Acordo Ortográfico de 1990: ortografia descaracterizada

Antes de interromper, durante cerca de um mês, a minha actividade no Aventar, permitam-me uns rápidos parágrafos acerca de grafia ontem surgida na RTP que por cá se apanha.

Qual será o motivo invocado por escreventes de português europeu que adoptam o Acordo Ortográfico de 1990 – por convicção, opção ou coacção – para grafarem *caraterização em vez de caracterização? Levando em consideração o único e incorrecto critério que rege a base IV do Acordo Ortográfico de 1990 – “o critério fonético (ou da pronúncia [sic])” – e sabendo que as directrizes para uma “pronúncia culta da língua” se encontram em obras de referência, a consulta dos dois dicionários de português europeu com transcrição fonética (IPA) permite-nos confirmar ou ficar a saber que ao ‘c’ da sequência -ct- de caracterização corresponde sempre uma oclusiva velar surda, isto é, em linguagem, o ‘c’ medial de caracterização é sempre pronunciado – cf. GDLP, 2004, p. 284 & DLPC, 2001, p. 688. Ou seja, sempre [kɐɾɐktɨɾizɐˈsɐ̃ũ̯] e nunca [kɐɾɐtɨɾizɐˈsɐ̃ũ̯]. Por isso, por muito que custe aos adeptos do Acordo Ortográfico de 1990, a grafia *caraterização não é válida em português europeu e esta [kɐ.ɾɐ.tɨ.ɾi.zɐ.sˈɐ̃w] só serve para alimentar confusões.

Existe frequentemente um enorme fosso quer entre a percepção que temos da nossa própria prolação e a percepção que outros têm, quer entre prolações que consideramos como nossas e de outrem e aquilo a que elas efectivamente correspondem. Contudo, encontrando-se a base IV do Acordo Ortográfico de 1990 alicerçada numa idealização, a grafia que aqui vemos é pura e simplesmente um erro.

caract1

Independentemente de nós próprios pensarmos que não pronunciamos/não se pronuncia a oclusiva velar surda na palavra X ou de outrem concordar que não pronunciamos/não se pronuncia a oclusiva velar surda nem na palavra X, nem na palavra Y, aquilo que de facto deve interessar a quem adopta (por convicção, opção ou coacção) o Acordo Ortográfico de 1990 é a “pronúncia culta” associada ao “critério fonético (ou da pronúncia [sic])”.

Quem adopta (por qualquer dos três motivos já mencionados) o Acordo Ortográfico de 1990 deixa de se preocupar com a grafia correcta da palavra X e passa a debruçar-se sobre a pronunciação ideal da palavra X. Ao contrário do que se escreve por aí, “a aproximação [?] ortográfica” de facto “interfere com (…) a ortoépia”, uma vez que a legitimação da grafia *caraterização conduzirá necessária e consequentemente à legitimação de uma inadmissível [kɐɾɐtɨɾizɐˈsɐ̃ũ̯].

A coisa piará ainda mais fino naqueles casos (como o indicado no artigo do “ao contrário do que se escreve por aí”) sem consenso entre autores de obras de referência que servem de base à fixação da “pronúncia culta” associada ao “critério fonético (ou da pronúncia [sic])”.

Se há solução para este problema? Claro que há: continuar a adoptar a ortografia de 45/73 e abandonar, duma vez por todas, a irresponsável aventura de 90.

Até breve.

Comments


  1. Até que enfim que vejo os palhaços serem mesmo tratados como palhaços e não como gente com uma cultura acima das minhas possibilidades. boas férias que bem merece

  2. raul says:

    Simples. Há os que sabem escrever Portugues e há os k nao sabem..Tambem há os que nao querem….e esses pela vida fora terao o que merecem…..

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.