Amigos

amigos

Falar de amizade masculina é um risco. O mundo latino pensa, de imediato, que a linguagem amorosa é de uso exclusivo do universo feminino ou, quanto muito, do foro íntimo de um casal heterossexual (homem-mulher).

Hoje em dia, há homens que rompem as barreiras classificatórias dos sentimentos, recorrendo ao uso das palavras que, até há pouco tempo, eram identificadas com a fragilidade do mundo feminino.

Na minha opinião, o engano é duplo: será que a mulher é tão frágil como se pensa e o homem tão masculino, que não sabe brincar com palavras atribuídas ao casal? Nestes dias, falar de camaradagem masculina pode levar a enganos, sobretudo a partir das novas leis. Quanto à fragilidade feminina, com o mundo em crise financeira, é um facto quase impossível. Facto que faz a mulher mais masculina que feminina: deve trabalhar com todos os seus músculos e todo o seu corpo, caso se empregue como mestre-de-obras. As palavras podem enganar sobre a pessoa da qual falamos.  

As palavras não só definem, como especulei no meu livro de 2010, Marx um devoto luterano, em edição, como também pensam e levam-nos a enganos. Se um homem diz amo-te, sem sabermos de quem se fala, podemos pensar que se declara a uma mulher, quando, de facto, está a fazer uma galanteria ao seu pai, filho, irmão ou a um amigo da sua intimidade.

Amar não é uma palavra que é pensada como se só existisse no campo do feminino. Grande engano, porque entregar e receber sentimentos de simpatia e intimidade, é um sentimento universal. Parece-me que ninguém é capaz de viver sem essa emotividade, que, por vezes, ocupa-nos todo o tempo, seja um ele ou uma ela e de qualquer idade. Os sentimentos não têm sexo: existem ou não existem. Pode-se amar um amigo, uma amiga, dito por outras palavras, os sentimentos são sexualizados por quem fala ou pelo sentimento que experimentamos por alguém. Tenho consultado todos os dicionários, todos eles envolvem a sexualidade desnecessariamente, ao definir amor como a paixão que se sente por alguém, sendo paixão o desejo de tomar conta de uma pessoa, de dar a nossa asa a quem gostamos muito, com respeito, confiança e sinceridade. Essa pessoa a quem contamos os nossos segredos mais íntimos, na certeza que ficam apenas com ela. O que é, porém, a paixão? O sentimento de uma grande inclinação ou predilecção por um ser que até pode, repare leitor, levar ao sentimento libidinalpredileção, definido por Freud (seguido pelos seus discípulos) a partir do texto de 1923: O ego, o superego o isso ou Id. Neste triângulo, o Isso ou Id tem o papel de vigiar que um superego qualquer queira fagocitar à pessoa que se diz que se ama. Grande pecado, para os que acreditam numa divindade, crime para quem o faz por divertimento, como no caso da Casa Pia.

Este conjunto de pensamentos, nascem de uma brincadeira que um amigo me fez: não se importe, em breve estou ai e vou ser todo seu. Onde está o sexo de quem diz a frase? Está nas letras terminais da mesma, que distingue masculino de feminino. Ora bem, qual a diferença entre as duas vogais? O hábito de separar seres que, sem cerimónia, hoje em dia se podem juntar, facto que tenho observado, em trabalho de campo, na análise da mente. Uma altura, passava uma noite de natal ao pé de um grupo de camaradas, bêbados até cairem, que passavam os braços pelo pescoço uns dos outros, de forma tão fraternal, que comovia; havia também os mais novos que gostavam de acariciar um corpo masculino, forte, bem formado, e o amigo mais velho deixava-se tocar: era carinho! Ao passar por eles correu a voz: olha que vem ai o Senhor Doutor. De imediato o seduzido, começou a bater no mais novo. Lá fui eu, à uma da manhã, até ao lenho que ardia para aquecer a fria noite com neve, separei-os, tomei-os pelo pescoço que cheirava a álcool, abracei-os e estabelecemos uma conversa qualquer, acabando a minha intervenção com a frase os amigos não se batem, amam-se e em amar não há pecado nem crime nenhum. Por ali ficámos junto ao lenho e os meus camaradas, contaram-me alguns dos seus problemas, sentimentos e traições de amar a mulher mãe dos seus filhos, mas seduzir outra.

Há hábitos e costumes que se calam ou se contam ao ser da nossa intimidade, com calma, serenidade e confiança. A libido está no Id de Freud de 1923, ou no de 1906: On sexuality, texto que define aberrações cometidas com crianças, como a pedofilia e outras narrativas psicanalíticas.

Diz-se que o hábito não faz o monge, frase irónica e metafórica, por existirem vários não monges, vestidos, como quem diz, de monge ou cordeiro. Há esse respeito, esse amor que nasce da camaradagem de pessoas que demonstram o seu carinho com o respeito das palavras usadas e o uso do corpo da outra pessoa. Há certa distância que nasce da camaradagem, como tenho observado ao longo de cinquenta anos de trabalho de campo. Até aparecer esse sentimento de amar que apenas se demonstra com a libido em acção.

O meu problema é ser o totem das pessoas que estudo. A maior parte das vezes contam factos que, se existem, não têm a segurança de narrar. As crianças ainda não púberes, por não entenderem a sexualidade, brincam aos casamentos, seja um ele com uma ela e vice-versa, ou dois eles, especialmente se são camaradagens rituais, como entre os Picunche da Cordilheira dos Andes, que estudei, os Baruya da Nova Guiné estudados por Maurice Godelier, entre 1975 e 1979, ou Malinowski no arquipélago das Ilhas Kiriwina, entre os Massim, entre outros.

Actualmente, é raro o antropólogo que faz trabalho de campo vivendo com os seus analisados. Ou, por outras palavras, que corra o risco da camaradagem, como intitulei o presente o texto. Muitos deles são de outra cultura e não dizem o que vêem entre os, por si, estudados. Jorge Dias e Manuel Vieigas Guerreiro, foram capazes de observar a camaradagem dos Maconde de Moçambique, mas silenciaram a vida libidinal que só veio a lume na mais recente (acrescentada) edição do livro do António (Jorge Dias).

Persisto no trabalho de campo. Tenho tido a honra de receber propostas de iniciação sexual por parte de outros homens, que tenho rejeitado não por causa deles, mas pelos constrangimentos da minha cultura, pois só em 2010, a camaradagem segredada entre homens, passou à luz do dia. Não há distinção de sexualidade nesta minha hipótese de camaradagem entre homens, que devo desenvolver com mais tempo e cuidado, a seguir…

Comments

  1. Ana Paula Fitas says:

    Grande texto, querido Professor! Bem-haja!… pela coragem, a naturalidade, o desassombro e a verdade! A ciência, a sociedade e as pessoas precisam de aprender a pensar para, enfim!, Serem!
    Um grande abraço com a admiração e o carinho de sempre.

  2. Ana Paula Fitas says:

    Fiz link, Professor… num post a que chamei “Um Grande Texto e a Voz… para Aprender a Pensar e, enfim!, Ser”.
    Obrigado, Professor! :))

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.