Excepcionais: com pê, claro


Neste texto de Daniel Oliveira, encontramos, no mesmo parágrafo, ‘excepcionais’ e ‘atual’.

DOLIVEIRA

Para quem ainda tiver dúvidas (apesar das bases: quer a teórica, quer a outra) acerca de escreventes da norma portuguesa europeia intuírem a função diacrítica de consoantes não pronunciadas, a recaída excepcionais de Daniel Oliveira – apesar da aparente destreza na supressão do ‘c’ de actual (com função, sim, embora não diacrítica) – poderá ajudar a perceber que a simplificação proposta pelos negociadores do Acordo Ortográfico de 1990 lhes toldou (fiquemos pelos aspectos técnicos – aqueles que me interessam – e não enveredemos pelo labirinto político) a dimensão leitura, indissociável, em leitores/escreventes experientes, da dimensão escrita.

Dito (ou escrito) de outro modo, ao grafar ‘excecionais’, um escrevente português terá a sensação de que o -cecionais dessa palavra, em vez do [-sɛsjuˈnai̯ʃ] pretendido,  reflecte um [-sɨsjuˈnai̯ʃ] inexistente e, por isso, não abdica do ‘p’.

Sim, porque não é só no livro do Eduardo Guerra Carneiro e na canção do Sérgio Godinho que isto anda tudo ligado.

É evidente que tudo se complicará se Daniel Oliveira (ou qualquer falante de português europeu) tiver o hábito de ler textos em português do Brasil. Pois, claro, no Brasil, excepcion |-al-ais continua a existir (ide ver ao Houaiss, ide, ide) e significa “em que há exceção”. Pois. Isto do AO90 não é tão simples como andaram por aí a dizer e, claro, não é bem a meia hora vaticinada pelo antecessor de Edviges Ferreira. Sim, é muito complicado. Mais vale acabar com este imbróglio, antes que seja demasiado tarde.

Desejo-vos um óptimo e excepcional fim-de-semana.

Post scriptum: Em discussão no edge.org: “what scientific idea is ready for retirement”? Vale a pena ir lá dar uma espreitadela.

Comments

  1. José Neto says:

    Muito obrigado pelos seus votos.
    Também lhe desejo um excecional fim de semana

  2. sinaizdefumo says:

    Um ótimo e excecional fim de semana pra si tamém. Pena-me munto ver assim partir aqueles garbosos pês em dia crítico mas que s’há de fazer… (e lembrar-m’eu qu’inda luvei umas castinheiradas im garoto por causa dos ditos cujos).

  3. Já agora, deixo aqui o post do Daniel Oliveira às 20:11 do mesmo dia:
    “Por causa de faltas e divisões internas no PSD, a co-adopção foi aprovada no Parlamento. Para voltar atrás no seu próprio voto, o mesmo PSD aprovou uma resolução para a realização dum referendo à co-adopção e à adopção. Ou seja, a um assunto que está legislado e a outro que, não o estando, não pode ser referendado. Não sei o que é pior: se estes problemas do PSD com os seus próprios votos, se a ideia absurda de que, a cinco meses dum programa cautelar, o país tem capacidade para se mobilizar para debater a co-adopção e participar neste referendo. Sei uma coisa: se algumas dúvidas houvesse sobre o desnorte desta maioria, a palhaçada de hoje deixa tudo muito claro. Nota final: é evidente que não vai haver referendo nenhum.”

    Com aqueles “co-adopção” e “adopção” por ali, parece-me que ele não teve tempo de o passar pelo crivo acordista…

  4. O que me pareceria estranho era que ao fim de muitos anos a escrever de uma determinada maneira as pessoas não tivessem agora algumas dificuldades na passagem para o novo acordo ortográfico. Eu próprio, que tento escrever conforme o mesmo, dou de quando em quando uns erros, particularmente quando estou mais apressado ou cansado. Por certo que os mais jovens já não terão essa dificuldade.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s