Senado dos EUA acusa Moody’s e Standard & Poor’s

Segundo relatório publicado esta 6.ª feira, e após  investigação demorada e minuciosa, o Senado norte-americano acusa as conhecidas agências de notação financeira (ou de “rating”) de terem sido co-responsáveis pelas causas da crise que, em 2008, eclodiu no ‘sistema financeiro norte-americano’ e que contaminou a maior parte das economias mundiais; em particular, as europeias.

Com efeito, adianta o relatório que ambas atribuíram nota máxima (AAA) ao créditos hipotecários de elevado risco; no fundo, ao produto “subprime” que deu origem à bolha imobiliária dos EUA e à torrente dos chamados ‘produtos tóxicos’. 

A Fitch, outra agência conhecida, saiu inocente do processo, em que as duas anteriores foram coniventes, como provam mensagens e trocas de informação detectadas na investigação.

Portugal, Grécia e Irlanda têm sido países muito fustigados pela sucessivas baixas de notação ditadas por tais agências, em particular das ora acusadas Moody’s e Standard & Poor’s. Mas, à parcialidade e falta de rigor de critérios das agências de “rating”, dignas de enorme credibilidade para os tais mercados e investidores usurários, já me referi no texto ‘Economia Portuguesa (I) – As Agências de Ratingde 30 de Abril de 2010. A UE, agora, teria margem de manobra para agir na regulação da actividade das ditas agências em espaço europeu. Assim quisesse limitar o poder das nefastas agências.

O que é meu é meu, o que é teu é nosso

As mentes brilhantes do clã que ocupa os assentos do governo andam a fazer uma festa graças ao milagroso aumento da receita. Dizem isto como se o tivessem conseguido à custa de soluções inovadoras, únicas, inimitáveis. Realmente, cortes salariais e aumentos de impostos são caminhos que só podem ser trilhados por professores universitários de Economia.

De um modo simplista, e porque percebo tanto de Economia como qualquer catedrático, vou resolver os meus problemas financeiros da seguinte maneira: os meus vizinhos passarão a dar-me uma parte dos seus rendimentos e passará a ser-lhes cobrada uma portagem de cada vez que entrarem no prédio onde vivemos, a ser depositada na minha conta, entre outras soluções ofuscantes que me virão à cabeça daqui a pouco.

Vão ver como as minhas receitas aumentarão. Sou esperto, não sou?

Luta Luta, o 12 de Março pelos Bandex

O 12 de Março remixturado pelos Bandex. Sim, já havia Bandex antes de meterem Sócrates a cantar para Não Dizer Mentiras. Dedico esta à direita que se tem lambido com um vídeo em que Sócrates olha sempre para a esquerda, e não é por causa do teleponto.

E por falar nisso, já temos um Movimento 12 de Março (M12M), que a luta é contínua e continua.

Pacheco, o SMS, uma memória selectiva e porque raio veio agora com isto?

Pacheco Pereira lembrou-se ontem na Quadratura do Círculo que recebeu a 11 de Março um SMS onde, supostamente, os deputados do PSD deveriam estar “calados até à noite para não prejudicar as negociações do Governo” na cimeira europeia em que o executivo levou o PEC IV e que foi vetado pela oposição a 23 de Março.

Hoje tem sido um fartote em blogues e redes sociais a análise do tema, os potenciais engulhos que este ‘caso’ pode provocar no PSD, cuja direcção é claramente um brutamontes com um lápis azul em riste.

Luís Paixão Martins decidiu, no seu blogue, divulgar o conteúdo da mensagem. Rezava assim: A Direcção do Grupo Parlamentar solicita aos senhores deputados que aguardem pelo final da reunião dos chefes de Governo da zona Euro para comentar as respectivas conclusões, a situação financeira do país e as novas medidas de austeridade anunciadas pelo governo.

[Read more…]

Arte urbana

Pantónio: street signs

Finlândia, a inspiração para Sócrates

Como certamente se recordarão, a Finlândia foi até há dias o modelo socrático para tudo e mais alguma coisa.

Esqueceram-se estes copiadores de soluções dos outros que em Portugal vivem os portugueses e que na Finlândia vivem os finlandeses. Como agora ficou bem claro, quando quase metade dos finlandeses se está nas tintas por ter sido o modelo de Sócrates.

Que credibilidade têm as contas públicas?

Sinceramente, depois dos fiascos anteriores, alguém acredita na propaganda saída hoje nos DN e TSF do grupo do amigo Oliveira?

Execução orçamental

Governo revela melhoria de 1.750 milhões nas contas públicas

15.04.2011 – 08:14 Por Lusa, PÚBLICO

O Governo vai apresentar uma melhoria de cerca de 1.750 milhões de euros nas contas da administração central na sua execução orçamental do primeiro trimestre deste ano quando comparado com o mesmo período de 2010, disse à Lusa fonte governamental.

Naturalmente, isto não são notícias para acalmar o FMI, como diz a TSF. Essas pessoas não se contentarão com “ter acesso” às contas, como disse ter tido o DN. Eles analisarão, em vez de ter acesso. Resta por isso a óbvia explicação de se estar perante mais uma jogada para compor o discurso eleitoral. Shame on you!

o saber das crianças e a psicanálise da sua sexualidade III

Beethoven Für Elisen Bagatela en lá menor

Falar de amor à beira do abismo refere-se àqueles que superam um traumatismo e experimentam muitas vezes uma impressão de sursis[1], que multiplica o gosto da felicidade e o prazer de viver o que ainda é possível. Neste ensaio vibrante sobre a vida, o autor mostra que mesmo os que têm graves feridas afectivas podem transformá-las em grande felicidade. O título traz uma figura de retórica que o autor transforma em conceito para caracterizar os resilientes. Trata-se do oximoro, que consiste em associar dois termos antinómicos: falar de amor/beira do abismo. [Read more…]

Os troca-tintas e a troika-tintas

Em adição aos troca-tintas internos – por culpa de alguns destes, diga-se –  outros de fora vêm ao nosso encontro com idêntico ímpeto. É o caso, por exemplo,  de Olli Rhen, comissário europeu, e de Dominique Strauss-Khan, director-geral do FMI, ao pronunciarem-se sobre a ‘ajuda externa a Portugal’. Quase em simultâneo, Rhen afirma: “Apoio deve estar concluído nas próximas semanas””; Strauss-Khan, por sua vez, garante: “Não vai ser rápido, nem fácil”.

Afinal em que  ficamos? A pergunta é legítima.  Talvez fosse útil esclarecer junto do terceiro comandante da troika, o Sr. Trichet do BCE. Ou talvez não; correríamos o risco de levar com uma resposta do tipo: “Não vai ser lento nem rápido, nem fácil, nem concluído”.

Quanto aos homens de terreno da troika, lá andam por Lisboa. A ver documentos, contas e broncas  armazenados em computadores. Que se saiba, já chegaram à brilhante conclusão de que as casas em Portugal devem ficar mais caras, porque 76% dos portugueses vivem em casa própria. Como não tivemos bolha imobiliária – por enquanto – há que providenciar o seu enchimento artificial e promover o mercado de arrendamento. [Read more…]

%d bloggers like this: