Morreram Dois Espetadores

Diz o Expresso que morreram dois espetadores. Não diz se eram ou não muito aguçados.

Comments


  1. É por essas e por outras. Não ao Desacordo Pornográfico.


  2. Um dia destes começo a falar só Inglês, é que já não há paciência para tanta estupidez!


  3. O problema é que ninguém se deu ao trabalho de ler as alterações impostas pelo acordo ortográfico de 1990 e desataram agora a deixar caír todos os “C” nas palavras acreditando naquilo a que, falsamente, MST dedicou um episódio inteiro do seu decadente programa na SIC.

  4. Konigvs says:

    O Expresso, jornal de referência, foi, e muito bem, dos primeiros órgãos de comunicação social a adotar a grafia do acordo de 1990, como tal espectador passou a espetador. A mim irrita-me mais continuar a ver todos os outros média principalmente as televisões, que persistem na grafia antiga, semeando a confusão em vez de esclarecer.

    • António Fernando Nabais says:

      Se não se concordar com o Acordo, por que razão se há-de adoptá-lo? Por pura obediência? Parece-me pouco. Concordando ou não, o que me irrita é ver que, mais uma vez, se impôs algo que não serve para nada, usando o modo atabalhoado do costume.
      Entretanto, deixe-me dizer-lhe que o Acordo não o dispensa de ser mais cuidadoso com a pontuação. Finalmente, para designar o conjunto de meios de comunicação social pode utilizar-se “media” (em Latim); “média” é outra coisa.

      • Konigvs says:

        Claro, as regras fazem-se para ninguém as cumprir!!! Só o simples facto de não concordar é justificação para violar o que quer que seja.

        Sobre os média:

        média
        (redução do inglês mass media, meios de comunicação de massa)
        s. m. pl.
        1. Todo o suporte de difusão de informação (rádio, televisão, imprensa, publicação na Internet, videograma, satélite de telecomunicação, etc.) que constitui ao mesmo tempo um meio de expressão e um intermediário na transmissão de uma mensagem.
        2. Conjunto dos meios de comunicação social.
        Nota: A forma mídia é mais comum no Brasil, usada como substantivo feminino.

        P.S: Se não ficou esclarecido consulte o ciberdúvidas que eles ajudam.

        P.S2: Eu sei que escrevo mal, mas não é feitio, é mesmo falta de instrução. Não tenho curso superior nem tenho a mania que sou intelectual, mas curiosamente cheira-me que escrevo melhor que alguns desses.

        • António Fernando Nabais says:

          Como funcionário, é evidente que sou obrigado a aplicar o Acordo, a partir do momento em que isso me é ordenado. Fora disso, enquanto considerar que existe uma hipótese mínima de regressão, recuso-me a adoptá-lo. Um dia destes, vou escrever no Aventar sobre o assunto.
          O dicionário da Priberam tem algumas insuficiências. Nem o da Academia, que aceita tudo, inclui a palavra “média” no sentido de meios de comunicação social. Quanto ao Ciberdúvidas, deixo-lhe, aqui, um excerto:

          “Recomenda-se que media se escreva em itálico ou entre aspas, porque, sendo vocábulo não português — em última análise, proveniente do latim —, deve ser tratado como palavra estrangeira. Sobre a etimologia de media, observe-se que, na realidade, o termo é uma criação da língua inglesa com base no latim, conforme se anota no Dicionário Houaiss (s.v. mídia): medius, a, um «meio; instrumento mediador, elemento intermédio» > media (neutro plural, usado em latim medieval) > mass media «meios de comunicação» (em inglês norte-americano) > media (redução em inglês norte-americano).”

          http://www.ciberduvidas.com/pergunta.php?id=27678

          Não tenho o costume de aproveitar discordâncias para indicar os erros de Português do outro, mas parece-me que alguém que está tão preocupado com as regras não deveria fugir às da pontuação. De qualquer modo, independentemente disso,concordo: há muitos intelectuais a escrever mal.

  5. Maria Fernandes says:

    Está muito bem apanhado! No entanto, acredito que isso foi um engano do jornalista que escreveu a notícia, pois o “c” mantém-se, mesmo após o acordo ortográfico, se a palavra se pronunciar o “c” (tal como “facto” se mantém em pt_PT). http://www.flip.pt/language/en-US/Duvidas-Linguisticas/Duvida-Linguistica/DID/4853.aspx

    Ainda não adoptei o acordo ortográfico e também estou resistente à mudança, mas preocupa-me e chateia-me *muito* mais assitir à morte do Português Lusitano, não por causa do AO, mas porque nos fóruns, nas redes sociais e nas campanhas publicitárias, encontramos três formas de escrever que não são sequer Português:
    – Os que não sabem escrever/falar sem utilizar 50% de estrangeirismos, como se não existissem palavras em Português: Ex. “Hoje fui a uma meeting, correu tudo OK, chegamos on time, o people era cheio de style, discutimos o Business Plan e o Buget…” (nota: Se querem falar inglês: força!, mas não criem, p.f., um idioma transmuntante que não significa nada);
    – Os que falam outra língua incompreensível: “Pk axo aki kdo tou axim”;
    – Os que não sabem conjugar o sujeito com o verbo e utilizar correctamente os tempos verbais: “Quais é”; “A gente somos”; “Gostava de” (Nota: Esta é agora uma epidemia geral e transversal – Se gostavas , então é porque já não gostas, porque está um tempo verbal passado… Tem “se” é porque existe uma condição, logo o tempo verbal é condicional “Gostaria de”. Na TV o único comentador que reparei que ainda utiliza o tempo verbal correcto é o Nuno Rogeiro, de resto, é para esquecer!).


  6. Eu tentarei resistir ao embate deste Acordo Brasileiro da Língua de Portugal.


  7. O Jornal “Expresso” poderia ter escrito espectadores, porque a palavra tem dupla grafia. Por pouco, teriam escrito que o avião se espetou no chão, matando espetadores! lol…

    Se fosse revisor do jornal (não sei se esta profissão ainda existe) emendaria, de acordo como o acordo, e evitaria esta polémica.

    Cumpts.
    César

  8. A. Pedro says:

    Este post é sobre língua portuguesa? É que os instrumentos retratados chamam-se sovelas, não espetadores.

    • Dario Silva says:

      O pretenso objecto “espetador” eu nem conheço; conheço o “porco no espeto”, o “espeto” para o jogo do espeto, e o verbo “espetar”.

      “Espetador” não conheço mas fiando-mo na etimologia, assumo que seja um objecto para “espetar”. E o mais próximo que conheço é o “ice picker”, em inglês. Daí a ilustração…

  9. A. Pedro says:

    Não conheces e não é por acaso. No meu dicionário Houaiss não vem, assim como em nenhum outro que eu tenha cá em casa. Uma busca na net também não funciona para objecto de espetar. Mas, se existisse, tratar-se-ia apenas de uma palavra homógrafa. Existem há muito em português (sede/sede, molho/molho, etc.) e nunca a língua se desfez por causa disso

  10. Konigvs says:

    Eu já aqui deixei a minha opinião sobre o o acordo, não vou bater mais no ceguinho como fazem os seus detratores.
    A mim preocupa-me muito mais as questões que a Maria Fernandes aqui deixou, sobre o estrangeirar constantemente a língua e o internetar/escrever com “kapas”, etc etc, mas contra isso não vejo ninguém insurgir-se.
    Ai os malandros dos brasileiros, naquilo que a mim mais me parece o complexo provinciano da potencia colonizadora mas em cada três palavras pronunciar duas em inglês já é ser muito patriota. Porreiro pá.

    Eu fico mais preocupado quando o Carlos Daniel abre o Jornal da Tarde de 8 de setembro a dizer (deixem-me rever para citar) “acaba a comparticipação das pílulas”. Boa, se fossem as cápsulas podia ser pior!!
    Mais à frente na reportagem, o jornalista André Ribeiro refere “no dia em que se ficou a saber que as píluas concecionais à venda nas farmácias deixam de ter apoio do estado”.
    Estamos a falar profissionais da comunicação social, gente letrada que mais do que ninguém não devia cometer destas gafes.


    • – As gralhas dos profissionais da comunicação são lamentáveis mas não devem ser o padrão linguístico. Se alguns jornais “criam” palavras, é um problema anterior a acordos ortográficos.
      – os estrangeirismos de várias origens são um “problema” de sempre da língua portuguesa e de outras línguas. Se calhar, de todas. Se o latim é a base maior da língua portuguesa que exercitamos, não é de desconsiderar as influências severas do grego, do árabe, de outras línguas ibéricas, do francês e, mais recentemente, influências “tecnológicas” do inglês. A adaptação e a assimilação de vocábulos “estranhos” é natural e também acontece (e de que maneira) na actual língua falada no Brasil. “Despudoradamente”, o dialecto brasileiro incorpora muitas palavras de origem indígena. Faz parte. Também teremos nós aqui que as começar a utilizar, a fim de não nos distanciarmos deles??
      Dou novamente o triste exemplo de Durão Barroso, falando da “taça do mundo de futebol”, a ela se referir, em solo brasileiro, como “copa do mundo”, com sotaque adocicado e tudo. Ora bem, isto é o quê senão uma parola subserviência?

      Viva a língua portuguesa de Portugal. Viva a língua portuguesa do Brasil e dos Palop.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.