Os ferroviários, a CP e uma greve que me chateia

Como muitos outros portugueses que pagam mas não utilizam auto-estradas, pontes tipo Vasco da Gama, e outras parcerias para privados, sou uma queixosa vítima da greve no Natal, às suas horas extraordinárias, dos ferroviários.

Fico mesmo pior que estragado com greves assim. Um deste dias apanhei na TSF um manhoso que se gabava de ter deixado a CP pronta a privatizar. Imaginam o que fez ao serviço público? está feito.

E lá irei, de camioneta, com este governo que não fechou nenhuma das tais auto-estradas inúteis, mas já encerrou uns bons quilómetros de ferrovia, e nunca mais vai de carrinho

Os comboios sobreviverão? duvido, a ordem é fechar, e onde há lucro para todos pagarmos, privatizar, prejudicando o país.

Estou mesmo furioso com esta greve. Furioso com aqueles para quem os direitos dos trabalhadores são trucidáveis. Sem passagem de nível. E também sem paciência para essa malta minúscula que se queixa da greve sem se lembrar da última vez que andou de comboio, há tanto, tanto tempo, eras tu uma criança… alguns nem antes de nascerem, coitados, que comboio é coisa de pobre.

Comments

  1. margarida soares franco says:

    De quem andou, durante 40 anos, todos os dias e várias vezes, não falam. Sou livre de criticar quem não trabalha, nem deixa os outros trabalhar !!!!!!!!

  2. O Merdossaurus Palavroso altera os nomes dos comentadores says:

    Que mil greves floresçam

  3. maria celeste ramos says:

    O combóio é e sempre foi depois de ser implantado, o transporte público por excelência – e até fica bonito na paizagem humanizando-a e obrigando-nos a olhar para ela e ver como é bonita ou aviltada – olhar e ver e conhecer as paisagens do país o que o carro e avião não permitem independentemento do transporte que há ou se prefere


  4. Sabe tão bem dizer “NÂO!” quando nos tentam pisar. E ainda bem que há gente livre neste país que diz “NÂO!”. É sinal que ainda se respira liberdade. Liberdade essa que é, pelos vistos, tão odiada por alguns, para quem a greve deve ser uma coisa escrita num papel para nunca ser usada de facto.


  5. A questão é mesmo essa, João, todo este barulho por fazerem greve e quando o governo ganhar e oferecer tudo a privados que tudo fechem vão estar todos calados.
    Cem anos atrás para voltar às mesmas lutas, porque o povo nunca aprende.

  6. Jorge says:

    Vivam os ferroviários. Vivam sindicatos. Vivam os comboios.viva Portugal Abril.

    • ANTI-COMUNA says:

      deves ser comuna de certeza. daqueles que não faz a ponta de um corno, e sempre a meter dias de sindicato para coisas pessoais, como ir À CAÇA.

      • Jorge says:

        Deves ser da seita do BPN aqueles que roubaram o dinheiro dos depositantes e faliram o pais. Deviam estar todos num Gulag na Sibéria

      • ANTI-COMUNA says:

        não sou não, estou farto é de comunas com a mania que com o manifesto de marx debaixo do braço vão mudar o quer que seja. querem é tacho também.

        • Jorge says:

          És és . E com uma certa azia fascista.


          • Ó cretino, vai dar uma de anti-.comuna para o raio que te parta. Se tens saudades do Salazar dá um tiro nos cornos.

          • ANTI-COMUNA says:

            Vai mas é para a coreia do norte que é para saberes se é melhor o fascismo ou o socialismo. Venha o diabo e escolha um. Fica já a saber que sou anarquista, portanto muito longe do fascismo, mas irritam-me os pseuso-comunistas que tem a mania de apontar a culpa ao capitalismo e depois também não abdicam desse mesmo capitalismo, como férias á patrão, casas com luxos, bons carros, por isso ide todos prá p… que vos par$$, moralistas de mer… que a vossa hora há-de chegar.

          • Jorge says:

            Confirma-se fascista e idiota. Geralmente as coisas andam associadas.


          • ó anti-coiso, não alimento trolls.

  7. O Merdossaurus Palavroso altera os nomes dos comentadores e censura os posts. says:

    Vivam os ferroviários.

  8. André Dias says:

    Há aqui alguma ignorância. Quando um governo, como o actual, pretende acabar com planos de autoestradas com regime de PPP, como é o caso da A26 Beja-Sines, lá saem os militantes do PCP debaixo das pedras e começam a exigir que a PPP nem sequer seja renegociada, e que se construa uma obra descrita como “equivoco técnico” custe o que custar e faça sentido ou não.

    Preso por ter cão, preso por não ter.

    • Jorge says:

      André Dias-o esclarecido
      O Governo actual quer acabar com tudo custe o que custar .


    • A A26 é paralela a quê?

      • António Fundo says:

        É paralela ao aeroporto de Beja. Pelo menos na relação entre dinheiro público desperdiçado e pessoas que realmente serve.

        Mas lá está, parece que o que faz avançar o país são as greves para falir a indústria e obras megalómanas para falir os contribuintes. Depois queixam-se que é preciso descontar o 13º mês para pagar todos estes paralelismos como a A26.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.