Vem aí a esquerda comer criancinhas ao pequeno-almoço, valha-nos Deus!

Tudo indica que a Europa mudou, virando à esquerda, seduzida, mesmo que não apaixonada, por um discurso que torna evidente a evidência: durante os últimos anos, acentuou-se uma governação submetida ao poder financeiro e à visão macroeconómica pura e dura, em detrimento do bem-estar dos cidadãos. Como é óbvio, porque o ensina a pedagogia do bom senso, a virtude está no meio e governar implicará sempre a procura do equilíbrio entre o individual e o colectivo, equilíbrio difícil que não se alcança, com certeza, governando contra as empresas ou contra os trabalhadores.

Tudo truísmos, dirão. É verdade, mas, por vezes, tendemos a esquecer o óbvio. Por falar em óbvio, está à vista o resultado da obsessão pela austeridade: as contas públicas continuam a derrapar, o desemprego aumenta, a dívida cresce, o nível de vida dos cidadãos regrediu. Como se de uma religião se tratasse, os responsáveis por estas políticas garantem um futuro paraíso aos que agora sofrem.

Face a tudo isto, os cidadãos europeus começam a dar sinais de que querem outra coisa e, insensivelmente, consideram que essa coisa está nas mãos da esquerda que tem passado os últimos anos a avisar para os resultados da austeridade excessiva. A realidade tem confirmado os discursos.

Quer isto dizer que a esquerda toma o poder e tudo fica resolvido, de repente? É claro que não. Nada é, infelizmente, assim tão simples. Amanhã, veremos o que acontece. O que é curioso, no entanto, face a esta viragem é o apelo que a direita, assustada, faz à História, relembrando as antigas e actuais ditaduras da esquerda e os pactos entre Estaline e Hitler, a mesma direita, curiosamente, que, em nome dos negócios, está pronta a vender, patrioticamente, o país à cleptocracia angolana ou a rir-se muito nas fotografias em que está abraçada a empresários do Estado Chinês.

Não defendo que se esqueça a História, mas usá-la como único argumento para afastar qualquer corrente do poder só serviria para acabar com repúblicas, monarquias, igrejas, esquerdas e direitas. Portanto, quando quiserem responder ao discurso em que a esquerda moderna e europeísta defende a renegociação da dívida ou o doseamento da austeridade, vejam lá se se lembram de qualquer coisa melhor do que o Muro de Berlim ou os presos políticos em Cuba ou as sinistras palhaçadas do presidente venezuelano.

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    E ministros até escrem “livros para crianças” a explicar a CRISE – esplicam aos meninos “de direita” e aos meninos de “esquerda” – será um best seller da Feira do Libro ?? ah – a feira fechou – só não fechou o Circo – e os saldos não são só no Pingo Doce – há um Stockmarket em Lisboa – e pede-se comida em lata – ir ver a feira à Cordoaria – é perto de mim – aqui tenho amostras de todos os tipos de “feiras” – mas que rico bairro que me basta para confirmar os “noticiários” e politólogos” de profissão assegurada e sem ameaça de desemprego – quantos ordenados míninos são aqui “comidos” e acumulados com a profissão base ?? mas que mina de oiro

  2. Orlando Teixeira says:

    Engraçado que diga que a esquerda não irá resolver tudo logo, mas seja isso que exige à direita. Que em 10 meses acabe com o buraco que a esquerda cavou em 16 anos. Ou não foi a esquerda que esteve por aqui, e na grécia e em espanha?

  3. MAGRIÇO says:

    Caro Orlando Teixeira, se por acaso é rico e esta crise lhe passa completamente ao lado, então, embora revelando não ser muito solidário, pelo menos, é compreensível. Se tem necessidade de trabalhar para sustentar a família, deixe-me dizer-lhe que não lhe fica nada bem defender uma ideologia que se tem mostrado sempre hostil a quem trabalha. Aconselho-o a fazer uma pesquisa que o elucide exactamente o que significam os conceito de direita e esquerda. Acho também curioso que venha defender que a direita está a acabar com o buraco que a esquerda cavou: por acaso não o espoliaram de dois subsídios legalmente consignados na lei? Cordialmente, um muito bom dia para si.

  4. MAGRIÇO says:

    Peço desculpa pela redundância “legalmente na lei”.

  5. Maria de Fátima Bizarro says:

    Caro Orlando Teixeira, o buraco não tem 16 anos. Começou a ser cavado nos anos 80, quando foi eleito, por maioria absoluta, um senhor chamado Cavaco Silva. As tais famosas parcerias público-privadas, inventadas nesse “reinado”, é que começaram a cavar o buraco. Infelizmente, muitos portugueses têm a memória curta e só se lembram do passado mais recente. Cumprimentos.

  6. António Fernando Nabais says:

    #2
    Há algumas coisas que me parecem óbvias:
    – nada pode ser resolvido tudo logo;
    – dá-lhe jeito esquecer o que está antes dos últimos 16 anos;
    – não foi a esquerda que esteve aqui, na grécia e na espanha;
    – não lhe garanto que a esquerda seja a solução, mas sei que PS-PSD-CDS-Merkel-Sarkoz são elementos do problema. No mínimo, está na hora de experimentar outra coisa.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.