As ofertas de escola

Não, ainda não – as escolas não estão a oferecer nada!hb29

Trata-se apenas do nome dado ao processo de selecção dos professores contratados pelas escolas nos dias que correm – há um professor que vai para a reforma, que fica doente, etc…, e então a escola abre um processo para escolher o “novo” docente  – a isto foi atribuído o nome de ofertas de escola.

Felizmente (digo eu!) o MEC resolveu colocar alguma ordem nestes processos e minimizou as possibilidades dos  Directores das Escolas e dos Agrupamentos, hoje fortemente envolvidos nas dinâmicas partidárias locais, poderem escolher quem queriam. Uma vezes até poderia ser pelos melhores motivos, mas em parte significativa dos casos conhecidos a amizade era um bom motivo…

Mas tem havido excepções e há escolas que insistem processos questionáveis  – a Escola Secundária de Paços de Ferreira tem aberto um concurso para Professor de Português onde consideram 50% para a graduação (nota de curso + tempo de serviço) e outros 50% para uma avaliação curricular – de acordo com a lei poderia ser uma entrevista.

Agora, usar nesta análise a publicação de obras ou os cargos desempenhados é colocar mais uma vez  a sala de aula de fora, isto é, foca-se a escolha do docente em elementos exteriores ao que é a matriz do trabalho docente  – a sala de aula.

Vamos fazer  um esforço por acreditar que este modelo de concurso foi pensado com as melhores intenções, ainda que não pareça. Publicações? Mas… Para “dar aulas“?

É um fato tão perfeitinho que parece feito à medida…

Nota: e já agora, fica a informação que o tempo de serviço a considerar é o que tiver acontecido até 31 de agosto.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.