dia de s. sócrates III

Benfica proíbe tarjas e bandeiras do FCP

Ainda bem que a notícia é de ontem, senão pensava ser coisa do 1º de abril porque, quando  a li, não quis acreditar. Nunca escondi aqui que sou adepto do SLB, por isso mesmo estou à vontade para qualificar: é inqualificável.

O Benfica não precisa disto e cheira-me a tentativa de menorizar os eventuais festejos na Luz se o FCP, lá, se sagrar campeão. Não sei porquê, mas acho que não passou por aquelas cabecinhas que isso dá, ainda, mais força aos festejos, por exemplo no Marquês. Além disso, campeão é campeão, é justo que celebre. Se não querem que o FCP celebre na luz, ganhem o jogo e celebrem a vitória sobre o campeão anunciado, ponto final.

Mas há dois argumentos que vêm apensos, tipo desculpa de mau pagador. O primeiro é o da segurança e visa proibir “armas de arremesso”. Certo, é um ponto de vista, mas proíbam-se então todas as tarjas e todas as bandeiras, de visitantes e visitados. O outro roça o ridículo: parece que o FCP já fez o mesmo no Dragão, impedindo a entrada do mesmo material por parte do Benfica. Talvez, não me custa imaginar. Mas o pior dos nossos adversários não nos serve de exemplo, digo eu aos meus filhos, e eles, que são crianças, percebem, porque é simples, porque é decente e porque somos melhores. Mas só quando somos.

Portugal Fatimizado

bandeira-do-vaticano.gif

bandeira do Estado Vaticano

(num país anticlerical)

Bem sei que escrevi e publiquei este texto no último decénio do século XX, em 1999, 13 de Maio, e no Aventar, em 2009. Foi um ensaio de grande sucesso, publicado sem a minha licença, em Revistas científicas da Espanha, na Galiza, traduzido para castelhano na América Latina e nas Revistas em que tenho sido fundador e escritor em Portugal, bem como pela Cambridge University Press. Porque nomear tantos galardões? Por causa de me parecer que este texto é conveniente para estes dias que vivemos, sem governo, sem Assembleia de Deputados, apenas pelo poder do Presidente da República, a quem tenho visto, com a sua mulher, ou na Missa ou no Santuário de Fátima e comungarem de joelhos sobre as pedra da grande praça em frente da Basílica, para se sacrificar em bem do povo… penso eu. Dias em que eu proferia conferências a freiras e padres, com a presença do antigo Bispo que Leiria Fátima, que teve um desencontro comigo e mandou que nunca mais fosse convidado. Ainda bem, a doença que me tem mantido apenas a escrever, não me permite falar em público por mais de meia hora. Nem Fátima me curava…

[Read more…]

Primavera na Linha F

Linha F (Estádio do Dragão~Fânzeres) - Metro do PortoPrimavera na Linha F do Metro do Porto (Estádio do Dragão~Fânzeres)

Dia de s. sócrates II

Fátima Campos Ferreira vai ser Mandatária para a Juventude do PS


Todos sabemos que José Sócrates gosta de decidir sozinho tudo o que pode ser relevante para o seu futuro político. Para o novo momento eleitoral, por exemplo, já escolheu o seu Mandatário para a Juventude. Trata-se da jornalista Fátima Campos Ferreira, que desempenhou um papel inestimável, ao longo de seis anos de mandato, no programa «Prós & Contras» da RTP.
A juventude de Fátima Campos Ferreira foi um factor especialmente relevante para José Sócrates e foi esse o factor de desempate em relação aos outros dois candidatos ao lugar, Emídio Rangel e Carlos Magno.
Parece ser uma tendência actual dos Partidos, a de escolherem para o lugar de Mandatário da Juventude gente com uma grande juventude interior. Com efeito, o Aventar está em condições de avançar que, na área da Esquerda, José Barata Moura e Vitorino Salomé serão, respectivamente, os mandatários do Partido Comunista e do Bloco de Esquerda; e que, no que concerne aos Partidos de Direita, Simone de Oliveira será a Mandatária do PSD e João Almeida o do CDS, sendo que em relação a este último permanecem dúvidas relativamente ao facto de a sua tenra idade permitir a ocupação de tal cargo. Espera-se, neste caso, a autorização dos progenitores.
Pelo meio, o Aventar não pode deixar de notar o bom gosto do Partido Comunista e do Bloco de Esquerda na escolha dos seus mandatários.

Primeiro de Abril, dia de s. sócrates

Carrapatoso, o desatador do IRS

António Carrapatoso parece ser uma das estrelas do passismo. Googla-se e ele é menos estado, menos impostos, e outras bojardas.

O Carlos Fonseca já aqui nos falou da personagem:

Qual o significado do genial Carrapatoso, em menos de 3 anos, ter ocupado seis cargos de topo de outras tantas pirâmides empresariais? À cabeça, pode esclarecer-se que os primeiros cinco dos ditos cargos, a começar por Administrador da Quimigal, foram exercidos em simultâneo. A generosa nomeação do então Ministro da Indústria de Cavaco, Mira Amaral,  foi decisiva, mas a destreza, o eclectismo e a sabedoria do polivalente gestor completaram o milagre da multiplicação de funções. (…) O pior é saber-se que, obedecendo ao gabinete de Amaral, e este, por sua vez, ao de Cavaco, António Carrapatoso alienou a favor da Colgate-Palmolive as empresas Sonadel, Uniclar Unisol, integradas na Divisão de Óleos e Sabões da Quimigal. Tinham a missão de produzir e comercializar “detergentes, produtos de limpeza e de higiene pessoal”, no país e no estrangeiro (exportação). O nosso homem foi parte activa no processo de desindustrialização do país.

Estamos conversados quanto ao menos estado. Quanto ao menos impostos, estamos perante um homem com sorte: 740 000 Euros de IRS prescritos, porque umas repartições de finanças se desentenderam, um funcionário se enganou, azar para o estado, sorte adivinhem para quem.

Ora aqui está o homem certo para negociar a dívida externa: pode ser que caduque, uns funcionários se enganem, tudo uma questão de sorte, é claro. E ficaria o nó desatado.

E agora, um governo completamente original

 

“O próximo Governo de Portugal não pode iludir, não pode mentir, não pode disfarçar”

Quando Sócrates e Passos Coelho se davam bem

Já desconversavam, é certo, mas entendiam-se.

Dia 1 de Abril não é especial para José Sócrates

Fonte do gabinete do ainda Primeiro-Ministro confidenciou ao Aventar que o dia 1 de Abril é um dia igual aos outros para José Sócrates: “Os outros dias todos são exactamente iguais a este: o senhor Primeiro-Ministro faz sempre o mesmo. Ele até costuma dizer, com muita graça, que primeiro de Abril é quando um gajo quiser.” A mesma fonte lembra que não foi preciso esperar por este dia para ouvir José Sócrates dizer que não iria haver aumento de impostos ou que cada PEC seria sempre o último. “O senhor engenheiro até pode ter muitos defeitos, mas ninguém o pode acusar de incoerência.” declarou a mesma fonte.

Piadas de 1 de Abril

Teixeira dos Santos, Ministro das Finanças:

Um pedido de ajuda obriga a compromissos. (…) Este Governo não tem legitimidade, nem condições, nem credibilidade para ter a confiança das entidades externas que nos possam ajudar

André Villas Boas, treinador do FC Porto:

E para mim o Benfica ainda é candidato ao título

Marcos Batista, administrador dos CTT:

Devo referir que sempre estive convencido que o meu percurso académico com oito anos de frequência universitária e elevado número de cadeiras concluídas, em mais do que um plano de estudos curriculares, correspondesse a um curso superior à luz das equivalências automáticas do processo de Bolonha

1 de Abril, Dia das Verdades

Vai, vai, vai, disse o pássaro: o género humano

Não pode suportar tanta realidade.

T.S. Eliot

Não sejamos ingénuos, a manipulação e a desinformação existiram sempre, em todas as épocas, regimes e círculos de poder. Mas a mentira, descarada e desmascarada, nem sempre passou com tanta indiferença como agora. A questão não está, apenas, num governo, por exemplo um governo, mentir. Está, isso sim, em saltar a mentira à vista de todos e passar impune. Está em ser recorrente, passar com normalidade e ser encarada com naturalidade. Está em ser aceite como uma das regras do jogo, como uma malandrice necessária para que o jogo funcione e avance.

A banalização da mentira tornou-a isso mesmo: banal, habitual, quotidiana. O dia 1 de Abril, como dia das mentiras, perdeu impacto e aquele arzinho transgressor que carregava. Hoje, ninguém compra um jornal para decifrar a mentira que lá vem disfarçada de verdade. No entanto, estou em crer que o contrário funcionaria. Eu, por exemplo, compraria um jornal para descobrir qual a verdade perdida nas suas páginas, disfarçada de mentira.

Por isso proponho que o dia 1 de Abril passe a ser o dia das verdades. Seria apenas um dia por ano e isso, acho, poderíamos suportar.

A força para ter razão e uma razão para ter esperança

Por SANTANA CASTILHO

Numa rara confluência política, PSD, PCP, PEV e Bloco de Esquerda apresentaram, na Assembleia da República, um texto de substituição das iniciativas autónomas do PCP e do PSD sobre a suspensão do modelo de avaliação do desempenho dos docentes. Esse texto, que foi aprovado tendo apenas votos contra do PS e de Pacheco Pereira, fez, enfim, prevalecer a força da razão sobre a razão da força.
Não me surpreende a polémica que se seguiu. Outrossim, sabia que era inevitável. Alguém pensou que os que beneficiaram de tanta trapaça e injustiça não iriam reagir? Alguém antecipava que os pequenos ditadores, que a impuseram, ficariam serenos? Alguém desconhece que há uma classe de “tudólogos”, que fala e escreve sobre tudo, mesmo sobre o que desconhece? Só quem seja incompetente quanto aos aspectos técnicos, quem desconheça simplesmente, ou quem aja por má fé, pode defender o modelo agora enviado para o crematório.

[Read more…]

Cofres do Estado: Só há dinheiro até ao dia 15

O Aventar soube junto de uma fonte bem colocada no PS e, geralmente, mandatário regional e coordenador de campanha eleitoral, que neste momento o Estado só tem nos seus cofres dinheiro para assumir os compromissos até ao dia 15 deste mês.
A partir daí, não há dinheiro. Nem para pagamento a credores e fornecedores, nem para os salários da Função Pública, nem para nada.
Talvez assim se compreenda o leilão extraordinário que foi feito hoje e no qual o Estado encaixou mais mais de 300 milhões de contos, que têm ser pagos em Junho de 2012 a um juro de quase 6%. Cá estaremos para pagar.
Entretanto, talvez se tenham salvo os salários de Abril. Por enquanto…
Podia ser mentira, mas, infelizmente, é verdade.

Agência de “rating” classifica discurso de Francisco Assis

A mais recente agência de rating do discurso político português, a “Estandarte e Pobres”, colocou o recente discurso de Francisco Assis na categoria de “lixo extremamente malcheiroso, qualquer coisa entre dois cadáveres de antropófagos em decomposição com cadáveres de outros seres humanos no seu interior, também eles em decomposição”. Após a comunicação de Cavaco Silva (cujos discursos não conseguem sair da categoria “igual ao litro”), o líder parlamentar do PS produziu várias declarações que foram alvo de análises atentas.

O analista-coordenador da referida agência declarou ao Aventar que Francisco Assis tem uma capacidade única de aliar um domínio vocabular perfeito à mais completa vacuidade, superiorizando-se a Sócrates no primeiro ponto, emulando-o no segundo. O mesmo especialista fez a seguinte comparação: “Se fosse futebolista, Assis teria muita técnica, mas só conseguiria jogar num campo circular sem balizas.” Assim, o deputado socialista, assumindo sempre uma pose de tribuno (classificada na categoria “cabotinismo ligeiro com um toque de agastamento e redução de vinho do Porto”), limita-se a exprimir ideias óbvias que nunca serão postas em prática, como a de usar a campanha eleitoral (ou “momento eleitoral” em falar assinino) para clarificar ideias ou aqueloutra de que, depois das eleições, “terá de haver sentido de compromisso nacional”, frase que entra na classificação de “voluta rococó”.

quem me dera ser criança e saber perdoar…

allendeII.jpg

Para a Sua Excelência, o Presidente Allende.

Estou certo de ter publicado este texto na nossa Revista Educação, Sociedades e Culturas, bem como na Página da Educação quando era jornal com José Paula Serralheiro, e talvez, neste blogue. Mas, estamos em época de eleições, a todo minuto somos chamados a votar com antecipação. Os Presidentes dos paridos, especialmente o PSD, com o seu líder Pedro Passos Coelho, estão certos de obter maioria! Mas há dois grupos políticos que lutam pelo poder de forma desalmada. Durante o período de governo do Partido Socialista e seu Primeiro-ministro José Sócrates, Passos Coelho e o seu grupo minoritário do PSD, hostilizaram até obriga-lo a se demitir. Facto que nos leva a todos pensar que foi uma rasteira muito bem fabricada com intervenção do Presidente da República quem, na sua reeleição, no quis intervir. Mas o discurso de toma de posse para um segundo mandato, era clara a sua preferência: criticou ao Governo, esqueceu que era Presidente de todos nós portugueses, o que fez desmaiar o ânimo aguerrido do PS e do seu líder, José Manuel Sócrates. O poder executivo não deve nunca abandonar o poder, como fez Mário Guterres no seu tempo. Se um político bem formado e que sabe governar abandona o cargo, ficamos expostos a sermos vítimas de um governo de salvação nacional. No meu ver, o PM devia ter continuado o seu

[Read more…]

%d bloggers like this: