Amor à camisola

Pepe: as pátrias são de quem as ama, não de quem se limitou a nascer nelas. Aos que no séc. XXI insistem que só devem jogar na selecção aqueles que aqui nasceram, Pepe demonstrou mais uma vez que é o verdadeiro líder da equipa, ao contrário de um ilhéu que continua a não ser digno da braçadeira.

 

Comments


  1. Isso vale para Liedson?
    Ou é um «post» clubista?
    O madeirense, ok, deveria jogas só na seleção da Madeira, ele e o Micael (ou lá o que é).
    Agora o Pepe a capitão… estamos a falar de futebol, não de “wrestling”


    • Por acaso, ou talvez não, os 3 golos foram marcados por gente que aprendeu a ganhar num certo clube. Mas aqui nem é esse o caso em apreço. O Liedson nunca jogaria na selecção brasileira, o Pepe tinha este ano uns jogos olímpicos para ganhar. E clubista é esse ódio ao Pepe, só pode. Hoje nem sequer mandou para o estaleiro um suicida que o pisou.

  2. Ana Bento says:

    O ilhéu só vê $$$ !Ele que fique lá com os hermanos.


    • tens razao……ele nao deve nada á seleção o palmares dele foi feito e construido no estrangeiro….(Madeira ,inglaterra e espana )


  3. Um gajo que pontapeia na cabeça um adversário caído, deveria era ter sido irradiado de vez e nunca mais jogar futebol (a não ser que fosse no pátio de uma cadeia)…
    Está bem, dá jeito na defesa, dá jeito quando marca golos, mas enfim.
    Por mim nunca representaria a selecção portuguesa.

  4. palavrossavrvs says:

    Sempre fui fã de Pepe. Sempre o admirei, sempre considerei de uma extrema hipocrisia
    condenarem-no por ser incisivo, exacto e intenso.
    E estou com o JJC: há patriotas de merda, nascidos e criados na terra em que cospem ou pela qual nada fazem
    e aqueles que sangram pelas pátrias que adoptam e amam, como Pepe.
    Se Pepe fosse uma pátria, eu seria pepesiano


    • Mas há patriotas sem ser “de merda”?


    • tb admiro muito pepe pq teve coragem de optar por uma nacionalidade de merda como a que escolheu …mas paciencia escolha foi feita por opção e em consciencia ,pode nao ter sido a melhor ,pq até me estou a lembrar dos u.s.a que alem de ser mais perto parece-me que até seria melhor


  5. Subscrevo

  6. Konigvs says:

    Patética essa discussão do que é ser português e do este-brasileiro-é-mais-português-do-que-aquele.
    Bem vindo a um país racista e xenófobo.

  7. João Cabiça says:

    Post ridículo. Esse ilhéu, apesar de ser um menino minado e não ter o perfil de capitão e o carísma de um Figo, já deu à patria muito mais que alguma vez dará grande maioria de todos nós. Infelizmente é o futebol que nos coloca na boca do mundo, nos quatros cantos, e agora através do ilhéu. Ilhéu esse que é um atleta de excelência. Crítico consigo próprio, o primeiro a chegar aos treinos, o último a sair. Dedicado a 100% na busca da perfeição. O que é deve a ele próprio.

    Sr. João José Cardoso, provavelmente que deveria de mudar de nacionalidade é você. Este país é demasiado pequeno para tamanha falta de inteligênia. O seu post não é ridículo, como disse em cima, é uma aberração completa, tal como parece ser o seu discernimento. Será da idade?


    • Deve ser. Com a idade deu-me para achar que o capitão deve ser um jogador que puxa e empurra a equipa mesmo quando as coisas correm mal, e não o jogador mais mediático e que mais ganha (convenhamos que um cavalheiro, capaz de perguntar a um adversário quanto ganha disposto a emprestar-lhe algum em caso de necessidade).
      Pode ser que quando chegar o Alzheimer me passe.

      • João Cabiça says:

        Não o critico em colocar em causa o lugar de capitão do Ronaldo. Critico-o sim por colocar em causa o amor que um português tem ou não pela sua pátria. Não tem o direito de fazer tal coisa.

        Quanto ao Pepe, concordo consigo.


        • Não afirmei isso, nem afirmo. À sua maneira o moço tem o seu amor à camisola, e ó óbvio que não falha golos porque lhe apetece. A referência é genérica, e não se aplica a nenhum jogador da selecção. Até porque só lá jogam porque querem.

  8. XAVIER says:

    De tão patética que se tornou esta discussão, só dela sobressai uma coisa:Baixo nível. Tão baixo, que nem a pior exibição dos 14 que jogaram se lhes compara…


    • Até concordo. Mas como nunca vi uma discussão sobre futebol não acabar em baixo nível, não vejo onde está o espanto. Futebol é isso: irracionalidade, tribalidade e paixão.
      Não fosse assim e perdia metade da piada, verdade se diga.

  9. patriotaeliberal says:

    #0

    O Pepe beijou a camisola das quinas!
    Deixei cair uma lágrima do canto de um dos olhos, do canto do outro olho vi uma boa quantia de euros de prémio. Do outro olho soltou-se-me um traque.

  10. patriotaeliberal says:

    “há patriotas de merda, nascidos e criados na terra em que cospem ou pela qual nada fazem
    e aqueles que sangram pelas pátrias que adoptam e amam, como Pepe.
    Se Pepe fosse uma pátria, eu seria pepesiano”

    LOL

    Com esta prosa, palavrossaurius, lixaste-me qualquer hipótese de resposta.

  11. patriotaeliberal says:


  12. Isabel Jonet transportou uns km a chama olímpica mais uma menina portuguesa – como já não escrevem nome no écran não seiu quem é quem – reportagem de Luis filipe Fonseca – segue expo de Joana Vasconcelos e a sua expo em Versailles – a 1ª mulher do mundo a expor ali – até que enfim que alguém dignifica a “arte das mãos” das portuguesas que sempre fizeram coisas maravilhosas a que já ninguém liga com o processo industrial, além da loiça da minha terra do barro – interessante ir atrás no tempo e nas artes populares para recuperar o passado e reanimá-lo para a modernidade – expo desde julho até fim de setembro – e chamam-lhe expo de arte contemporânea


  13. Depreendendo-se que o Pepe terá escolhido ser português de corpo e alma é legítimo que alguém ponha em dúvida as suas faculdades mentais… 😉


  14. As pátrias são principalmente de quem não tem lugar na seleção do seu país.

    • Konigvs says:

      Claro. Por isso é o que o Pires escolheu a seleção francesa, porque deve ser burro, aqui não teria concorrência!
      Cambada de racistas.

    • Armindo de Vasconcelos says:

      A concordar consigo, nenhum dos adventícios da selecção alemã, que representa o porventura mais xenófobo dos países europeus, teria lugar nas respectivas selecções de origem: Klose, Podolsky e Trochowsky (Polónia); Baoteng (Ghana); Ozil (Turquia), Khedira (Tunísia); para não falar de Cacau ou Tasci, Aogo ou Mário Gomez…
      Não sejamos mais papistas que a Senhora Merkel!

Trackbacks


  1. […] contrário, o Pepe escolheu ser Português de corpo e alma. Vive com intensidade e até faz um esforço por falar a nossa  versão da língua que nos une. […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.