O ódio às árvores

Jardim Salgueiro Maia, Massamá

Li há dias e acabo de confirmar:

«Desde o início do verão que a Câmara de Oeiras tem desenvolvido um plano de intervenção que prevê o abate de 90 por cento de árvores na freguesia de Santo Amaro de Oeiras, uma decisão que tem sido alvo de protestos.» na Rádio Ocidente

A Câmara de Oeiras justifica a acção como decorrente de várias reclamações devido às árvores terem “elevado risco de rutura” mas que estão previstas “novas plantações e melhores acessibilidades (zonas de passeio e estacionamento)”. Sem conhecer o caso mas atendendo ao habitual modus operandi aqui deixo a minha aposta de as reclamações terem vindo da parte da tesouraria da câmara, que novos estacionamentos pagos e árvores era coisa incompatível. Os protestos decorrem mas têm os políticos em Portugal este velho hábito de os ignorarem e, mesmo assim, conseguirem fazer-se eleger na mesma. Até com processos em tribunal e condenações à vista, já agora.

O ódio às árvores, particularmente entre o poder local, é algo de longa data. [Read more…]

A tributação dos ricos, as receitas fiscais e o investimento

Warren Buffet, um milionário norte-americano, lançou a ideia de contribuir mais com os seus impostos para a atual crise. Outros ricos de outros países deram especial atenção às palavras de Buffet e vieram também a público defender a criação de um imposto especial sobre as grandes fortunas. Alguns partidos, numa atitude puramente demagógica, não se atrasaram a defender, como têm defendido insistentemente nos últimos anos, a criação de um imposto sobre as grandes fortunas. Aliás, muitos desses partidos fazem da perseguição ideológica aos ricos o seu cavalo de batalha. Ainda não perceberam que mais impostos só agravam a situação.

Vamos por partes: Portugal, tal como outros países, atravessa um momento de grave crise financeira. O dinheiro não abunda nos cofres das finanças públicas portuguesas. A crise financeira não se resolve sem uma economia pujante (esta afirmação é consensual a toda gente). Acontece, porém, que mais impostos são prejudiciais à economia. Se o aumento de impostos pode ajudar as finanças públicas portuguesas no curto prazo, no médio/longo prazo a situação agravar-se-á. Não há milagres. Sem crescimento económico, as nossas contas dificilmente ficarão equilibradas. [Read more…]

Um PS mais seguro, mais credível :D

Jornalismo na Sarjeta…

A edição de ontem do Correio do Minho garante: centenas de minhotos perderam a vida no acidente (ferroviário) de Alcafache. Foram… centenas… só do Minho… centenas…

Aquele que terá sido o mais sério acidente ferroviário em Portugal, desde que há memória televisiva, não tem uma estatística conhecida; estariam a bordo dos dois comboios envolvidos cerca de 400 passageiros. A imensa maioria, assegura quem por lá andava, sobreviveu, até mesmo sem mazelas físicas.

Assim vai certa imprensa divinatória.

É bom não esquecer

Estamos no início do ano lectivo 2011/2012. Por isso nunca é demais recordar a cartilha que deve ser seguida para o sucesso escolar.

Mas a cartilha, de tão filosoficamente rica que é, poderá servir para o país inteiro e até ao Governo: sejamos capazes de escutar estas palavras e fazer de conta que a escola e os professores são a troika, estudar e aprender é trabalhar e pagar impostos, e que os alunos somos todos nós.

A criança e a sua mente cultutal

Alexandre o Grande

Para a Gracinha Pimentel Lemos, antiga discente, hoje amiga pessoal 

Conhecido é que o autor do presente texto não tem sentimentos de fé. Conhecido é, também, que foi educado dentro das ideias ocidentais que, por acaso histórico, são cristãs. Ideias que são partilhadas, não apenas pelos cristãos romanos, arménios, ortodoxos gregos ou russos, libaneses, maronitas ou de outros países orientais, em paz e convívio com os muçulmanos, essa grande maioria com quem o Ocidente comunga a mesma Bíblia. [Read more…]

%d bloggers like this: