O homem é um animal bestialmente tribal

 

Um pastor norte-americano, cuja gravata não disfarça o troglodita que é, queima um livro, ciente de que, do outro lado da barricada, estão outros trogloditas para quem esse livro queimado é sagrado. Os trogloditas do outro lado, cujo turbante também não esconde a besta que os domina e que são, matam pessoas, procurando vingar um livro queimado. Para quem viu a Guerra do Fogo, o extraordinário filme de Jean-Jacques Annaud, basta estar com atenção para perceber que o homem se limitou a substituir peles de animais por fatos e a exibição dos caninos por poderio militar.

Todos os dias assistimos a estes comportamentos bestiais, ou seja, animalescos, e tribais. Há milhares de anos, os émulos de Sócrates e Passos Coelho estariam a bater com paus no chão, acompanhados dos respectivos membros da mesma tribo (e não deixa de ser um exercício curioso imaginar Francisco Assis e Miguel Macedo a urrar atrás dos respectivos chefes). Amanhã, será a mesma preocupação tribal com os símbolos do inimigo que poderá levar a que o ambiente do Estádio da Luz seja digno das cavernas mais primitivas em dia de confronto entre clãs.

“PSD não sobe impostos em 2011”: onde é que eu já ouvi isto?

Esta entrevista de Diogo Leite Campos, vice-presidente do PSD, constitui um documento importante, que merecerá ser analisado até às eleições e escrutinado depois delas, porque as palavras ficam, por muito que os políticos desejem que voem e se dissolvam no ar.

O conteúdo das respostas do social-democrata é de tal modo consensual que o entrevistador chega a provocá-lo: “Jerónimo de Sousa, o secretário-geral do PCP, iria gostar de o ouvir agora.” Efectivamente, há nesta entrevista um grande peso concedido à intervenção do Estado na resolução de muitos problemas como, por exemplo, o do direito à habitação, consagrado na Constituição. Para além disso, há uma referência à necessidade de apoiar as famílias mais necessitadas e, também aqui, há um dado surpreendente: Diogo Leite Campos refere-se “a todas as famílias que ganhem até 2500 euros.”, o que vai ao arrepio da tendência recente para considerar milionário qualquer um que ganhasse mais que o ordenado mínimo.

É claro que, ao longo dos últimos trinta anos, temos assistido demasiadas vezes à rábula do partido que chega ao governo e descobre que o executivo anterior tinha deixado as contas públicas tão mal que, afinal, não é possível manter as promessas feitas durante a campanha. Foi assim com a comédia do “país de tanga” de Durão Barroso e assim foi com a ópera bufa do “afinal o défice era maior” de José Sócrates. É certo que Diogo Leite Campos declara, antes das eleições, que “O PSD sabe que vai substituir o pior governo da história de Portugal. O PSD sabe que vai ter muitas surpresas quando chegar ao poder, mas nunca invocará isso porque sabe que vai tomar conta do país num estado desastroso.”

Gostava muito de estar enganado, mas qualquer coisa me diz que, lá para Agosto ou Setembro, estaremos a ouvir um Passos Coelho compungido, justificando mais medidas de austeridade, dizendo qualquer coisa como “Afinal, o país estava muito pior do que pensávamos. A culpa não é nossa.” E a verdade é que a culpa não será deles. Será nossa.

rebobina-me mãe

mae-segurando-colo_~PAA509000024.jpgREBOBINA-ME, MÃE

Para Maria, a neta da minha amiga Ana Maria*

Os senhores leitores devem estar habituados a ler o que escrevo sobre os direitos das crianças. Não apenas por eu ser da Amnistia Internacional e colaborar com Human Rights Watch. O motivo real, é que as crianças não têm apenas direitos à paz, à alegria, à calma, ao respeito por parte dos pais, mas também à capacidade de serem entendidos por eles e de receberem respostas adequadas à idade da sua epistemologia. [Read more…]

A melhor de ontem

O Prémio 1 de Abril 2011 vai com toda a justiça para Vítor Dias:

Neste sentido, o Partido Socialista, o Partido Social-Democrata e o Partido do Centro Social-Partido Popular dirigem um crucial e fundamental apelo aos portugueses para que, nos próximos dois meses, jamais percam de vista que a única atitude que verdadeiramente serve o interesse nacional é olhar de frente a real e dramática situação em que o país se encontra e as exigências que coloca, (…)

%d bloggers like this: