Definição de Nojo:

Nojo:

 

1. Repugnância; asco; repulsa

2. O que causa asco ou repugnância

3. Náusea

4. Aborrecimento; fastio

5. Pesar; tristeza; luto

 

e desde hoje:

 

6. Eduardo Pitta

 

É a única coisa que posso dizer ao ver um post utilizando uma fotografia da família daquele que se crítica. Como se diz na minha terra, uma filha da putice sem igual. O que diz tudo sobre a natureza de quem a fez.

Esta malta anda a fumar erva da boa

Prisioneiro que queira fazer uma greve de fome tem de preencher um formulário.

Guardas da PSP recebem louvores pelos seus dotes na criação de centros de mesa, ou pelo apuro das suas sobremesas.

O Público online parece o Jornal do Incrível? O Inimigo Público assaltou a redacção?

Ou o país ensandeceu. Vou mais por esta hipótese.

Portugal e o passado

O tempo de antena da campanha eleitoral do FMI na RTP chama-se Portugal e o Futuro, passa em horário nobre, é como era de esperar mete nojo.

Zapei por ali há bocado. Fátima Fretes Ferreira entrevistava o actual presidente do BES. Coincidência significativa: o banco que negociava com a Alemanha nazi, num programa que foi buscar o título a um livro de António de Spínola, o homem que começou a carreira militar combatendo pelos nazis e a acabou como chefe de um grupo terrorista.

Tudo impune, é claro. Como duvido que a senhora lhe perguntasse sobre o negócio dos submarinos, mudei de canal, é claro.

Site do PS para as legislativas 2011 existe desde Fevereiro

(adenda acrescentada ao post)

A 24 de Fevereiro de 2011, o Partido Socialista criou o domínio socrates2011.com, o qual está a ser usado para a próxima campanha eleitoral (à semelhança do socrates2009.pt, este desactivado mas os rabos de fora abundam).

Ora, precisamente a 25 de Fevereiro, um dia depois do domínio em causa ter sido criado, veio a público que Merkel “convidou” Sócrates para uma reunião em Berlim.

Coincidência? Ou a preparação das eleições começou em Fevereiro? Cada qual que tire as suas conclusões.

A seguir, detalhes obtidos pelo serviço whois (neste caso através do registar joker.com):

[Read more…]

Superavit de banha da cobra

No Expresso, 17 de Março de 2011

Execução orçamental: Governo atinge superavit histórico de 836 milhões de euros até Fevereiro

Lisboa, 17 mar (Lusa) — O Governo vai apresentar um superavit histórico de 836 milhões de euros na sua execução orçamental de Fevereiro quando comparado com um défice de 230,4 milhões de euros para o mesmo período de 2010, disse à Lusa fonte governamental.

Hoje

FMI avisa: sem medidas adicionais, défice será maior este ano

Se o Governo não tomar medidas adicionais, no âmbito do pacote da ajuda externa que está a ser negociado, Portugal não conseguirá cumprir com a meta do défice prevista para este ano (4,6 por cento do PIB). De acordo com as previsões do FMI, o défice orçamental ficará nos 5,6 por cento.

Em menos de uma mês, toda a propaganda se desmorona. Alguém pode fazer o favor de pedir um comentário ao senhor Nicolau Santos? E já agora, podem avisar os eleitores que é de abrir os olhos perante a banha da cobra? Obrigado.

Diz que tal, para eu dizer mal II

Fiquei estupefacto com a veemente indignação que se gerou com a inclusão de Fernando Nobre nas listas de candidatos a deputados do PSD, sendo certo que, ao fim e ao cabo, esse despeito até não seria, assim, tão difícil de prever.

Vamos por partes.

As “auto-putativas” cabeças pensantes deste País enraiveceram-se com o facto de Fernando Nobre ter aceite o convite de PPC. E porquê? Por uma mole de razões cujo fio condutor parece assentar quer no incumprimento do afirmado pelo ex-candidato presidencial, quer na possibilidade do PSD, através duma suposta “baldroca”, estar só a tentar angariar votos.

Quanto ao PSD, o seu Presidente anunciou (muito antes de ser eleito, cfr. livro “Mudar”) o seu desejo de integrar no seu projecto, individualidades que se destacassem pelo seu mérito, fossem ou não provenientes do seu partido ou, mesmo, da sua área política. E é o que está fazer, supondo-se que esta é a primeira “aquisição” e que outras se seguirão. E qual é mal disto? Simplesmente nada. Pelo contrário, é vantajoso quer para o PSD, quer para a Sociedade quer para o País. É positivo, é muito positivo, que o acesso a cargos políticos de destaque se não faça, somente, através da ascensão partidária. É óptimo que aqueles que se vão revelando e relevando pela sua actividade, comportamento e excelência sejam cooptados para participar na gestão pública. E, desde já, rejeito, o argumento que Fernando Nobre não tem essas qualidades, porque a sua vida fala por si. Aliás, e demonstrativo do que verdadeiramente impele estas “virgens” raivosas, é o facto de estarem a ser aduzidas circunstâncias que já eram públicas aquando da campanha presidencial (por exemplo, o organigrama da AMI) e que nunca foram publicitadas. Só agora é que são importantes. Sim, porque um candidato a deputado pelo PSD deve ser muito mais escrutinado que um candidato a Presidente da República. Pois.

Continuando. Disse Fernando Nobre que não se envolveria com os partidos? Disse e não cumpriu. É verdade e é indesmentível. Agora, deve ficar agarrado a essa declaração? É a minha sincera convicção que não. Fernando Nobre deve ter a possibilidade, como qualquer outra pessoa, de mudar de opinião. Tem a obrigação de fundamentar, bem, essa alteração, mas tem o direito de tal lhe ser permitido. Os “irados” que se revoltaram, definem-se, normalmente, como tolerantes e defensores das liberdades individuais. Mas, de vez em quando, mais de vez que em quando, parte-se-lhes o verniz e mandam, às “malvas” a tolerância e a liberdade. É a tal superioridade moral que lhes permite indiciar, acusar, julgar e condenar alguém em público. Pois.

Aliás, nesta altura do campeonato, realmente, o grande crime ético, relevante, foi Fernando Nobre ter assumido um caminho que tinha dito que não percorreria. No pântano delinquente em que mergulhou quem nos governa, no “chorrilho” de aldrabices, fraudes e embustes que tem sido característica do governo deste País, na trajectória corrupta dessas figuras, cujo passado se configura muito mais em cadastro que em currículo, realmente, o facto de Fernando Nobre ter aceite participar num projecto que pretende, não só, afastar essa gente, como também, mudar o paradigma da actividade política em Portugal, faz cair o Carmo e a Trindade. Pois.

O PSD convidou, e bem, Fernando Nobre para integrar as suas listas de candidatos a deputado. Fernando Nobre, e bem, achou que, desta vez, há um lado da barricada em que é preciso estar. Qual é o problema?

Francamente, o que toda esta indignação lembra são aquelas conversas de cabeleireiro em que as protagonistas esfolam a reputação da vizinha. Só que estas “virgens” escrevem e falam melhor.

Poceirão-Lisboa em Expresso-charrete

poceirão

Agora que o TGV vem de Espanha até ao Poceirão, os nossos queridos deputados já poderão ir de comboio até Bruxelas. Sim, que o TGV é uma ligação à Europa, não é? Só há ali um bocadito de caminho até Lisboa onde é preciso um transporte alternativo. Mas não hão-de ser os velhos do restelo a travar o progresso e não há nada que não se resolva. Assim e a bem da nação, aqui deixo já esta ideia, que tenho a certeza de vir a colher as boas graças dos nossos políticos. Partindo do slogan que volta e meia por aí se ouve e que reza “Vá para fora cá dentro”, sugiro que se estabeleça um serviço de charretes entre a baixa pombalina de Lisboa e o Poceirão. Por forma a garantir suficiente oferta, deve-se proceder a uma requisição civil dos serviços de passeio turístico de charrete que há em Sintra. A viagem poderá ser um pouco mais longa do que se o TGV chegasse à Gare do Oriente mas atenção, a paisagem é deliciosa e o potencial turístico da viagem potenciará a economia da região! E tem ainda uma vantagem de monta. Convençam-se os senhores do FMI a virem de TGV para o Poceirão e sempre ganhamos mais um tempito sem contenção. Ganham todos e até ganham os senhores da Mota-Engil, que poderão despachar mais umas obritas públicas enquanto não chegam à capital esses forretas da manga de alpaca. Como se vê, o nosso Engenheiro sabe o que faz e é de agradecer a modernidade que nos trouxe.

Não dizer mentiras

O Zé cantaa primeira regra é não dizer mentirasmashup dos Bandex no seu novo êxito, Mentiras, um vídeo romântico com o último primeiro-ministro de Portugal.

José Sócrates e orquestra.

para elisa

images?q=tbn:ANd9GcTlY4DRuC0-5cPNSPL_ou76VSytL6bY5m_zAs8YeJ5ei1ldRffm&t=1

 a minha neta.

 O Senhor leitor queira desculpar, mas torno, como esse a quem estimo, o meu amigo fraterno, Daniel Sampaio, a falar de netos. O motivo é simples, a vida é um eterno retorno. Não um retorno de uma alma[1] que vai embora e volta a aparecer noutro corpo, como acreditam muitas pessoas, especialmente os Kiriwina da Nova Guiné[2].

Para os que crêem em almas, é evidente. Não tenho essa sorte, pelo que sempre os meus descendentes estão perto de nós e dedicamos, como diz o meu sábio amigo, pelo menos, um dia da semana, para sermos avós a sério. Como? Como cronista quer neste blogue quer na imprensa escrita. Não é o caso de Elisa que, brevemente, vai ser irmã. Novo ser que é, ainda, um projecto de bebé em formação pelo amor e paixão dos seus pais, os [Read more…]

O novo chefe do governo, nomeado pelo PS/D antes das eleições

O novo líder dos partidos da banca, rota e esvaziando-se para os bolsos dos seus accionistas, chama-se Poul Thomsen, é dinamarquês, e já afundou a Grécia e a Irlanda na recessão que lhes dá cada vez mais lucro.

Seja bem vindo, somos um país hospitaleiro que abre as portas a qualquer assaltante como quem estende o tapete  a um turista.

Confesso alguma nostalgia por Teresa Ter-Minassian. Questões de estética, mais nada.

FMI prevê: Portugal único país com PIB negativo em 2012

fmi_paint_1_Ges_SWF

Fonte: EL PAÍS

As delegações do FMI, Comissão Europeia e BCE reuniram com o governador do BdP, Carlos Costa que se encontrava acompanhado de quadros da instituição. A equipa do FMI é, afinal, chefiada por um dito experiente dinamarquês, Paul Thomsen, que já dirigiu idênticas missões na Irlanda e na Grécia.

Aos portugueses está reservada uma vida difícil durante vários anos. A política de reduções das despesas do Estado, velha receita de crise em cima de crise do FMI, denunciada aqui e aqui, e outras medidas de política fiscal e monetária vão trazer graves dificuldades a um grande número de famílias portuguesas – a taxa de pobreza atingirá níveis acima dos actuais quase 2.000.000 de cidadãos.

Estamos, de facto, condenados a permanecer entre os piores, no grupo de países a que se refere o quadro acima, acabado de ser divulgado pela imprensa. Bem sei que se trata de uma previsão, e como tantas outras instituições, o FMI também falha; porém, é triste perceber que Portugal é o único país com recessão esperada para 2012 (- 0,5% do PIB), agravando-se o desemprego para 12,4%. [Read more…]

%d bloggers like this: