A filosofia da economia

A economia é dominada por duas grandes ideologias: o capitalismo e o socialismo. No essencial definimos capitalismo como o regime político que defende e promove os interesses do patronato e do grande capital, a banca, em detrimento da mão-de-obra assalariada. O socialismo pretende criar um regime político que defende o mundo do trabalho da exploração do patronato e da banca.

A democracia tem servido os interesses que o capitalismo representa uma vez que a classe política que chega a ser governo, seja apelidada de socialista ou social-democrata, sempre interveio a favor do modelo capitalista, até porque o motor da economia, que tem sido chamado de economia de mercado, é o dinheiro, ou seja, a corrupção impera neste regime de democracia política. Única vez que Portugal conheceu o socialismo e por conseguinte conseguiu criar um Estado que representasse e defendesse os interesses da classe trabalhadora, o tal estado social, teve que criar um conselho da revolução e assegurar a letra da constituição da república portuguesa através do poder armado. Assim que a força armada deu lugar ao voto popular nada mais se tem feito do que destruir esse estado social.

A entrada no novo milénio e a apresentação de um mundo livre de concorrência séria ao capitalismo, deu oportunidade ao que se chamou de globalização, isto é, a globalização do regime capitalista, e nem o mundo islâmico pode escapar.

Onde já existem democracias, o processo é menos complicado, pelo menos ao nível das forças armadas. Nesses países, onde a regra eleitoral é a alternância democrática, quer dizer, onde o descrédito no socialismo é imenso, já que os partidos socialistas são eleitos para fazerem o mesmo que a direita faz, é apenas uma mudança figurativa, ou cosmética, até mesmo de estilo, cada personagem tem um modo característico e particular, mas onde a substância e o conteúdo das políticas segue o mesmo trajeto, o mesmo sentido, a caminho da destruição da função pública a favor do desenvolvimento do setor privado.

O engenho desse processo degenerativo do estado social passa pela compra de dívida soberana pela banca, que funciona como credito aos governantes do Estado para endividarem o país com obras publicas de descomunais desorçamentos, mais dívida é vendida e comprada pela banca até chegar ao ponto de desequilíbrio fatal das contas publicas, uma opção mortal é mediatizada com sofrimento incredulidade e resignação, não há dinheiro para tudo, não há dinheiro para as despesas correntes e para as despesas da dívida soberana.

O crédito é imediatamente fechado, uma intervenção estrangeira ruma até ao país dos ricos e dos pobres, e serão os assalariados que deverão pagar o crédito insustentável que a banca forneceu de tão boa vontade. Nessa transferência monumental de capital do mundo do trabalho para o mundo do capital algo deve ser destruído, o estado tem de emagrecer, a despesa corrente do estado deve ser reduzida de modo a facilitar os pagamentos da dívida soberana, e como tal é o estado social que desaparece a olhos vistos.

O processo só estará finalizado quando o estado for reduzido a nada, quando o setor privado dominar toda a sociedade, quando o trabalhador assalariado não tiver direitos nenhum, mas em contrapartida terá todos os deveres para com o patronato, ou seja, o processo encontra o seu final memorável no mundo dos senhores e dos escravos, que é aliás o único final racional para a ideologia do capitalismo.

Texto de fredmarx/ cortesia de Criticamente Falando

Comments


  1. Eu já deixei de acreditar neste sistema actual baseado na economia monetária.

    É um sistema que será sempre corrupto, podre, gerido pelos grandes grupos económicos e as grandes corporações, endividando países de forma obscena, estratificando a sociedade de forma ridícula e gananciosa e que irá falir mais dia menos dia.

    Todos os indicadores indiciam aumento do desemprego nos próximos tempos.
    Os cortes estão à vista…(Bem que o Passos Coelho prometeu não cortar no 13º mês, não subir o IVA, etc., etc.…).
    Milhões de pessoas passam fome em todo mundo, é uma realidade.
    Muitas, mas muitas mesmo, para lá caminham.
    A instabilidade social tende a aumentar.

    O preço do petróleo continuará a aumentar, apesar de se continuarem a descobrir poços.
    É cada vez mais difícil extraí-lo e tratá-lo. A expeculação faz o resto.

    Temos uma economia e um sistema energético, baseada no petróleo, extremamente poluente e que é um recurso finito.

    Temos o Planeta a caminho da implosão ambiental.
    Grandes e anormais épocas de seca estão a atingir vários pontos do globo, onde milhares de pessoas morrem desidratadas.
    Catástrofes naturais como nunca em toda a história.

    Milhões de pessoas morrem de doenças evitáveis devido a não lhes ser prestada assistência ou prevenção.

    1% da população mundial possui, 40% da riqueza mundial.
    E 20% p.m. possuí, 80%…

    95% dos crimes têm motivações monetárias:
    Corrupção, roubos, tráfico, violência,…

    Os restantes 5%, criminosos violentos, tratam-se de casos que deveriam ser considerados de saúde pública e que devem ser prevenidos desvios comportamentais e tratados.

    Milhões de pessoas continuam a ser escravizadas em pleno séc.XXI, incluindo crianças que nunca teram acesso à educação.

    Desculpem o texto extenso, mas muito mais ficou por dizer.
    Recomendo que vejam quem nunca viu ou não conhece:
    Zeitgeist Moving Forward

    http://www.youtube.com/watch?v=4Z9WVZddH9w

    Zeitgeist é um movimento que visa desmistificar o suporte da economia actual, contrapondo com um novo estilo de vida baseado nas energias renováveis, utilizando a ciência e a investigação como suporte do crescimento de toda a população, com as mesmas oportunidades para todos, em vez de ser feito por políticos que não são capazes de resolver os nossos problemas, e quando encontram um problema criam uma lei.
    Em vez de procurarem a solução para o mesmo…

    Não será melhor do que temos???
    http://www.thevenusproject.com/pt_BR

    RECOMENDO


  2. Fico com a impressão que quem fez a banda desenhada não sabe o que é ser patrão.

  3. diony1114 says:

    Já tem um erro na 1ª linha: capitalismo não é uma ideologia. 2º erro: equiparar os socialismo ao capitalismo, sendo que o primeiro é a expropriação dos bens produzidos pelo segundo. Além de continuar com uma reflexão simplista sobre a relação: democracia e sistema econômico… enfim, vamos aos livros mesmo.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.