente, o carácter predominante da maioria dos homens que governam as nações”. José Sócrates Pinto de Sousa, o grande maestro, ilustra-o.
Na farsa de Matosinhos, a que o PS chamou congresso, usou bem a batuta da mistificação e deu o tom para o que vai ser a sua campanha: ilibou-se de responsabilidades pela crise e condenou o PSD; tendo preparado, astutamente, a queda do Governo, ei-lo, agora, cinicamente, a passar para o PSD o ónus da vulnerabilidade que nos verga.
Como a memória é curta e o conhecimento não abunda, os hesitantes impressionam-se com o espalhafato e o discurso autoritário, ainda que recheado de mentiras. Porque em tempo de medo e de apreensão, a populaça não gosta de moleza.
O aviso fica feito: não menosprezem as sondagens. [Read more…]

O Historiador.

V. Magalhães Godinho (C) José Ventura / Expresso

 O ofício de Historiador já foi respeitado em Portugal.
Alexandre Herculano era ouvido pelos políticos, Oliveira Martins constituiu uma espécie de decano da sabedoria oitocentista e, mais recentemente, a perda de A. H. de Oliveira Marques originou um irremediável vazio na cultura portuguesa. Bem sei que José Mattoso assume ainda o papel de uma mítica figura, a que se recorre, de quando a quando, para questionar sobre o esplendor do Passado e honrar a intelectualidade a partir da ideia do velho sábio, entretido entre alfarrábios, a compilar dados inúteis que ninguém lê ou lerá a não ser ele próprio. Mas os últimos anos têm levado o resto do valor da figura do Historiador. E agora mesmo desaparece Vitorino Magalhães Godinho, um homem inconformado, como todos o deveriam ser.
Vendo bem, o grande problema na forma como se olha para o ofício de Historiador é o de nunca o considerarmos como um inadaptado, como alguém que ousa falar contra. O Historiador, para o público comum, é um ser inerte, acomodado, bibelot decorativo de arquivos e bibliotecas. Em último caso, um animador de palestras ou de comemorações de centenários, às vezes agitador de intelectuais ou entretenimento ligeiro para telespectadores curiosos. E a culpa deste cliché acaba por ser dos próprios.
Primeiro, porque os Historiadores, aqueles que acreditam que fazem ciência, que escrevem para o desenvolvimento do conhecimento colectivo, admitem que a História seja mal tratada. Todos os dias as Câmaras Municipais publicam “monografias” redigidas a título gratuito por amadores. Desde logo, o Historiador passa a ser um estoriador, um carola que vive de ar e vento e escreve uns artiguelhos por simples diversão. Aliás, qualquer indivíduo minimamente instruído parece mais do que qualificado para escrever História, desde o comentador político ao jornalista. E para um Presidente de Câmara cujo objectivo maior é encher o seu município com rotundas, chafarizes e sinais de trânsito, e exaltar estas hediondas obras, qualquer livro com fotografias e alguns textos laudatórios é passível de constituir edição maior da História Local.

Pois nenhum historiador clama contra isto. Nem a Academia Portuguesa da História, cujo objectivo principal devia ser o de zelar pela preservação da Memória nacional é capaz de se insurgir contra esta “deseducação” massiva que alimenta bibliotecas escolares, como se fosse possível levar a sério a prosa de um médico ou de um operário só porque leram meia dúzia de verbetes no dicionários do Pinho Leal!
Depois, o Historiador escreve quase sempre de si para si. [Read more…]

Eu também gosto muito do Fórum TSF

INFORMAÇÃO AOS MILITANTES

Participe no Fórum TSF com José Sócrates – AMANHÃ – 28/Abril

Caro(a) Camarada

Para seu conhecimento e participação, informamos que amanhã – 28/Abril, quinta-feira, no Fórum TSF, José Sócrates responde aos portugueses.

Inscreva-se pelo: 808 202 173

…a partir das 9 horas.

PARTICIPE E DIVULGUE.

Roubado ao Sexo e à Cidade

Nos bastidores da apresentação do programa do PS

Momento em que os autores se preparam para entregar o programa do PS, depois apresentado por José Sócrates. Vai ali, no dossier amarelo. No carro estava um outro, laranja, cuja entrega está mais complicada.

Enquanto Sócrates inventou outro programa de improviso, mentindo como em todos os anteriores, Passos Coelho ainda hesita, muito aconselhado a ler mesmo os papéis que estes senhores lhe vão entregar.

Estes homens gostam do seu trabalho, fazer os programas de 3 partidos numas eleições tem, antes ou depois, sido o que já fizeram na Grécia e na Irlanda, e costumam comemorar na noite das eleições. Telefonam-se uns aos outros, e soltam alguns gracejos entre si, como fazem as hienas ao luar.

%d bloggers like this: